Pular para o conteúdo principal

O AMOR SEGUNDO MANUEL BANDEIRA, por R.B. COVO

Captura de tela inteira 16012015 234347.bmp.jpg Imagem do curta-metragem "O poeta do castelo", de Joaquim Pedro de Andrade, 1959
Faz versos como quem morre, choroso, sabor acre na boca. Versos como quem chora. Tomam-no a tristeza, o desencanto, o desalento, a angústia rouca. A doença e “o mau gênio da vida”. Bandeira é um cara sofrido, de amores imaginativos, não saciados. É melancólico, tuberculoso... Irônico e amargo. Como amargos são sua vida e seus amores. Afinal, o amor é “um pobre gozo”, “hás de amar e sofrer incompreendido”.
O amor de Bandeira não se sacia. Suas fomes de romance, de chama que arde mais e mais, impelem-no a outros lugares – Parságada. Aqui o amor é impossível. Não tem com que se lhe baste. Lá (em Parságada) tem, sim. Tem a mulher que ele quer, na cama que escolherá.
Utópico. Inconcebível. Ideal e imaginário. O amor de Bandeira dói. Dói porque não se concretiza. É “chama, e, depois, fumaça...”. E atenta bem, aconselha, “o fumo vem, a chama passa...”. Momentâneo, interrupto, ligeiro, ilusório, é escasso, e o pior de tudo, finito. Depois de “fogueira linda a arder!” é fumo que embaça, inevitável, corriqueiro, triste. É o que tem que ser. Acabado, findo, resolvido, pois para tudo o poeta concebe a morte. A vida, o mundo, tudo se termina. Mesmo o que se sente. Má sorte!
Captura de tela inteira 16012015 234553.bmp.jpg Do curta-metragem "O poeta do castelo"
O amor quando começa é inquieto e maravilhado, sem saber o que peça. Teme, “balbucia, não fala”. As mãos são trêmulas, e as paixões outrora pequenas, medrando se elevam, e se elevando tudo dominam. Muda, então, o amor de modo. Faz-se senhor de si, e de tudo, ainda que se tome de ciúmes, de dor e da visão da morte. Por sorte... Não, por sorte não. “Calmado o vento, o lume brilha, mais puro e mais forte”.
O amor primeiro incendeia, queima, venturoso, mas um dia é fumo esparso. E é assim em todas as ocasiões. Nas paixões tristes ou felizes, puras ou devassas.
O amor de Bandeira é o de quem vê morrer todos que ama. Pai, mãe, irmãos... Não encontra pena para seu penar. Não encontra consolação. Não acodem as donzelas às ânsias de seu olhar, tampouco ao seu suspirar. É um amor parcialmente irrealizado, sujeito às limitações cotidianas, sujeito às limitações “da vez”. É um amor encurralado pelo caráter fortuito das coisas. Pode ou não se satisfazer. Momentaneamente.
Captura de tela inteira 16012015 234938.bmp.jpg Do curta-metragem "O poeta do castelo"
Em “O anel de vidro” (A cinza das Horas, de 1917) escreve: “Aquele pequenino anel que tu me deste,/ - Ai de mim – era vidro e logo se quebrou.../ Assim também o eterno amor que prometeste,/ - Eterno! era bem pouco e cedo se acabou”. As afeições, escreve em seguida, se aniquilam, ficando as recordações e a saudade. Saudade desse tempo em que “te estreito cada vez mais, e espio absorto/ A maravilha astral dessa nudez sem pejo...// E te amo como se ama um passarinho morto” (do poema “Boda Espiritual”, A cinza das Horas, 1917).
Da inocência do primeiro namoro, em que o outro não faz caso das suas ternurinhas, o porquinho-da-índia (do poema “Porquinho-da-índia”, Libertinagem, 1930), à certeza de que “Não posso crer que se conceba/ Do amor senão o gozo físico!” (do poema Vulgívaga”, Carnaval, 1919), o amor é cotidiano, vulgar, mundano. Umas vezes inocente, terno, meigo, outras, voluptuoso, animal, libidinoso.
O amor de Bandeira “não tem bondade alguma” (do poema “Mulheres”, Libertinagem, 1930). Porque ele mesmo é fraco, acrescenta. Ama como as criancinhas. Ama o que o aconchega, o que o sossega, o que lhe faz bem. Recusa o feio, o avesso ao encanto.
Captura de tela inteira 16012015 234959.bmp.jpg Do curta-metragem "O poeta do castelo"
“Sou romântico? Concedo”, afirma em “Sextilhas românticas” (Belo Belo, 1948), tem a alma ruim, dada por Deus. E na sua “Arte de amar” (Belo Belo, 1948), aconselha, “esquece a tua alma/ A alma é que estraga o amor”. E prossegue mais embaixo: “Deixa teu corpo estender-se com outro corpo./ Porque os corpos se entendem, mas as almas não”. As almas, essas encontram satisfação só em Deus. Afinal, ele era “aquele que amou Antônia e que Antônia não amou” (“Antônia”, Estrela da tarde, 1960). Unidade, só a carnal. A física e material.
Bandeira é erótico. Perpassa todos os recantos do corpo. Extasia-se com a nudez. Imagina-a, recria-a... Deseja-a. “Quando estás vestida/ Ninguém imagina/ Os mundos que escondes/ Sob as tuas roupas” (“Nu”, Estrela da manhã, 1936). Escreve os joelhos, os seios, o umbigo, os olhos, os mundos dela, palpitantes, os mamilos, o dorso, os flancos. Todo se entrega. “Bóio, nado, salto/ Baixo num mergulho/ Perpendicular.// Baixo até o mais fundo/ do teu ser, lá onde/ Me sorri tu´alma/ Nua, nua, nua...”
O amor de Bandeira é, no final da vida, deslocado. Seletivo. Não o quer. Diz-lhe adeus. É tarde, afinal. E faz bem: “a mocidade/ Quer a mocidade” (do poema “Adeus, amor”, Estrela da tarde, 1960). É pouco para o poeta dar e receber carinhos. Este exige “o trauma, o magma”, o amor em todas as suas nuances.
Captura de tela inteira 16012015 235144.bmp.jpg Do curta-metragem "O poeta do castelo"
No final da vida, em 1965, Bandeira escreveu em “Antologia” (Estrela da tarde, 1960): “A vida/ Não vale a pena e a dor de ser vivida./ Os corpos se entendem mas as almas não./ A única coisa a fazer é tocar um tango argentino.// Vou-me embora p´ra Pasárgada!/ Aqui eu não sou feliz./ Quero esquecer tudo:/ - A dor de ser homem.../ Este anseio infinito e vão/ De possuir o que me possui.// Quero descansar/ humildementepensandonavidaenasmulheresqueamei.../ Na vida inteira que podia ter sido e que não foi”.
O amor de Bandeira é tímido, evasivo, solitário. Perdeu a vez. Amou sem ser amado, e amado não amou. É sensual e romântico. Nu. Infantil. Farto de alma. Frustrado.
O amor de Bandeira principia e acaba, é chama e fumaça.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HOMENAGEM ÀS MÃES: UM DOS MAIS BELOS TEXTOS QUE JÁ LI

