Pular para o conteúdo principal

Reforma pode influenciar condução da política econômica, por Beth Calado



A mudança no centro de decisão do governo, a partir da substituição de Aloizio Mercadante por Jaques Wagner, no Gabinete Civil, poderá ter reflexos na condução da política econômica. O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, deverá contar com um ambiente menos refratário às suas propostas no Palácio do Planalto, onde foi derrotado em seguidos embates com Mercadante e o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa. 

Mesmo deslocado para o Ministério da Educação, e fisicamente distante da presidente Dilma Rousseff, não se espera que o atual chefe do Gabinete Civil deixe de influenciá-la ou de se fazer presente em discussões que fogem à sua esfera de comando. Mas não terá condições de manter a mesma assiduidade nos contatos com a presidente, como lhe permitia o exercício da função dentro do Planalto. 

Estará também formalmente afastado de fóruns de decisão como a Junta Orçamentária, que reúne o chefe da Casa Civil e os ministros do Planejamento e da Fazenda. Foi na instância da Junta Orçamentária, por exemplo, que prevaleceu a tese de encaminhar ao Congresso uma proposta deficitária em 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB) para o Orçamento da União do próximo ano – o estopim para o rebaixamento da nota soberana do país pela agência Standard & Poor’s. 

Como economista de convicções solidamente estabelecidas no campo do desenvolvimentismo, Mercadante pode ser considerado um antagonista natural das ideias de Levy, identificado com as teorias econômicas ortodoxas. Nesse contexto, o papel de fiel da balança que se poderia esperar de Nelson Barbosa acabou por não se confirmar. Também próximo às teses desenvolvimentistas, o ministro do Planejamento compôs uma dupla afinada com o Mercadante em detrimento das posições de Levy.  

A entrada em cena de Jaques Wagner no núcleo mais próximo à presidente deve melhorar o ambiente de tomada de decisões, que tem sido marcado por desconfianças e disputas entre as diversas correntes, dentro e fora do Partido dos Trabalhadores (PT), abrigadas na Presidência da República. Embora se alinhe às posições tradicionais à esquerda, Wagner tem manifestado a percepção de que será preciso enfrentar a dose do remédio amargo do ajuste para que o país possa retomar o crescimento econômico. Se confirmada na prática, trata-se de uma posição mais amistosa em relação à estratégia defendida pelo ministro da Fazenda. 

De qualquer maneira, a possibilidade de que Levy ganhe espaços de poder na condução da política econômica do governo continuará a depender da palavra final da presidente Dilma Rousseff. Os que conhecem de perto as suas inclinações na área econômica atestam que não há suficiente convicção sobre a conveniência do ajuste fiscal que está em pauta desde o início do seu segundo mandato. É isso que dificulta a mensagem do governo à sociedade e faz com que a presidente oscile entre a ortodoxia representada por Levy e o desenvolvimentismo encarnado por Mercadante e Barbosa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HOMENAGEM ÀS MÃES: UM DOS MAIS BELOS TEXTOS QUE JÁ LI

Resolvi homenagear às mães com esse texto que considero uma das mais belas páginas já escritas pela inteligência humana. Neste azo, quero cumprimentar a minha adorável mãe Terezinha Albuquerque e à minha esposa e companheira de todas as horas Marlúcia, mãe do meu bem mais precioso.
Retrato de Mãe
Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus; e pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo; que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com as forças todas da juventude; quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças; pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama, e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre ferido pelos ingratos; forte, entretanto estremece ao choro de uma criancinha, e, fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões; viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que so…

DICA DE LIVRO: JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones

Sempre tenho falado da importância do exercício da liderança, tanto na vida profissional, como pessoal. Como fruto dessa necessidade indico o livro JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones (Editora Sextante). A autora é consultora de marketing e conferencista de renome nos Estados Unidos. O livro trata sobre os princípios de liderança de Jesus Cristo e como podem eles ser aplicados no trabalho, gerando crescimento, harmonia e realização. Numa abordagem espirituosa, a autora compara Jesus a um empresário que montou uma equipe de 12 pessoas que estava longe de serem perfeitas, mas conseguiu treiná-las e motivá-las para cumprirem sua missão com sucesso. Nesse contexto, o livro mostra um modelo de gestão baseado em três categorias de forças: autodomínio, ação e relações. Entre as frases geniais do livro, destaco: "Esperar o tempo perfeito é uma grande desculpa e uma racionalização para se ficar parado e não fazer nada." (pág. 44); "Os líderes que compartilha…

DICA DE LIVRO: AUTO DA BARCA DO INFERNO, de Gil Vicente

Ainda da Coleção Clássicos Saraiva, indico para leitura a obra "O AUTO DA BARCA DO INFERNO", do humanista português Gil Vicente. Inicialmente destaco que Gil Vicente é um importante autor da literatura portuguesa e foi o fundadador do teatro em Portugal. Situada no limiar entre a Idade Média e o Renascimento, no período que ficou conhecido como Humanismo, entre os séculos XV-XVI, a obra vicentina é um atestado exemplar dessa transição de costumes e valores. Tendo temática de base religiosa, seu teatro consegue harmonizá-la com elementos profanos. "O auto da barca do inferno" é a obra mais famosa de Gil Vicente e um clássico do teatro de língua portuguesa. Seu tema central são as personagens que, mortas, são conduzidas à barca que as levará ao Inferno ou Paraíso. As cenas retratam o diálogo jocoso que cada um dos pecadores trava com o Anjo e com o Diabo. São muitas os personagens sociais que fazem parte do drama: Frade, Sapateiro, Fidalgo, Alcoviteira, Enfocado e ou…