Pular para o conteúdo principal

UMA BONA NOTÍCIA: Plano de saúde não pode limitar valor do tratamento do associado

"Por unanimidade, a Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que os planos de saúde não podem limitar o valor do tratamento e de internações de seus associados. Acompanhando o voto do relator, ministro Aldir Passarinho Junior, a Turma concluiu que a limitação de valor é mais lesiva que a restrição do tempo de internação vetada pela Súmula 302 do Tribunal.
A súmula afirma que é abusiva a cláusula contratual de plano de saúde que limita no tempo a internação hospitalar do segurado. Para o relator, da mesma forma que não tem lógica determinar contratualmente o prazo de recuperação do paciente, não se pode limitar o custo do tratamento médico-hospitalar.
No caso julgado, os familiares de Alberto de Souza Meirelles, de São Paulo, recorreram ao STJ contra a decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo que não reconheceu a abusividade da limitação de valor anual imposta pela seguradora Notre Dame. Como a seguradora se recusou a custear a despesa excedente ao valor de 2.895 Ufesp (Unidade Fiscal do Estado de SP) prevista em contrato, a família herdou uma dívida com o Hospital Samaritano (SP), onde Alberto Meirelles ficou internado durante quase 30 dias, em 1996.
Segundo o ministro, a exemplo da limitação do tempo de internação, quando se restringe o valor do custeio, independentemente do estado de saúde do paciente segurado, esvazia-se o propósito do contrato que é o de assegurar os meios para sua cura . Para ele, está claro que limitar o valor do tratamento é lesivo ao segurado, pois reduz a eficácia do tratamento.
Em seu voto, o relator questionou como seria a situação de um segurado que é internado sem saber o que tem, não conhecendo seu tipo de cura e, após alguns dias dentro do hospital, é informado de que seu crédito acabou e terá de abandonar o tratamento. E indagou: como saber de antemão quais os custos do tratamento, qual a tabela de cada hospital conveniado e quanto tempo seu crédito vai durar?
Na prática, a Turma ampliou o alcance da Súmula 302. "Na essência, a hipótese de restrição de valor não é similar à da súmula citada, mas comporta o mesmo tratamento. A meu ver, até tratamento mais severo, pois a cláusula é mais abusiva ainda", ressaltou o relator em seu voto. Para ele, a fórmula de teto de valor adotado pela seguradora é uma tentativa de contornar a proibição do limite temporal imposto pela súmula.
Ao acolher o recurso, a Turma reformou o acórdão do Tribunal de Justiça de São Paulo e determinou que o pagamento seja integralmente realizado pela seguradora."
As informações são do site do Superior Tribunal de Justiça
VAMOS NÓS: No Brasil quando se fala em Plano de Saúde tem-se sempre uma impressão negativa. É algo que se adquire mas quando se torna necessário utilizar seus serviços é um Deus nos acuda. Dificuldades mill surgem, diferentemente das propostas sempre cordiais dos agentes de venda quando nos procuram para aderir aos planos. Esta decisão do STJ é próspera e atende a um comando constitucional derivado da dignidade da pessoa humana, tão vilipendiada nas relações consumeiras.
É impressionante o desrespeito ao consumidor neste país, apesar do Código de Defesa do Consumidor atentar pelo bom atendimento e pelo compromisso contratual do prestador de serviço. A lei é clara, mas muitos ignoram. Embora tenha formação jurídica, não acredito em uma solução para o problema apenas pelo uso de um dispositivo legal. Acredito muito mais na capacidade de mobilização das pessoas, boicotando e denunciando empresas que não respeitam seus clientes ou usuários.
Isso sem se perder de vista as ações coletivas que podem ser interpostas na defesa de direitos difusos ou homogêneos. É preciso abrir os olhos e exercer a cidadania, senão os pilantras continuarão a mandar neste país.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HOMENAGEM ÀS MÃES: UM DOS MAIS BELOS TEXTOS QUE JÁ LI

Resolvi homenagear às mães com esse texto que considero uma das mais belas páginas já escritas pela inteligência humana. Neste azo, quero cumprimentar a minha adorável mãe Terezinha Albuquerque e à minha esposa e companheira de todas as horas Marlúcia, mãe do meu bem mais precioso.
Retrato de Mãe
Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus; e pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo; que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com as forças todas da juventude; quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças; pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama, e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre ferido pelos ingratos; forte, entretanto estremece ao choro de uma criancinha, e, fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões; viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que so…

DICA DE LIVRO: JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones

Sempre tenho falado da importância do exercício da liderança, tanto na vida profissional, como pessoal. Como fruto dessa necessidade indico o livro JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones (Editora Sextante). A autora é consultora de marketing e conferencista de renome nos Estados Unidos. O livro trata sobre os princípios de liderança de Jesus Cristo e como podem eles ser aplicados no trabalho, gerando crescimento, harmonia e realização. Numa abordagem espirituosa, a autora compara Jesus a um empresário que montou uma equipe de 12 pessoas que estava longe de serem perfeitas, mas conseguiu treiná-las e motivá-las para cumprirem sua missão com sucesso. Nesse contexto, o livro mostra um modelo de gestão baseado em três categorias de forças: autodomínio, ação e relações. Entre as frases geniais do livro, destaco: "Esperar o tempo perfeito é uma grande desculpa e uma racionalização para se ficar parado e não fazer nada." (pág. 44); "Os líderes que compartilha…

RELACIONAMENTO SAUDÁVEL EXIGE RENÚNCIA E MUITO DIÁLOGO

Ontem fui a Universidade Estadual Vale do Acaraú. Na oportunidade, encontrei um amigo de longas datas se queixando sobre os dissabores do amor, mormente no tocante as diferenças entre o homem e a mulher. Ouvi-o atentamente e ao final, como ele me permitiu, fiz algumas observações. A primeira delas foi alertá-lo de que uma relação só se constroi pelo diálogo (nada dessa onda de cara fechada, de orgulho). Duas pessoas que se propõem a viver um relacionamento saudável têm que necessariamente abdicar em favor do outro e permitir concessões recíprocas. Gaspareto já dizia que "Não possuímos as pessoas, temos apenas amor por elas". A ideia de posse, tão ocidental, tem levado muitos relacionamentos ao declínio. Não se pode querer tirar do outro a sua individualidade, a não ser que se deseje relacionar-se com um autômato. O amor é fruto de um pacto de amadurecimento, onde cada um assume a tarefa de fazer o outro feliz, e naturalmente, será feliz, também, por extensão do próprio ato…