Pular para o conteúdo principal

Racismo odioso, por Yvonne Maggie

Na semana passada, na página do Facebook do JN, internautas anônimos xingaram e ofenderam Maria Julia Coutinho, conhecida como Maju, apresentadora do tempo no JN, expressando preconceito e racismo da forma mais odiosa. Em resposta, milhares de pessoas manifestaram repúdio e vergonha aos racistas e apoio a Maju, por meio de e-mails e posts.
Digo milhares, pois a página do JN no Facebook tem 6,5 milhões de curtidas. Os apresentadores do JN e toda a equipe da TV Globo dedicaram minutos preciosos do telejornal em defesa da jovem jornalista. Uma campanha #SomosTodosMajuCoutinho ganhou as redes sociais. A direção da TV Globo declarou que irá processar os que fizeram essas injúrias raciais. O Ministério Público Federal também afirmou que investigará os responsáveis.

No meio dos ataques à apresentadora havia muitos dirigidos ao jornalista e diretor-geral de jornalismo e esporte da TV Globo em referência a seu livro" Não somos racistas: uma reação aos que querem nos transformar numa nação bicolor". Entre os ataques, um me surpreendeu, especialmente, por ser de um escritor que admiro. Fernando Morais disse: “Somos ou não somos racistas, Ali Kamel?” Ele não leu o livro, tenho certeza, e para um escritor é coisa séria.

Ali Kamel nunca disse que não há racismo no Brasil. Cito alguns dos argumentos entre os muitos que poderiam ser retirados do seu livro: “O que quero dizer é que racistas são iguais, aqui ou lá fora. Impõem um sofrimento terrível. É evidente que nos EUA o racismo é rotineiramente mais duro, mais explícito, mais direto. Mas como saber se o xingamento aberto dói mais ou menos do que o desprezo velado?” 

O que ele mostra no seu livro é que o racismo no Brasil não é estrutural: “O racismo é sempre de pessoas sobre pessoas, e ele existe aqui como em todas as partes do mundo. Mas não é um traço dominante da nossa cultura. Por outro lado, nossas instituições são completamente abertas a pessoas de todas as cores, nosso arcabouço jurídico-institucional é todo ele ‘a-racial’. Toda forma de discriminação racial é combatida em lei”. 

E, ao falar sobre a questão da introdução da política de cotas, Ali Kamel alerta para os perigos que carrega em seu bojo: “A grande tragédia que as políticas de preferências [racial] e de cotas acarretam é o ódio racial. O sentimento de que o mérito não importa esgarça o tecido social.” Vejam que só esta frase espelha o que está ocorrendo com a apresentadora do JN. Ela é competente e foi contratada com base no mérito, mas nos ataques disseram que era fruto de cota para negros. Um filme de terror que muitos previram ao longo do debate sobre esta questão.

"Não somos racistas", para o qual fiz o Prefácio, foi publicado em 2006 quando o debate sobre a introdução de uma política de cotas raciais no Brasil estava na sua fase mais acirrada e tomava o coração de muitos brasileiros.
 
Em princípio deveria ser uma discussão de ideias a respeito de como combater as desigualdades e o racismo no País. Porém as emoções tomaram conta da polêmica até o capítulo final, em abril de 2012, quando o Supremo Tribunal Federal decidiu pela constitucionalidade das cotas raciais. 

Não escrevo para defender meu amigo e ex-aluno. Ele não precisa de defensores, pois as reações de apoio à apresentadora e contra as injúrias raciais são a prova, como é dito no livro, de que “o racismo não é um traço dominante da nossa cultura”.

Porém me revolta a forma com que nos últimos dias algumas pessoas se referiram à obra e ao seu autor. Racismo é crime hediondo e Fernando Morais, assim como outros, deveriam ter lido o livro. Nessa hora em que os racistas estão pondo as mangas de fora é preciso saber como agir para não jogar mais gasolina no fogo. Já não basta o que fizeram ao instituir um país dividido legalmente em brancos e negros estimulando o ódio racial?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HOMENAGEM ÀS MÃES: UM DOS MAIS BELOS TEXTOS QUE JÁ LI

Resolvi homenagear às mães com esse texto que considero uma das mais belas páginas já escritas pela inteligência humana. Neste azo, quero cumprimentar a minha adorável mãe Terezinha Albuquerque e à minha esposa e companheira de todas as horas Marlúcia, mãe do meu bem mais precioso.
Retrato de Mãe
Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus; e pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo; que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com as forças todas da juventude; quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças; pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama, e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre ferido pelos ingratos; forte, entretanto estremece ao choro de uma criancinha, e, fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões; viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que so…

DICA DE LIVRO: JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones

Sempre tenho falado da importância do exercício da liderança, tanto na vida profissional, como pessoal. Como fruto dessa necessidade indico o livro JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones (Editora Sextante). A autora é consultora de marketing e conferencista de renome nos Estados Unidos. O livro trata sobre os princípios de liderança de Jesus Cristo e como podem eles ser aplicados no trabalho, gerando crescimento, harmonia e realização. Numa abordagem espirituosa, a autora compara Jesus a um empresário que montou uma equipe de 12 pessoas que estava longe de serem perfeitas, mas conseguiu treiná-las e motivá-las para cumprirem sua missão com sucesso. Nesse contexto, o livro mostra um modelo de gestão baseado em três categorias de forças: autodomínio, ação e relações. Entre as frases geniais do livro, destaco: "Esperar o tempo perfeito é uma grande desculpa e uma racionalização para se ficar parado e não fazer nada." (pág. 44); "Os líderes que compartilha…

DICA DE LIVRO: AUTO DA BARCA DO INFERNO, de Gil Vicente

Ainda da Coleção Clássicos Saraiva, indico para leitura a obra "O AUTO DA BARCA DO INFERNO", do humanista português Gil Vicente. Inicialmente destaco que Gil Vicente é um importante autor da literatura portuguesa e foi o fundadador do teatro em Portugal. Situada no limiar entre a Idade Média e o Renascimento, no período que ficou conhecido como Humanismo, entre os séculos XV-XVI, a obra vicentina é um atestado exemplar dessa transição de costumes e valores. Tendo temática de base religiosa, seu teatro consegue harmonizá-la com elementos profanos. "O auto da barca do inferno" é a obra mais famosa de Gil Vicente e um clássico do teatro de língua portuguesa. Seu tema central são as personagens que, mortas, são conduzidas à barca que as levará ao Inferno ou Paraíso. As cenas retratam o diálogo jocoso que cada um dos pecadores trava com o Anjo e com o Diabo. São muitas os personagens sociais que fazem parte do drama: Frade, Sapateiro, Fidalgo, Alcoviteira, Enfocado e ou…