Pular para o conteúdo principal

Cada candidato a Presidente precisa responder, POR DELFIM NETO

Terminou o primeiro turno da campanha presidencial onde nada se esclareceu. Chegou a hora de a onça beber água. Combinemos inicialmente: 1. Que a economia brasileira está em situação desagradável, mas não à beira do apocalipse. 2.Que sua recuperação exige ajustes importantes, mas não catastróficos. 3. Que mais de 70% dos cidadãos clamam por “mudanças”, mas temem qualquer retrocesso aos bem-sucedidos programas de integração social (aumento da renda real e da disponibilidade de crédito), da redução da pobreza (Bolsa Família com condicionalidade) e da ênfase ao continuado aumento da “igualdade de oportunidades” (ampliação do acesso à saúde e à educação, ambos precários, mas com avanços significativos). 4. Que parte da deterioração da economia deve-se à mudança do ambiente externo não percebido a tempo e que exigia uma melhor harmonia entre a política econômica e a social. 5. Que a disponibilidade de recursos diminuiu a partir de 2010, quando terminou o “vento de cauda”, a melhora das relações de troca. 6. Que parte significativa da deterioração fiscal é devida à dramática redução da taxa de crescimento do PIB interpretada equivocadamente como “falta de demanda” interna. 7. Que a murcha do PIB foi, basicamente, devida à redução da produção de manufaturados, cuja demanda foi desviada para as importações. Finalmente, mas sem extinguir a lista: 8. É evidente que, mesmo protegidos por uma reserva de 380 bilhões de dólares, não podemos continuar a ter déficits em conta corrente de 80 bilhões de dólares, principalmente agora que as exportações agropecuárias vão crescer menos, devido à provável valorização do dólar.
Vamos precisar aumentar as exportações de manufaturados em condições muito adversas: a) Boa parte dos exportadores perdeu seus clientes e se transformaram em eficientes importadores. b) Estamos tecnologicamente atrasados por falta de investimentos. c) Perdemos o passo na integração das cadeias produtivas. d) As exportações de manufaturados produzidos por empresas estrangeiras dependem das decisões políticas das matrizes e teremos de negociar com elas um “bônus de porta-luvas”. e) Há sérias desconfianças sobre os créditos tributários nas exportações. f) A situação da economia é de recuperação lenta nos nossos clientes industriais (EUA e Eurolândia), o que atrasa o eventual “efeito câmbio”. g) É preciso convencer os exportadores de que, daqui para a frente, a sobrevalorização cambial não será usada como substituta das políticas monetária, fiscal e salarial no combate à inflação.
Combinado isso, o que se espera dos dois competidores? Que esqueçam o protagonismo teatral e deseducador que os “marqueteiros” lhes impuseram no primeiro turno e apresentem claramente, sem ataques diversionistas, como vão enfrentar o problema da volta ao crescimento do PIB nas condições iniciais de que dispomos:
A. Uma estrutura demográfica que vai limitar a oferta de mão de obra a, no máximo, 1% ao ano. B. Como desejamos um crescimento do PIB per capita de 3% ao ano, que dobra a renda a cada geração (25 anos), precisamos que a produtividade de cada trabalhador cresça à mesma taxa de 3%. C. A produtividade do trabalhador depende da quantidade da infraestrutura (determinada pelo sucesso das concessões) somada ao estoque de capital privado (determinado por uma recuperação do “espírito animal” do empresariado). D. O aumento do PIB passa pela recuperação da produção industrial, que para aproveitar as economias de escala precisa complementar a demanda interna de 200 milhões de habitantes com uma exportação competitiva que absorva parte dos custos fixos.
Cada candidato precisa responder, nas cinco horas que dispõe na televisão, a três perguntas elementares:
1. Como vai aumentar a poupança pública, sem a qual todo o resto é mais difícil e instável?
2. Como espera atrair o setor privado para aumentar o investimento em infraestrutura e produzir um ambiente econômico propício a que ele aumente o seu próprio investimento?
3. Como vai estimular a construção de um mecanismo eficaz para devolver ao setor industrial o seu dinamismo exportador?
O resto é puro “marquetismo” para vender sabonete!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HOMENAGEM ÀS MÃES: UM DOS MAIS BELOS TEXTOS QUE JÁ LI

Resolvi homenagear às mães com esse texto que considero uma das mais belas páginas já escritas pela inteligência humana. Neste azo, quero cumprimentar a minha adorável mãe Terezinha Albuquerque e à minha esposa e companheira de todas as horas Marlúcia, mãe do meu bem mais precioso.
Retrato de Mãe
Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus; e pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo; que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com as forças todas da juventude; quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças; pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama, e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre ferido pelos ingratos; forte, entretanto estremece ao choro de uma criancinha, e, fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões; viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que so…

DICA DE LIVRO: JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones

Sempre tenho falado da importância do exercício da liderança, tanto na vida profissional, como pessoal. Como fruto dessa necessidade indico o livro JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones (Editora Sextante). A autora é consultora de marketing e conferencista de renome nos Estados Unidos. O livro trata sobre os princípios de liderança de Jesus Cristo e como podem eles ser aplicados no trabalho, gerando crescimento, harmonia e realização. Numa abordagem espirituosa, a autora compara Jesus a um empresário que montou uma equipe de 12 pessoas que estava longe de serem perfeitas, mas conseguiu treiná-las e motivá-las para cumprirem sua missão com sucesso. Nesse contexto, o livro mostra um modelo de gestão baseado em três categorias de forças: autodomínio, ação e relações. Entre as frases geniais do livro, destaco: "Esperar o tempo perfeito é uma grande desculpa e uma racionalização para se ficar parado e não fazer nada." (pág. 44); "Os líderes que compartilha…

DICA DE LIVRO: AUTO DA BARCA DO INFERNO, de Gil Vicente

Ainda da Coleção Clássicos Saraiva, indico para leitura a obra "O AUTO DA BARCA DO INFERNO", do humanista português Gil Vicente. Inicialmente destaco que Gil Vicente é um importante autor da literatura portuguesa e foi o fundadador do teatro em Portugal. Situada no limiar entre a Idade Média e o Renascimento, no período que ficou conhecido como Humanismo, entre os séculos XV-XVI, a obra vicentina é um atestado exemplar dessa transição de costumes e valores. Tendo temática de base religiosa, seu teatro consegue harmonizá-la com elementos profanos. "O auto da barca do inferno" é a obra mais famosa de Gil Vicente e um clássico do teatro de língua portuguesa. Seu tema central são as personagens que, mortas, são conduzidas à barca que as levará ao Inferno ou Paraíso. As cenas retratam o diálogo jocoso que cada um dos pecadores trava com o Anjo e com o Diabo. São muitas os personagens sociais que fazem parte do drama: Frade, Sapateiro, Fidalgo, Alcoviteira, Enfocado e ou…