Pular para o conteúdo principal

Leituras que determinam destinos

Artigo colhido do blog Sincronicidade, do ilustre massapeense, amigo de longas datas, José Vasconcelos Arruda, conhecido carinhosamente como Vasco: 
A literatura pode transformar nossa vida.
Alain de Botton
[Botton, Alain de. Religião para ateus. Tradução de Vitor Paolozzi. – Rio de Janeiro: Intrínseca, 2011, p. 92.]
Tanto ler quanto escrever podem transformar uma vida. Eu, que sempre vivi cercado de livros, posso afirmar com segurança que não poucas e significativas mudanças na minha vida resultaram – e assim ainda acontece -, da leitura.
Às vezes precisamos ler quase a obra inteira de um autor para que essa transformação se verifique. Esses casos, porém, são mais raros. A maioria das pessoas, por motivos diversos, não consegue ou não quer se dedicar à leitura de uma obra completa, que, em alguns casos, pode ser vasta, o que demandaria disponibilidade de tempo. Isso é mais comum acontecer quando calha do leitor se apaixonar pelo autor. Nesses casos, às vezes sem que o perceba, de repente descobre que já leu toda produção literária daquele escritor ou escritora.
Comigo isso aconteceu quando descobri a obra de Clarice Lispector. Foi amor à primeira vista. Desde então, li sequencialmente toda sua obra. Concluía uma leitura já antegozando o momento em que iniciaria a seguinte. E como me modificou a leitura de livros como “A paixão segundo G.H.”, “Água viva”, “A hora da estrela” e, muito particularmente, “A maçã no escuro”, que li três vezes! Ainda hoje, passados mais de vinte anos, reler Clarice ainda me proporciona imenso prazer. O impacto não é mais o mesmo, claro, mas, de alguma forma, ainda é impactante, provocando-me novas reflexões e, eventualmente, mudanças.
Mas há também autores pelos quais passamos incólumes. Lemos um livro inteiro e, chegado à última página, é quase como se nada tivesse acontecido. Nesse caso talvez tenha sido apenas puro entretenimento, sem maiores consequências. Livros e autores assim logo são esquecidos, e só raramente a eles retornamos.
Há casos, porém, em que somente depois da leitura de dois ou três livros é que verdadeiramente descobrimos o autor. Só então se pode dizer que o encontro aconteceu. Nesse caso, talvez se deva retornar ao ponto de partida e ler tudo de novo, condição necessária para que novas percepções da obra sejam proporcionadas. E muitas vezes exclamamos para nós mesmos, surpresos: “Como é que eu não havia percebido isso antes?” Bem, uma possível resposta é que talvez não fosse aquele o momento mais adequado para aquela leitura. É curioso como há ocasiões em que a gente se depara exatamente com o livro de que estávamos necessitando para elucidar uma questão existencial ou ajudar numa tomada de decisão.
A propósito, me vem à memória um fato ocorrido há alguns anos. Naquela ocasião eu ainda era professor do Instituto de Ciências Religiosas, no Seminário da Prainha. Encontrava-me no pátio da Faculdade folheando o livro “O pobre de Deus”, de Nikos Kazantzákis, o mesmo autor de “A última tentação de Cristo”, transformado em filme por Martin Scorsese. Pois bem, eis que se achega a mim um aluno, frade capuchinho, e, ao ver a obra que eu tinha em mãos, fala: “Foi a leitura deste livro que me fez tomar a decisão de ser franciscano”. Fiquei impressionado. Uma decisão dessas é coisa muito séria, com implicações para vida inteira. E, no entanto, ele a tomara motivado pela leitura de um livro.
Interrompi aqui este relato, fui à estante e peguei a publicação mencionada. Folheei algumas páginas mais ou menos aleatoriamente, revendo trechos que eu havia sublinhado. Na página dezenove encontrei uma frase curta, simples, direta, clara, tão precisa que não deixa qualquer dúvida a quem a leia procurando uma iluminação, uma luz para o itinerário a seguir. Uma dessas frases que, em certas circunstâncias, pode determinar o destino de uma vida:
“Esse é o caminho, esse mesmo; não há outro” (Kazantzákis, Nikos. O pobre de Deus. Tradução Ísis Borges Belchior da Fonseca. – São Paulo: Arx, 2002, p. 19.)

Comentários

  1. Karamazov: - Eis as idiossincrasias teratológicas que perpassam de forma inexorável esta agonia risível pelo ABSOLUTO........ tergiversante o pensamento..... certeza NENHUMA. De refutabilidade simplória e mediana....

    "Eu tenho o meu caminho. Você tem o seu caminho. Portanto, quanto ao caminho direito, o caminho correto, e o ÚNICO CAMINHO, isso não existe." Friedrich Nietzsche

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

HOMENAGEM ÀS MÃES: UM DOS MAIS BELOS TEXTOS QUE JÁ LI

Resolvi homenagear às mães com esse texto que considero uma das mais belas páginas já escritas pela inteligência humana. Neste azo, quero cumprimentar a minha adorável mãe Terezinha Albuquerque e à minha esposa e companheira de todas as horas Marlúcia, mãe do meu bem mais precioso.
Retrato de Mãe
Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus; e pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo; que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com as forças todas da juventude; quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças; pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama, e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre ferido pelos ingratos; forte, entretanto estremece ao choro de uma criancinha, e, fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões; viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que so…

DICA DE LIVRO: AUTO DA BARCA DO INFERNO, de Gil Vicente

Ainda da Coleção Clássicos Saraiva, indico para leitura a obra "O AUTO DA BARCA DO INFERNO", do humanista português Gil Vicente. Inicialmente destaco que Gil Vicente é um importante autor da literatura portuguesa e foi o fundadador do teatro em Portugal. Situada no limiar entre a Idade Média e o Renascimento, no período que ficou conhecido como Humanismo, entre os séculos XV-XVI, a obra vicentina é um atestado exemplar dessa transição de costumes e valores. Tendo temática de base religiosa, seu teatro consegue harmonizá-la com elementos profanos. "O auto da barca do inferno" é a obra mais famosa de Gil Vicente e um clássico do teatro de língua portuguesa. Seu tema central são as personagens que, mortas, são conduzidas à barca que as levará ao Inferno ou Paraíso. As cenas retratam o diálogo jocoso que cada um dos pecadores trava com o Anjo e com o Diabo. São muitas os personagens sociais que fazem parte do drama: Frade, Sapateiro, Fidalgo, Alcoviteira, Enfocado e ou…

DICA DE LIVRO: JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones

Sempre tenho falado da importância do exercício da liderança, tanto na vida profissional, como pessoal. Como fruto dessa necessidade indico o livro JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones (Editora Sextante). A autora é consultora de marketing e conferencista de renome nos Estados Unidos. O livro trata sobre os princípios de liderança de Jesus Cristo e como podem eles ser aplicados no trabalho, gerando crescimento, harmonia e realização. Numa abordagem espirituosa, a autora compara Jesus a um empresário que montou uma equipe de 12 pessoas que estava longe de serem perfeitas, mas conseguiu treiná-las e motivá-las para cumprirem sua missão com sucesso. Nesse contexto, o livro mostra um modelo de gestão baseado em três categorias de forças: autodomínio, ação e relações. Entre as frases geniais do livro, destaco: "Esperar o tempo perfeito é uma grande desculpa e uma racionalização para se ficar parado e não fazer nada." (pág. 44); "Os líderes que compartilha…