Pular para o conteúdo principal

Gonçalo M.Tavares escreve sobre a fragilidade e a desorientação do presente, por LUCIANO TRIGO

Gonçalo M.Tavares
Hanna, uma adolescente de 14 anos com Trissomia 21 (Síndrome de Down) é a protagonista do novo romance de Gonçalo M.Tavares. Em algum momento do pós-Segunda Guerra, perdida numa cidade próxima a Berlim, ela procura seu pai. Hanna fala com dificuldade, não entende nada do que acontece à sua volta nem percebe o raciocínio dos outros. Um homem com pressa e possivelmente em fuga, Marius, se compadece dessa menina indefesa e decide acompanhá-la, numa busca que atravessa vários cenários sombrios. Finalmente em Berlim, os dois chegam a um hotel com corredores povoados por fantasmas da guerra, que circulam entre as obsessões e os escombros do século 20.

Com esse enredo atípico, o escritor português Gonçalo M.Tavares se afasta dos jogos formais e abstratos que caracterizam a maioria de seus livros, o que sugere que ele próprio, como seus personagens, está engajado numa procura fundamental. E a narrativa de seu romance também conta, de certa forma, a história dessa procura, a de um escritor bem-sucedido por novos caminhos de expressão. A longa extensão do título - “Uma menina está perdida no seu século à procura do pai” (Companhia das Letras, 240 pgs. R$ 39,90) – já sinaliza que Gonçalo tenta estabelecer com a linguagem uma relação diferente, mais humana, menos racional e econômica.
Leia aqui um trecho de “Uma menina está perdida no seu século à procura do pai”.
Livro 'Uma menina está perdida no seu século à procura do pai', de Gonçalo M.Tavares
O resultado é uma narrativa estranha, em permanente construção, dando a impressão de que o escritor – como o narrador, como a menina – não sabe o que vai acontecer na página seguinte. É uma aposta de êxito incerto, e talvez por isso o livro tenha recebido algumas críticas negativas em Portugal. Gonçalo M.Tavares seguramente cria ganchos interessantes – uma menina duplamente (pela genética e pela geografia) frágil e indefesa; a situação desoladora de estar perdida, no tempo e no espaço, deliberadamente apresentados de forma imprecisa; o caráter errante de sua travessia, que parece condenada ao fracasso.

Mas, de certa maneira, o romance promete mais do que entrega: à medida que o texto avança, mais ele assume o caráter de registro de um impasse, em torno do qual são tecidas variações algo repetitivas, mas que nunca será resolvido – como os números sem lógica e sem fim que outro personagem,o velho Vitrius, anota em seu caderno, preservando uma absurda tradição familiar. Pode-se argumentar, é claro, que o objetivo do autor era esse mesmo, como que refletindo a sua visão sobre a crise europeia contemporânea: sem saídas aparentes, num momento em que, mais uma vez, o presente é esmagado pela perspectiva de um futuro ruim.
Entre os personagens secundários que vão aparecendo ao longo da narrativa-viagem, estão um fotógrafo que coleciona fotos de animais e pessoas com deficiência e os donos de um hotel que deram aos quartos nomes de campos de concentração. Com uma atmosfera difusa que lembra um pesadelo povoado por paisagens em escombros e figuras sombrias, “Uma menina está perdida no seu século à procura do pai” é um romance sobre a fragilidade da vida – que se torna mais patente em um momento de incerteza coletiva, que faz emergir aquilo que o homem tem de pior, em suas formas mais perversas e violentas, fazendo as vítimas de sempre: as pessoas fracas e diferentes, que sempre se vêem à margem dos acontecimentos que as afetam. É também um romance sobre a incerteza coletiva que vivemos, marcada pela situação de desorientação e desamparo social e emocional. São temas necessários e urgentes, mas fica da leitura um sentimento de incompletude, como se o próprio Gonçalo M.Tavares estivesse à deriva, como se em algum momento ele tivesse perdido o fio condutor e o sentido de sua narrativa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HOMENAGEM ÀS MÃES: UM DOS MAIS BELOS TEXTOS QUE JÁ LI

Resolvi homenagear às mães com esse texto que considero uma das mais belas páginas já escritas pela inteligência humana. Neste azo, quero cumprimentar a minha adorável mãe Terezinha Albuquerque e à minha esposa e companheira de todas as horas Marlúcia, mãe do meu bem mais precioso.
Retrato de Mãe
Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus; e pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo; que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com as forças todas da juventude; quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças; pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama, e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre ferido pelos ingratos; forte, entretanto estremece ao choro de uma criancinha, e, fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões; viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que so…

DICA DE LIVRO: JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones

Sempre tenho falado da importância do exercício da liderança, tanto na vida profissional, como pessoal. Como fruto dessa necessidade indico o livro JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones (Editora Sextante). A autora é consultora de marketing e conferencista de renome nos Estados Unidos. O livro trata sobre os princípios de liderança de Jesus Cristo e como podem eles ser aplicados no trabalho, gerando crescimento, harmonia e realização. Numa abordagem espirituosa, a autora compara Jesus a um empresário que montou uma equipe de 12 pessoas que estava longe de serem perfeitas, mas conseguiu treiná-las e motivá-las para cumprirem sua missão com sucesso. Nesse contexto, o livro mostra um modelo de gestão baseado em três categorias de forças: autodomínio, ação e relações. Entre as frases geniais do livro, destaco: "Esperar o tempo perfeito é uma grande desculpa e uma racionalização para se ficar parado e não fazer nada." (pág. 44); "Os líderes que compartilha…

DICA DE LIVRO: AUTO DA BARCA DO INFERNO, de Gil Vicente

Ainda da Coleção Clássicos Saraiva, indico para leitura a obra "O AUTO DA BARCA DO INFERNO", do humanista português Gil Vicente. Inicialmente destaco que Gil Vicente é um importante autor da literatura portuguesa e foi o fundadador do teatro em Portugal. Situada no limiar entre a Idade Média e o Renascimento, no período que ficou conhecido como Humanismo, entre os séculos XV-XVI, a obra vicentina é um atestado exemplar dessa transição de costumes e valores. Tendo temática de base religiosa, seu teatro consegue harmonizá-la com elementos profanos. "O auto da barca do inferno" é a obra mais famosa de Gil Vicente e um clássico do teatro de língua portuguesa. Seu tema central são as personagens que, mortas, são conduzidas à barca que as levará ao Inferno ou Paraíso. As cenas retratam o diálogo jocoso que cada um dos pecadores trava com o Anjo e com o Diabo. São muitas os personagens sociais que fazem parte do drama: Frade, Sapateiro, Fidalgo, Alcoviteira, Enfocado e ou…