Pular para o conteúdo principal

A elegância de David Bowie, POR ZECA CAMARGO



David Bowie fuma um cigarro durante coletiva de imprensa no festival de cinema de Cannes em maio de 1983
Ontem mesmo, de madrugada – e antes de saber da sua morte –, lembrei-me de David Bowie. Mais precisamente, foi quando Lady Gaga subia ao palco para receber seu Globo de Ouro como melhor atriz em minissérie ou filme para TV (por “American horror story: Hotel”). Ali estava uma artista que a gente pode chamar de “camaleônica”, que se aventura em todas as artes, que inventa personagens, que se renova sempre… Enfim, como David Bowie ensinou que tem que ser feito – se você quer ter alguma relevância na cacofonia do pop & rock. 

Nesse sentido – e em tantos outros – ele foi um mestre generoso, tão plural e inesperado, que seus fãs eram os primeiros a desculpar um deslize: um disco menos impactante, um filme mais “trash”. “Tudo bem”, os admiradores devotos falavam baixinho, daqui a pouco ele se reinventa e vem com coisa boa. Como fez agora com “Blackstar”, seu derradeiro álbum. Mais uma vez a gente se perguntava: para onde ele está apontando? E a resposta era sempre imprevisível. 

Resumir em algumas linhas um trabalho de décadas tão inspirador e brilhante é uma homenagem que Bowie não merece. Não merece, claro, porque o espaço que lhe cabe é infinitamente maior. O que são palavras diante de um artista que nos fazia reconhecê-lo por simples acordes? Pense em “Heroes”, “Aladdin Sane”, “Ashes to ashes”. Apaixonar-se por essas músicas levava apenas alguns segundos – você já estava fisgado mesmo antes de Bowie começar a cantar… E aí, é um cara desses que você se vê na obrigação de exaltar. Mas como, se nada será superior ao próprio trabalho que ele deixou?

Nunca tive a chance de entrevistá-lo. Uma vez, no início dos anos 90, quase aconteceu. Cheguei a estar na mesma sala que ele, num hotel em Copacabana, mas as “negociações” não frutificaram – e, acredite, uma entrevista dessas envolvia muita negociação. Passei o resto da minha carreira como jornalista de música respondendo à pergunta "Quem você ainda não entrevistou e gostaria de entrevistar?" já com a resposta pronta: David Bowie.

Mesmo sem ele por aqui, não vou mudar a resposta. Porque de um farol artístico como ele, a gente sempre gostaria de saber o que vem depois, que trabalho teria o privilégio de ser agraciado com seu talento e (sim!) com sua elegância. Pois Bowie colocava muito dela em tudo que fazia – até mesmo na sua despedida.

Fico pensando agora, em retrospecto, se a retrospectiva de seus trabalhos, que rodou museus no mundo todo – e foi um “blockbuster” aqui também no Brasil, no Museu da Imagem e do Som de São Paulo – já não era uma despedida sutilmente orquestrada. Aí veio “The next day” e, mais importante ainda, “Blackstar” (um nome que agora é impossível não associar com sua morte). Houve tempo até de ele escrever uma peça – sua primeira – atualmente em cartaz na “Broadway”, “Lazarus”, uma espécie de continuação da história de seu melhor personagem no cinema, em “O homem que caiu na terra”… 

Mais uma vez, ele fez tudo certo. E eu mesmo pego carona nessa elegância para escolher então alguns versos do próprio Bowie para me despedir aqui dele: “Watching him dash away, swinging an old bouquet – dead roses –, sake and strange divine u-hu-hu-hu you’ll make it". "Dash away", Bowie – como você sempre nos ensinou a ser em vida: estranhamente divino..

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HOMENAGEM ÀS MÃES: UM DOS MAIS BELOS TEXTOS QUE JÁ LI

Resolvi homenagear às mães com esse texto que considero uma das mais belas páginas já escritas pela inteligência humana. Neste azo, quero cumprimentar a minha adorável mãe Terezinha Albuquerque e à minha esposa e companheira de todas as horas Marlúcia, mãe do meu bem mais precioso.
Retrato de Mãe
Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus; e pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo; que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com as forças todas da juventude; quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças; pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama, e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre ferido pelos ingratos; forte, entretanto estremece ao choro de uma criancinha, e, fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões; viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que so…

DICA DE LIVRO: AUTO DA BARCA DO INFERNO, de Gil Vicente

Ainda da Coleção Clássicos Saraiva, indico para leitura a obra "O AUTO DA BARCA DO INFERNO", do humanista português Gil Vicente. Inicialmente destaco que Gil Vicente é um importante autor da literatura portuguesa e foi o fundadador do teatro em Portugal. Situada no limiar entre a Idade Média e o Renascimento, no período que ficou conhecido como Humanismo, entre os séculos XV-XVI, a obra vicentina é um atestado exemplar dessa transição de costumes e valores. Tendo temática de base religiosa, seu teatro consegue harmonizá-la com elementos profanos. "O auto da barca do inferno" é a obra mais famosa de Gil Vicente e um clássico do teatro de língua portuguesa. Seu tema central são as personagens que, mortas, são conduzidas à barca que as levará ao Inferno ou Paraíso. As cenas retratam o diálogo jocoso que cada um dos pecadores trava com o Anjo e com o Diabo. São muitas os personagens sociais que fazem parte do drama: Frade, Sapateiro, Fidalgo, Alcoviteira, Enfocado e ou…

DICA DE LIVRO: JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones

Sempre tenho falado da importância do exercício da liderança, tanto na vida profissional, como pessoal. Como fruto dessa necessidade indico o livro JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones (Editora Sextante). A autora é consultora de marketing e conferencista de renome nos Estados Unidos. O livro trata sobre os princípios de liderança de Jesus Cristo e como podem eles ser aplicados no trabalho, gerando crescimento, harmonia e realização. Numa abordagem espirituosa, a autora compara Jesus a um empresário que montou uma equipe de 12 pessoas que estava longe de serem perfeitas, mas conseguiu treiná-las e motivá-las para cumprirem sua missão com sucesso. Nesse contexto, o livro mostra um modelo de gestão baseado em três categorias de forças: autodomínio, ação e relações. Entre as frases geniais do livro, destaco: "Esperar o tempo perfeito é uma grande desculpa e uma racionalização para se ficar parado e não fazer nada." (pág. 44); "Os líderes que compartilha…