Pular para o conteúdo principal

Perder o emprego é um 'desastre', por THAIS HERÉDIA


A indústria brasileira conseguiu colocar a cabeça para fora d’água e tomar um fôlego em maio. Depois de três quedas seguidas, o setor surpreendeu e cresceu 0,6% no período, segundo o IBGE. As maiores altas foram no Nordeste, mas até São Paulo, que é o maior parque industrial do país, cresceu 0,5% entre abril e maio. Seria incorreto dizer que esse aumento inesperado foi reflexo do aumento da demanda, ou seja, da volta dos consumidores ao mundo. Não, não foi. 
 
“Na comparação de maio deste ano com igual mês de 2014, a produção industrial paulista recuou 13,7%, um nível de variação negativa somente registrado na crise de 2009. E os sinais de uma crise tão ou mais severa que a de 2009 não vêm somente de São Paulo. Pode-se observar que a crise da atividade industrial em várias outras localidades tem, neste ano, se agravado ou se mantido em patamares negativos elevados”, ressalva o economista Rogério Cesar de Souza em análise para o Instituto de Estudos para o Desenvolvimento  Industrial – IEDI. 
 
Ponto. 
 
Além de amargar a vida de muitos empresários – micros, pequenos, médios e grandes – o desempenho negativo da indústria está causando muito mais do que amarguras na vida das dezenas de milhares de trabalhadores demitidos entre janeiro e maio deste ano. Quase 100 mil pessoas perderam emprego no setor. Pela estimativa da Federação da Indústria Paulista, esse número vai aumentar muito até o final do ano, provavelmente dobrar. 
 
Ao abrir a planilha com os dados do Cadastro Geral de empregos formais feito pelo Ministério do Trabalho, o Caged, o cenário é ainda mais desalentador. Até maio, quase 244 mil brasileiros ficaram sem trabalho nos oito setores levantados pelo governo. Comércio e construção civil foram responsáveis pelas maiores baixas - respectivamente 108.573 e 159.315 postos fechados. Foram 244 mil famílias que perderam uma fonte de renda e todos os benefícios de um emprego formal. 
 
Para o ministro do Trabalho, Manoel Dias, isso não é “um desastre”, afinal, “Nós (o governo do PT) geramos 23 milhões de empregos. Não são 200 mil, 300 mil (vagas cortadas) que significam que estamos vivendo um desastre”, disse, ao jornal 'O Estado de S.Paulo' ser questionado sobre o pior resultado da geração de vagas desde 2002. 
 
Ministro, gostaria de lhe dizer uma coisa: perder o emprego é um desastre. É um desastre para quem perdeu, para os amigos de quem perdeu, para a família que depende de quem perdeu. É um desastre mesmo para um governo que criou 23 milhões de empregos em 12 anos e depois desse tempo todo conseguiu devolver o país a um ambiente de ineficiência e falta de perspectivas econômica totalmente evitável.

Até o final de 2015, outras tantas milhares de famílias terão perdido uma ou mais fontes de renda. Além de ver a fonte secar, vão lidar com uma inflação beliscando dois dígitos e um crédito caríssimo. Isso também é desastroso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HOMENAGEM ÀS MÃES: UM DOS MAIS BELOS TEXTOS QUE JÁ LI

Resolvi homenagear às mães com esse texto que considero uma das mais belas páginas já escritas pela inteligência humana. Neste azo, quero cumprimentar a minha adorável mãe Terezinha Albuquerque e à minha esposa e companheira de todas as horas Marlúcia, mãe do meu bem mais precioso.
Retrato de Mãe
Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus; e pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo; que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com as forças todas da juventude; quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças; pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama, e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre ferido pelos ingratos; forte, entretanto estremece ao choro de uma criancinha, e, fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões; viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que so…

DICA DE LIVRO: JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones

Sempre tenho falado da importância do exercício da liderança, tanto na vida profissional, como pessoal. Como fruto dessa necessidade indico o livro JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones (Editora Sextante). A autora é consultora de marketing e conferencista de renome nos Estados Unidos. O livro trata sobre os princípios de liderança de Jesus Cristo e como podem eles ser aplicados no trabalho, gerando crescimento, harmonia e realização. Numa abordagem espirituosa, a autora compara Jesus a um empresário que montou uma equipe de 12 pessoas que estava longe de serem perfeitas, mas conseguiu treiná-las e motivá-las para cumprirem sua missão com sucesso. Nesse contexto, o livro mostra um modelo de gestão baseado em três categorias de forças: autodomínio, ação e relações. Entre as frases geniais do livro, destaco: "Esperar o tempo perfeito é uma grande desculpa e uma racionalização para se ficar parado e não fazer nada." (pág. 44); "Os líderes que compartilha…

DICA DE LIVRO: AUTO DA BARCA DO INFERNO, de Gil Vicente

Ainda da Coleção Clássicos Saraiva, indico para leitura a obra "O AUTO DA BARCA DO INFERNO", do humanista português Gil Vicente. Inicialmente destaco que Gil Vicente é um importante autor da literatura portuguesa e foi o fundadador do teatro em Portugal. Situada no limiar entre a Idade Média e o Renascimento, no período que ficou conhecido como Humanismo, entre os séculos XV-XVI, a obra vicentina é um atestado exemplar dessa transição de costumes e valores. Tendo temática de base religiosa, seu teatro consegue harmonizá-la com elementos profanos. "O auto da barca do inferno" é a obra mais famosa de Gil Vicente e um clássico do teatro de língua portuguesa. Seu tema central são as personagens que, mortas, são conduzidas à barca que as levará ao Inferno ou Paraíso. As cenas retratam o diálogo jocoso que cada um dos pecadores trava com o Anjo e com o Diabo. São muitas os personagens sociais que fazem parte do drama: Frade, Sapateiro, Fidalgo, Alcoviteira, Enfocado e ou…