Pular para o conteúdo principal

Déficit de confiança, POR BETH CALADO


A semana que foi marcada pela decisão da agência de classificação de risco Standard & Poor’s de rebaixar a nota de crédito brasileira termina sem que o governo tenha conseguido apontar um rumo concreto para a recuperação da confiança dos agentes econômicos e políticos. As dificuldades para a montagem de um conjunto de medidas destinadas a reduzir os gastos públicos continuam evidentes. E a reação negativa da opinião pública ao aumento de tributos completa o quadro desfavorável ao reequilíbrio das contas públicas.  

Ainda sob impacto da perda do grau de investimento na classificação da S&P, o governo cuida de medir os efeitos que a mudança pode provocar na economia do país. Há grande preocupação com as oscilações da moeda brasileira e a tendência de uma dose maior de desvalorização diante do dólar. O endividamento das empresas em moeda estrangeira é uma das portas de contaminação desse processo, mesmo que muitas tenham acionado os instrumentos financeiros de proteção cambial. 

As consequências podem ser mais profundas para a política monetária conduzida pelo Banco Central, especialmente se o governo não conseguir montar com maior rapidez um pacote de medidas que devolva solidez à política fiscal. O pior cenário é aquele em que as expectativas em relação à inflação do próximo ano escapem ao controle e deixem de convergir para as proximidades do centro da meta de 4,5%. Nesse caso, o Comitê de Política Monetária (Copom) seria obrigado a recorrer, mais uma vez, ao remédio amargo da elevação dos juros. 

Como tudo é interligado na economia, subir ainda mais a taxa Selic, hoje na altura de 14,25% ao ano, significa acrescentar custos na área fiscal, já pressionada por gastos que o governo não tem conseguido comprimir. As barreiras para a redução das despesas públicas não são apenas de ordem legal, como reiterou o governo ao tratar da proposta orçamentária deficitária que encaminhou ao Congresso para o próximo ano. Os entraves de ordem política são igualmente relevantes. 

Nesse ponto, pesam tanto os acordos partidários que distribuem os aliados por milhares de cargos e funções espalhados nos principais escalões do governo, como também os compromissos de ordem programática e ideológica. É o caso dos gastos com o pagamento de salários do funcionalismo público, uma categoria que mantém uma aliança estratégica com o partido da presidente Dilma Rousseff. Sem contar a enorme capacidade de mobilização das entidades representativas dos servidores públicos. 

As pressões para assegurar os reajustes salariais no próximo ano são muito fortes, como comprovam os movimentos que ocupam a Esplanada dos Ministérios. Na semana passada, dirigentes de algumas pastas ficaram sitiados por manifestantes que impediam a entrada nos prédios. Alguns optaram por marcar reuniões em casa ou em outros locais públicos para escapar do certo. É de se imaginar o que poderia acontecer se o relator do Orçamento do próximo ano, deputado Ricardo Barros (PP-PR), tentar levar adiante a ideia de eliminar da proposta orçamentária os reajustes previstos para o funcionalismo. 

Há, por fim, a avaliação negativa que pesa sobre o governo da presidente Dilma Rousseff, às voltas com recordes de impopularidade, e seus auxiliares. O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, está inserido nesse cenário de desgaste, o que dificulta sua argumentação em favor do aumento de impostos para equilibrar as contas públicas brasileiras. Levy enfrenta aquilo que o cientista político Leonardo Barreto chama de “déficit de confiança” provocado pelos insucessos colhidos até agora na política econômica. E que torna improvável uma resposta positiva ao pedido de apoio para novas medidas de sacrifício.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HOMENAGEM ÀS MÃES: UM DOS MAIS BELOS TEXTOS QUE JÁ LI

Resolvi homenagear às mães com esse texto que considero uma das mais belas páginas já escritas pela inteligência humana. Neste azo, quero cumprimentar a minha adorável mãe Terezinha Albuquerque e à minha esposa e companheira de todas as horas Marlúcia, mãe do meu bem mais precioso.
Retrato de Mãe
Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus; e pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo; que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com as forças todas da juventude; quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças; pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama, e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre ferido pelos ingratos; forte, entretanto estremece ao choro de uma criancinha, e, fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões; viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que so…

DICA DE LIVRO: JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones

Sempre tenho falado da importância do exercício da liderança, tanto na vida profissional, como pessoal. Como fruto dessa necessidade indico o livro JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones (Editora Sextante). A autora é consultora de marketing e conferencista de renome nos Estados Unidos. O livro trata sobre os princípios de liderança de Jesus Cristo e como podem eles ser aplicados no trabalho, gerando crescimento, harmonia e realização. Numa abordagem espirituosa, a autora compara Jesus a um empresário que montou uma equipe de 12 pessoas que estava longe de serem perfeitas, mas conseguiu treiná-las e motivá-las para cumprirem sua missão com sucesso. Nesse contexto, o livro mostra um modelo de gestão baseado em três categorias de forças: autodomínio, ação e relações. Entre as frases geniais do livro, destaco: "Esperar o tempo perfeito é uma grande desculpa e uma racionalização para se ficar parado e não fazer nada." (pág. 44); "Os líderes que compartilha…

DICA DE LIVRO: AUTO DA BARCA DO INFERNO, de Gil Vicente

Ainda da Coleção Clássicos Saraiva, indico para leitura a obra "O AUTO DA BARCA DO INFERNO", do humanista português Gil Vicente. Inicialmente destaco que Gil Vicente é um importante autor da literatura portuguesa e foi o fundadador do teatro em Portugal. Situada no limiar entre a Idade Média e o Renascimento, no período que ficou conhecido como Humanismo, entre os séculos XV-XVI, a obra vicentina é um atestado exemplar dessa transição de costumes e valores. Tendo temática de base religiosa, seu teatro consegue harmonizá-la com elementos profanos. "O auto da barca do inferno" é a obra mais famosa de Gil Vicente e um clássico do teatro de língua portuguesa. Seu tema central são as personagens que, mortas, são conduzidas à barca que as levará ao Inferno ou Paraíso. As cenas retratam o diálogo jocoso que cada um dos pecadores trava com o Anjo e com o Diabo. São muitas os personagens sociais que fazem parte do drama: Frade, Sapateiro, Fidalgo, Alcoviteira, Enfocado e ou…