Pular para o conteúdo principal

SEM A LOUCURA

"Que me desculpe o Isaías (não o da Bíblia, mas o Pessotti, meu companheiro de Jabuti literário e de macarronada), se invado sua seara, mas me apeteceu dizer alguma coisa hoje sobre a loucura. Nos tempos irracionais que estamos vivendo, pareceu-me que esse é o único assunto possível. Pelo menos razoável.
Muitos autores têm tratado do tema e, em seu O Alienista, Machado de Assis põe em xeque genialmente os limites entre sanidade e loucura. Simão Bacamarte trancafia primeiro na Casa Verde a maior parte da população porque é dominada por alguma mania, padecendo, portanto, de algum tipo de loucura. Mas então ele conclui que se é a maioria, é a norma.
Muita gente pensa assim nos dias atuais. E por ser a norma, solta todos e bota no manicômio os que não têm mania nenhuma. Para o Simão, não ter mania é sintoma da mania de não ter mania. Deu para entender?
De descoberta em descoberta, ele chega à conclusão de que o único louco no pedaço é ele mesmo. Prende-se na Casa Verde, onde fica até a morte. Com ironia e humor, Machado questiona as fronteiras da razão.
Uma pena que tenhamos perdido todo sentido do humor e que muito pouca gente ainda entenda uma ironia. 
Erasmo de Roterdã, humanista do final do século XV e início do XVI, em seu Elogio à Loucura, que toda pessoa razoavelmente culta deveria ler, propõe várias reflexões a respeito de dogmas religiosos, por exemplo, destacando-lhes a falta de qualquer sentido.
A Igreja Católica não sai incólume de seus arrazoados. E Gil Vicente, católico de carteirinha, deixa-se influenciar por Erasmo em várias questões como, por exemplo, o ataque à reza mecânica. Quem diria, o fundador do teatro escrito de nossa língua!
E por falar em Portugal, nossa pátria-madre (desculpem-me o oxímoro), é de lá que nos chega este outro louco genial, que se chama Fernando Pessoa. “Sem a loucura que é o homem/ Mais que a besta sadia,/ Cadáver adiado que procria?” Em seu livro Mensagem, Pessoa credita à loucura a ousadia de D. Sebastião, que partiu para Alcácer-Kibir, onde sucumbiu com suas tropas.
Consultado meu amigo Isaias Pessotti sobre a passagem do Pessoa, ele afirmou que existe uma grande diferença entre a loucura do ponto de vista científico (sua área) e a utilização da palavra na literatura. Questão de semântica, suponho.
Sem a loucura, o homem estaria até hoje escondido de tanga no escuro de sua caverna.
E como vivemos em tempos de loucura, é bom que se procure saber se é a loucura para o ponto de vista da ciência ou se nosso quinhão de loucura, aquele que estamos vivendo, não passa de uma metáfora. Confesso que ainda não cheguei a uma conclusão. "
Fonte: Crônica de Menalton (Carta Capital)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DESEMBARGADOR PAULO ALBUQUERQUE É DESTAQUE NO JUDICIÁRIO CEARENSE

O Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará, Des. Francisco Glaydson Pontes, nomeou o massapeense, Desembargador Paulo Albuquerque, como membro efetivo da Comissão de Regimento, Legislação e Jurisprudência da Egrégia Corte de Justiça do nosso Estado. Apesar do pouco tempo no exercício da magistratura do 2º Grau, o massapeense Paulo Albuquerque vem sendo reconhecido pelos seus pares como um magistrado dotado de probidade, talento e capacidade de gestão. A produtividade de seu gabinete é destaque na justiça cearense. PARABÉNS !!!

HOMENAGEM ÀS MÃES: UM DOS MAIS BELOS TEXTOS QUE JÁ LI

Resolvi homenagear às mães com esse texto que considero uma das mais belas páginas já escritas pela inteligência humana. Neste azo, quero cumprimentar a minha adorável mãe Terezinha Albuquerque e à minha esposa e companheira de todas as horas Marlúcia, mãe do meu bem mais precioso.
Retrato de Mãe
Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus; e pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo; que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com as forças todas da juventude; quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças; pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama, e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre ferido pelos ingratos; forte, entretanto estremece ao choro de uma criancinha, e, fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões; viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que so…

CANALHICE DO SISTEMA POLÍTICO: OTÁRIO É O POVO BRASILEIRO!