Resolvi homenagear às mães com esse texto que considero uma das mais belas páginas já escritas pela inteligência humana. Neste azo, quero cumprimentar a minha adorável mãe Terezinha Albuquerque e à minha esposa e companheira de todas as horas Marlúcia, mãe do meu bem mais precioso.
Retrato de Mãe
Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus; e pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo; que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com as forças todas da juventude; quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças; pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama, e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre ferido pelos ingratos; forte, entretanto estremece ao choro de uma criancinha, e, fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões; viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que so…

DICA DE LIVRO: JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones

Sempre tenho falado da importância do exercício da liderança, tanto na vida profissional, como pessoal. Como fruto dessa necessidade indico o livro JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones (Editora Sextante). A autora é consultora de marketing e conferencista de renome nos Estados Unidos. O livro trata sobre os princípios de liderança de Jesus Cristo e como podem eles ser aplicados no trabalho, gerando crescimento, harmonia e realização. Numa abordagem espirituosa, a autora compara Jesus a um empresário que montou uma equipe de 12 pessoas que estava longe de serem perfeitas, mas conseguiu treiná-las e motivá-las para cumprirem sua missão com sucesso. Nesse contexto, o livro mostra um modelo de gestão baseado em três categorias de forças: autodomínio, ação e relações. Entre as frases geniais do livro, destaco: "Esperar o tempo perfeito é uma grande desculpa e uma racionalização para se ficar parado e não fazer nada." (pág. 44); "Os líderes que compartilha…

DICA DE LIVRO: AUTO DA BARCA DO INFERNO, de Gil Vicente

Ainda da Coleção Clássicos Saraiva, indico para leitura a obra "O AUTO DA BARCA DO INFERNO", do humanista português Gil Vicente. Inicialmente destaco que Gil Vicente é um importante autor da literatura portuguesa e foi o fundadador do teatro em Portugal. Situada no limiar entre a Idade Média e o Renascimento, no período que ficou conhecido como Humanismo, entre os séculos XV-XVI, a obra vicentina é um atestado exemplar dessa transição de costumes e valores. Tendo temática de base religiosa, seu teatro consegue harmonizá-la com elementos profanos. "O auto da barca do inferno" é a obra mais famosa de Gil Vicente e um clássico do teatro de língua portuguesa. Seu tema central são as personagens que, mortas, são conduzidas à barca que as levará ao Inferno ou Paraíso. As cenas retratam o diálogo jocoso que cada um dos pecadores trava com o Anjo e com o Diabo. São muitas os personagens sociais que fazem parte do drama: Frade, Sapateiro, Fidalgo, Alcoviteira, Enfocado e ou…