sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

POR UM TRIZ ... da coluna do Merval Pereira


O que era dito meio às escondidas nas reuniões da equipe econômica com os coordenadores políticos do governo, agora está escancarado nas reuniões com as diversas bancadas da suposta base aliada: se não aprovarem o pacote fiscal, fica mais próxima a perda do grau de investimento do Brasil.

A imagem do país no exterior já derreteu faz tempo, e a surrealista capa da revista inglesa “The Economist”, com uma passista de escola de samba debatendo-se num lodaçal, é o mais recente exemplo disso, depois de artigos os mais críticos possível da revista Time, do Financial Times, e por aí vai.

Não há mais quem acredite nas intenções do governo petista, e a credibilidade do país está suspensa por um fio tênue nas mãos do ministro da Fazenda Joaquim Levy. A grande pergunta dos investidores estrangeiros é até quando Levy agüentará a falta de apoio político do principal partido da base, o PT?

Se por um lado ele se tornou “indispensável”, por outro a presidente Dilma recusa-se a dar-lhe um aval público, mesmo por que ela não tem ascendência sobre a base petista. Essa seria uma tarefa de Lula, mas mesmo ele, fora da presidência e claramente desgastado com a sua criatura, pode muito, mas não pode tudo.

Se Levy saísse antes de completar o serviço, por impossibilidades políticas, seria uma tragédia para o governo. Mas mesmo assim ele não tem cacife político para impor sua visão, e joga com a possibilidade cada vez mais real de o país perder o grau de investimento para tirar do PT compromissos com a austeridade fiscal.

Quem assumiu sua tese foi o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, que explicitou os perigos que espreitam o país caso não se dê uma demonstração de boa vontade com as regras do equilíbrio fiscal. Mas a posição do PMDB depende de que o PT também abrace o projeto do governo. Cunha não pretende assumir sozinho esse ônus, impopular como qualquer pacote de austeridade, os gregos que o digam.

Mas, logo em seguida, Cunha regrediu aos tempos em que os gastos eram incontroláveis, aumentando a remuneração dos senhores deputados, e até mesmo pagando passagens aéreas para os cônjuges, o que soa como escárnio não apenas para a opinião pública, mas para os credores internacionais.

O Brasil está na situação de uma empresa que precisa renegociar suas dívidas, e seus proprietários têm que dar demonstrações de austeridade que garantam a seriedade com que encaram a situação difícil. A nova equipe econômica conseguiu economizar R$ 10,4 bilhões em janeiro, que é o pior resultado para o primeiro mês do ano desde 2009, mas é um feito e tanto se pensarmos que fechamos em dezembro o ano de 2014 com um déficit primário de R$ 17,2 bilhões.

Mas o resultado, ainda insuficiente, foi alcançado à custa de um corte de mais de 30% de investimentos. A austeridade tem que ser de gastos, principalmente, mas também de comportamento. Um governo que recebe o rebaixamento do grau de investimento da sua principal empresa, a Petrobras, e, em vez de assumir sua parte da culpa, limita-se a dizer que a agência de risco tomou a decisão por não ter conhecimento de como a empresa funciona, definitivamente não pode ser levado a sério.

Um governo que lida com as acusações de corrupção contra si tentando constranger os investigadores, juízes e membros do Ministério Público, e organiza no Congresso uma manobra para que a CPI da Petrobras não dê em nada mais uma vez, quer uma solução à sua moda, e não se preocupa com os investidores, nacionais ou estrangeiros.

Um governo que quer que a Petrobras recupere sua credibilidade, mas ao mesmo tempo escolhe um presidente dentre os seus quadros mais confiáveis não do ponto de vista técnico, mas político, e também determina qual deve ser o nível de prejuízo a aparecer no balanço atrasado da companhia, não quer ser levado a sério.

Nenhum comentário:

Postar um comentário