Pular para o conteúdo principal

TCU optou pela estabilidade política, por THAIS HERÉDIA


Vendo de perto as chamas crescerem na fogueira que queima entre o Congresso Nacional e o Palácio do Planalto, os ministros do Tribunal de Contas da União escolheram guardar seu galão de gasolina por mais 30 dias. O TCU deveria (ou poderia) ter decidido nesta quarta-feira (17) recomendar a reprovação das contas do governo de Dilma Rousseff em 2014 ao Congresso. Ciente da crise política que se abate sobre Brasília, o tribunal optou pela estabilidade – ou por não piorar a instabilidade. 
 
Dilma terá um mês para refutar de maneira convincente o entendimento do “fiscal” das contas do governo de que houve desrespeito à Lei de Responsabilidade Fiscal, sob três aspectos: na gestão do orçamento da União, nos gastos com dinheiro público e na manipulação da realidade para camuflar as “pedaladas fiscais”. O colunista Helio Gurovitz, aqui do G1, explica bem o que foram as operações conduzidas pelo Tesouro Nacional e pelo Ministério da Fazenda que comprovariam o descumprimento da lei. 
 
O ministro relator do processo no TCU, Augusto Nardes (ex-secretário do Tesouro), também deixa bem claro que não tem dúvidas de que irregularidades foram cometidas e por enquanto não acatou a justificativa do governo para as manobras contábeis de Mantega e sua equipe. Entre os argumentos está o velho e bom “todo mundo sempre fez”, segundo a defesa do Advogado Geral da União, Luis Inácio Adams. Geralmente, quando alguma manobra se torna corriqueira sob a sombra da lei, ela padece no momento em que há abuso de poder, excesso de auto confiança de que “se não pegaram até agora, vamos em frente”. 
 
Arno Augustin e Guido Mantega certamente sofreram de excesso de auto confiança. Ambos passaram pelo menos os dois últimos anos em seus cargos de “calças curtas”. Não havia jeito de esconder o que andavam fazendo na contabilidade pública. Mesmo assim, “seguiram em frente”, “quem sabe alguém se convence?”.  
 
O atual ministro do Planejamento e ex-secretário executivo da Fazenda (na gestão de Mantega), Nelson Barbosa, tenta defender a gestão dos ex-colegas mas se compromete ao assumir a versão do governo. Até porque seus desentendimentos com Arno Augustin colaboraram com seu pedido de demissão da secretaria em junho de 2013, quando as “pedaladas” ainda não tinham alcançado seu auge de performance. 
 
O que precisa ser reforçado no final deste dia, mesmo com a decisão política do TCU, é a noção de que a Lei de Responsabilidade Fiscal é um patrimônio institucional do país, não de um ou outro governo. Ela foi um marco regulatório, talvez o mais relevante, dos últimos 20 anos. Antes dela, caixa de banco público era uma carteira aberta aos governantes. Depois dela, uma “muralha da China” foi imposta entre o governo e as instituições financeiras públicas para evitar a apropriação indevida dos cetros do poder. 
 
Se a LRF foi descumprida, o responsável ou responsáveis terão que pagar – não como lição partidária ou moral. Quem ganha é o país, a moeda, as instituições que sustentam o Brasil. Em tempos de julgamento implacável de investidores, consumidores, empresários e analistas de riscos, o país não pode abrir mão desta prerrogativa. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HOMENAGEM ÀS MÃES: UM DOS MAIS BELOS TEXTOS QUE JÁ LI

Resolvi homenagear às mães com esse texto que considero uma das mais belas páginas já escritas pela inteligência humana. Neste azo, quero cumprimentar a minha adorável mãe Terezinha Albuquerque e à minha esposa e companheira de todas as horas Marlúcia, mãe do meu bem mais precioso.
Retrato de Mãe
Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus; e pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo; que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com as forças todas da juventude; quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças; pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama, e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre ferido pelos ingratos; forte, entretanto estremece ao choro de uma criancinha, e, fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões; viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que so…

DICA DE LIVRO: JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones

Sempre tenho falado da importância do exercício da liderança, tanto na vida profissional, como pessoal. Como fruto dessa necessidade indico o livro JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones (Editora Sextante). A autora é consultora de marketing e conferencista de renome nos Estados Unidos. O livro trata sobre os princípios de liderança de Jesus Cristo e como podem eles ser aplicados no trabalho, gerando crescimento, harmonia e realização. Numa abordagem espirituosa, a autora compara Jesus a um empresário que montou uma equipe de 12 pessoas que estava longe de serem perfeitas, mas conseguiu treiná-las e motivá-las para cumprirem sua missão com sucesso. Nesse contexto, o livro mostra um modelo de gestão baseado em três categorias de forças: autodomínio, ação e relações. Entre as frases geniais do livro, destaco: "Esperar o tempo perfeito é uma grande desculpa e uma racionalização para se ficar parado e não fazer nada." (pág. 44); "Os líderes que compartilha…

DICA DE LIVRO: AUTO DA BARCA DO INFERNO, de Gil Vicente

Ainda da Coleção Clássicos Saraiva, indico para leitura a obra "O AUTO DA BARCA DO INFERNO", do humanista português Gil Vicente. Inicialmente destaco que Gil Vicente é um importante autor da literatura portuguesa e foi o fundadador do teatro em Portugal. Situada no limiar entre a Idade Média e o Renascimento, no período que ficou conhecido como Humanismo, entre os séculos XV-XVI, a obra vicentina é um atestado exemplar dessa transição de costumes e valores. Tendo temática de base religiosa, seu teatro consegue harmonizá-la com elementos profanos. "O auto da barca do inferno" é a obra mais famosa de Gil Vicente e um clássico do teatro de língua portuguesa. Seu tema central são as personagens que, mortas, são conduzidas à barca que as levará ao Inferno ou Paraíso. As cenas retratam o diálogo jocoso que cada um dos pecadores trava com o Anjo e com o Diabo. São muitas os personagens sociais que fazem parte do drama: Frade, Sapateiro, Fidalgo, Alcoviteira, Enfocado e ou…