Pular para o conteúdo principal

Machado de Assis - O Bruxo, por Menalton Braff

Machado tinha um entendimento de alta resolução do ser humano
Machado tinha um entendimento de alta resolução do ser humano
Era autodidata, o bruxo do Cosme Velho, mas como entendia da alma humana! Para usar a linguagem da era da tecnologia, ele tinha um entendimento de alta resolução do ser humano. É de se admirar que tivesse uma visão niilista, pessimista, da existência?
Tenho-me lembrado, ultimamente, com muita frequência de Machado de Assis. De sua literatura em geral, mas sobretudo de seu conto O espelho.   
Alguns dos leitores, infelizmente, não conhecem Machado de Assis, muito menos o conto aludido. Não é inútil, portanto, um resumo.
O narrador do conto, o protagonista Jacobina, desenvolve a teoria de que todos nós temos duas almas: uma interior e outra exterior. Como comprovação de sua teoria, conta a história de um jovem oficial do exército brasileiro. Em toda sua família, ninguém, até então, galgara tão alto a escala social. O jovem oficial é o orgulho e a esperança de redenção social dos parentes. Só tira o uniforme para dormir.
Um dia, por razões fortuitas, encontra-se inteiramente sozinho (sim, porque os escravos não eram considerados companhia humana) em uma casa de fazenda de onde, depois de uma viagem forçada da família, até os escravos começam a aproveitar a ausência dos amos para sumir.
Resolve o jovem oficial, para não sujar seu rico uniforme, que só tirava para dormir, vestir uma roupa comum, um traje civil igual ao que as pessoas em geral vestem para estar em casa. Ao passar pela frente de um espelho no corredor, olha para ele por acaso e sem intenção nenhuma, então leva um susto enorme: sua imagem não está lá, sinal nenhum dele mesmo, como se tivesse perdido inteiramente sua materialidade.
Não tem para quem apelar, pois agora nem a companhia dos escravos ele tem, não consegue imaginar o que acontece, e isso o assombra. Angustiado, com medo, inteiramente apavorado, ele resolve partir daquela casa maldita, onde deixara de existir, ou, pelo menos, perdera sua materialidade.
Vai ao quarto e veste apressadamente o uniforme para a viagem, que deverá ser feita com o garbo e o aprumo de um oficial do exército. Grande surpresa, quando passa novamente pela frente do espelho, com o rosto virado para outro lado, mas com o rabo de um olho medroso ele percebe: sua imagem está perfeita, irretocável. Sem saber como, ele recupera sua alma exterior. Essa é a conclusão de Jacobina. Mas quando termina a história, um dos convidados dorme, outros foram embora, um outro fuma seu charuto distraído, sem ouvidos para ouvir.    
Alguns amigos meus não conseguem escrever o próprio nome sem seus diversos títulos pendurados de enfeite. O bruxo do Cosme Velho sabia muito bem ver por fora e por dentro.
Quanta gente conheço que não pode tirar o uniforme!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HOMENAGEM ÀS MÃES: UM DOS MAIS BELOS TEXTOS QUE JÁ LI

Resolvi homenagear às mães com esse texto que considero uma das mais belas páginas já escritas pela inteligência humana. Neste azo, quero cumprimentar a minha adorável mãe Terezinha Albuquerque e à minha esposa e companheira de todas as horas Marlúcia, mãe do meu bem mais precioso.
Retrato de Mãe
Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus; e pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo; que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com as forças todas da juventude; quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças; pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama, e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre ferido pelos ingratos; forte, entretanto estremece ao choro de uma criancinha, e, fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões; viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que so…

DICA DE LIVRO: AUTO DA BARCA DO INFERNO, de Gil Vicente

Ainda da Coleção Clássicos Saraiva, indico para leitura a obra "O AUTO DA BARCA DO INFERNO", do humanista português Gil Vicente. Inicialmente destaco que Gil Vicente é um importante autor da literatura portuguesa e foi o fundadador do teatro em Portugal. Situada no limiar entre a Idade Média e o Renascimento, no período que ficou conhecido como Humanismo, entre os séculos XV-XVI, a obra vicentina é um atestado exemplar dessa transição de costumes e valores. Tendo temática de base religiosa, seu teatro consegue harmonizá-la com elementos profanos. "O auto da barca do inferno" é a obra mais famosa de Gil Vicente e um clássico do teatro de língua portuguesa. Seu tema central são as personagens que, mortas, são conduzidas à barca que as levará ao Inferno ou Paraíso. As cenas retratam o diálogo jocoso que cada um dos pecadores trava com o Anjo e com o Diabo. São muitas os personagens sociais que fazem parte do drama: Frade, Sapateiro, Fidalgo, Alcoviteira, Enfocado e ou…

DICA DE LIVRO: JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones

Sempre tenho falado da importância do exercício da liderança, tanto na vida profissional, como pessoal. Como fruto dessa necessidade indico o livro JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones (Editora Sextante). A autora é consultora de marketing e conferencista de renome nos Estados Unidos. O livro trata sobre os princípios de liderança de Jesus Cristo e como podem eles ser aplicados no trabalho, gerando crescimento, harmonia e realização. Numa abordagem espirituosa, a autora compara Jesus a um empresário que montou uma equipe de 12 pessoas que estava longe de serem perfeitas, mas conseguiu treiná-las e motivá-las para cumprirem sua missão com sucesso. Nesse contexto, o livro mostra um modelo de gestão baseado em três categorias de forças: autodomínio, ação e relações. Entre as frases geniais do livro, destaco: "Esperar o tempo perfeito é uma grande desculpa e uma racionalização para se ficar parado e não fazer nada." (pág. 44); "Os líderes que compartilha…