quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

XÔ LAMENTAÇÃO

É bastante comum as pessoas atribuírem o insucesso a motivos que lhes são externos: famílias, governos, instituições etc. Essa mentalidade retrata uma transferência de responsabilidade que na maioria das vezes serve de justificativa para os nossos fracassos. Culpar alguém é muito melhor que assumir a culpa. Esse pacto de mediocridade interpessoal faz com que muitos se utilizem da cruel vitimização para dar respostas a uma vida sem brilho, sem projetos, sem realização.
Ao culparmos os outros por nossas desventuras, estamos atribuindo a eles a responsabilidade sobre o nosso insucesso. Isso de fato é bastante cômodo porque não exige uma investigação sobre as causas e muito menos uma ação concreta no sentido de superar aquele estado  de inércia. Se fracassamos, a culpa é do professor, do pai, do vizinho, do político,  quem sabe até da cegonha. Nesse contexto nos permitimos enveredar pelo ciclo vicioso  da zona de conforto.
E haja culpados para tanto fracasso. Será  uma existência inteira de lamentações. Pior ainda  para quem vai ter que ouvir e conviver com esse rosário de lamúrias. Com certeza vocês já partilharam do convívio de pessoas que preferem valorizar suas desgraças a  lutar para transformar as realidades que lhe são adversas. Apontam seus culpados, ao contrário de perceberem que são eles próprios, na maioria das vezes, a razão de seus infortúnios. Esquecem-se da lição básica de avaliar os seus erros, de reconhecer suas omissões. Tornam-se algozes de si mesmos, atiram-se no abismo de suas desventuras.
Dessa tragédia do conformismo cego, devemos colher boas lições. Uma delas é percebermos que se fracassamos, parcela ou quase totalidade desse fatídico resultado, advém dos nossos próprios erros. Faltou-nos coragem e audácia. Deixamos de enxergar o mundo pelas possibilidades  e optamos por aceitar os horizontes sombrios de uma existência pífia, morna e amorfa.
Talvez alguns de vocês tenham a vontade de me dizer que o que  ora escrevo não tem sentido, pois desconheço sua história pessoal. Mais ou menos isso: “Se você soubesse  como é a minha vida, com certeza me daria razão....” Lamento desapontá-lo mas mesmo a meio das maiores intempéries e dos invernos existenciais  pelos quais você passa,  nada justifica o fracasso que se ampara no imobilismo, na ausência de ação, na aceitação imotivada.
 Já disse antes e repito: Nascemos para a vitória. Basta que façamos as escolhas certas. Isso, entretanto, impõe trabalho, determinação e foco. Muito mais ainda nos exige amor próprio e vontade de construir uma história diferente, motivada pela singularidade que é peculiar à nossa própria existência; somos únicos e há em cada um de nós uma inarredável vocação para a vida em plenitude. Vida que viceja vida. Vida que se dinamiza, se transforma e se renova.

                              Por isso, antes de atribuir a alguém seus fracassos, olhe para dentro de si mesmo e se redescubra como um ser capaz de superar o comodismo, as limitações. Siga em frente como quem olha o mundo com os olhos de criança. Um olhar de quem sonha e acredita, de quem supera os obstáculos  pela fé e pela certeza de que aqui estamos, fruto de uma vontade sublime e divina, para construir uma grande história. Não deixe, portanto, de ser o ator principal da sua vida

O VALOR DA SABEDORIA

Hoje cedo ao ler um trecho da Bíblia deparei-me com o capítulo 8 ,versículos 9-10, do livro da Sabedoria que, em síntese, nos alertava "Decidi unir nossas vidas, sabendo que (a sabedoria) seria conselheira para o bem e alívio nas agruras e tristeza.Por causa dela me louvarão as assembleias; ainda jovem, me honrarão os anciãos".

Muitas vezes pedimos a Deus coisas materiais. Talvez por não sabermos que para a aquisição das coisas materiais o Divino nos proporcionou a inteligência e a capacidade de trabalho. Tais instrumentos nos permitirão adquirir aquilo que necessitamos para prover as nossas necessidades e como forma de garantir o nosso bem-estar.

Na verdade, o que devemos buscar de forma incessante - e só através da graça de Deus nos será possível - é a sabedoria. Ela sim é uma fonte perene de vida. Somente ela nos descortina os grandes mistérios da dor e da alegria. Seremos mais fortes, vibrantes e corajosos à medida que conseguirmos olhar o mundo ao nosso redor com os olhos da sabedoria. Afinal, Deus não tem sabedoria pois Ele é a Sabedoria.