Pular para o conteúdo principal

Os tribunais e as ruas, POR ZUENIR VENTURA

Faz parte do jogo democrático. Depois das manifestações de protesto de domingo, vamos assistir às de apoio amanhã, e assim ninguém poderá dizer que ir para a rua é golpismo. Vai ser divertido assistir à disputa para saber qual das duas contou com maior número de participantes, qual a que foi mais representativa, a que venceu politicamente. Entre uma e outra, o clima esquentou. O ex-presidente Fernando Henrique, que vinha agindo de acordo com seu estilo conciliador, subiu o tom e sugeriu que Dilma assumisse seus erros ou renunciasse. Foi a sua inesperada versão para o radical “fora Dilma” da passeata. Os líderes do PT na Câmara e no Senado reagiram com virulência: um perguntou se o ex-presidente estava “girando” bem; o outro classificou a declaração de “pequenez política”. Pode-se prever o ambiente belicoso desse resto de semana.
Na segunda-feira passada, o governo Dilma foi tratado como um corpo enfermo que saíra da UTI e apenas recuperara uma frágil sobrevida, um pequeno alívio, um pouco de fôlego. Mas os políticos não se saíram tão bem no espetáculo. Mesmo rompido com Dilma, Eduardo Cunha foi rejeitado, segundo o Datafolha, por 43% dos participantes, enquanto Renan Calheiros, cada vez mais próximo do governo, e o vice Michel Temer, ficaram com 79% e 68% respectivamente. Os cartazes e palavras de ordem atacaram Dilma, o PT e Lula, representado por um inédito boneco inflável vestido de presidiário.
Figuras oposicionistas presentes, como Aécio Neves, José Serra, Aloysio Nunes e Ronaldo Caiado, se não foram hostilizados, também não foram exaltados. A favor só um personagem não político, ainda que politicamente dos mais importantes: o juiz Sérgio Moro. Isso talvez tenha motivado FHC a balançar a pasmaceira da oposição com seu prestígio, atraindo para si o protagonismo dos debates.
Ao convocar para o ato de amanhã, o governo está usando um discurso otimista: o momento é difícil, mas é preciso desfazer o pessimismo e a intolerância, é possível reverter o quadro atual e, como subtexto, a mensagem de que há salvação para Dilma. No entanto, por mais expressivas que venham a ser essas manifestações, não são elas que vão decidir a sorte da presidente nessa altura, e sim o Tribunal de Contas da União, julgando suas contas; o Tribunal Superior Eleitoral, aceitando ou não o pedido de cassação da chapa Dilma-Temer; a Operação Lava-Jato, que é, como se dizia antigamente do futebol, uma caixa de surpresas, e o Congresso, que pode vir a ter a última palavra sobre o impeachment. Merecíamos destino melhor do que torcer por Renan Calheiros ou por Eduardo Cunha.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HOMENAGEM ÀS MÃES: UM DOS MAIS BELOS TEXTOS QUE JÁ LI

Resolvi homenagear às mães com esse texto que considero uma das mais belas páginas já escritas pela inteligência humana. Neste azo, quero cumprimentar a minha adorável mãe Terezinha Albuquerque e à minha esposa e companheira de todas as horas Marlúcia, mãe do meu bem mais precioso.
Retrato de Mãe
Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus; e pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo; que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com as forças todas da juventude; quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças; pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama, e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre ferido pelos ingratos; forte, entretanto estremece ao choro de uma criancinha, e, fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões; viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que so…

DICA DE LIVRO: JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones

Sempre tenho falado da importância do exercício da liderança, tanto na vida profissional, como pessoal. Como fruto dessa necessidade indico o livro JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones (Editora Sextante). A autora é consultora de marketing e conferencista de renome nos Estados Unidos. O livro trata sobre os princípios de liderança de Jesus Cristo e como podem eles ser aplicados no trabalho, gerando crescimento, harmonia e realização. Numa abordagem espirituosa, a autora compara Jesus a um empresário que montou uma equipe de 12 pessoas que estava longe de serem perfeitas, mas conseguiu treiná-las e motivá-las para cumprirem sua missão com sucesso. Nesse contexto, o livro mostra um modelo de gestão baseado em três categorias de forças: autodomínio, ação e relações. Entre as frases geniais do livro, destaco: "Esperar o tempo perfeito é uma grande desculpa e uma racionalização para se ficar parado e não fazer nada." (pág. 44); "Os líderes que compartilha…

DICA DE LIVRO: AUTO DA BARCA DO INFERNO, de Gil Vicente

Ainda da Coleção Clássicos Saraiva, indico para leitura a obra "O AUTO DA BARCA DO INFERNO", do humanista português Gil Vicente. Inicialmente destaco que Gil Vicente é um importante autor da literatura portuguesa e foi o fundadador do teatro em Portugal. Situada no limiar entre a Idade Média e o Renascimento, no período que ficou conhecido como Humanismo, entre os séculos XV-XVI, a obra vicentina é um atestado exemplar dessa transição de costumes e valores. Tendo temática de base religiosa, seu teatro consegue harmonizá-la com elementos profanos. "O auto da barca do inferno" é a obra mais famosa de Gil Vicente e um clássico do teatro de língua portuguesa. Seu tema central são as personagens que, mortas, são conduzidas à barca que as levará ao Inferno ou Paraíso. As cenas retratam o diálogo jocoso que cada um dos pecadores trava com o Anjo e com o Diabo. São muitas os personagens sociais que fazem parte do drama: Frade, Sapateiro, Fidalgo, Alcoviteira, Enfocado e ou…