Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2015

NATAL DO MENINO JESUS

É interessante perceber que apesar de o Natal ser uma festa sempre celebrada  no final de cada ano, não há como não se deixar contagiar pela magia que data nos traz. Sem dúvida, o nascimento de Jesus Cristo é um acontecimento único, singular, que mudou a história da humanidade. Sabe-se, entretanto, que se tornou comum o desvirtuamento do  sentido maior da festa, em face do apelo capitalista e  em razão  de um consumismo desenfreado que se tornou regra geral nas festas de final de ano.
Nesse frenesi, esquecemos que celebrar o Natal é elevar-se espiritualmente, permitindo-nos refletir sobre as nossas ações e comprometendo-nos com uma transformação que nos torne mais irmãos,  fraternos e acolhedores, na verdadeira acepção do pensamento cristão. As mensagens deixadas pelo Salvador são simples e direta: “Amai-vos uns aos outros” e “Não façais ao outro, aquilo que não queres que te faça”. Todavia, se vivenciadas na sua plenitude resgatariam a humanidade desse abismo existencial a que está …

Uma possível alegria de natal, POR VASCONCELOS ARRUDA

Última reunião de trabalho do ano. Concluído o planejamento para 2016, veio à baila o último assunto da pauta: a confraternização de Natal. Além de providenciar umà mente uma crônica do Rubem Braga, publicada no que é para mim um dos livros prediletos do autor, “A borboleta amarela”. Chegando em casa, tratei de reler a crônica. Uma dúvida enorme me acometeu: deveria ler aquele texto? Intitulado “Natal”, ele fala da solidão de um homem sozinho diante de um copo de uísque; aquela avassaladora solidão cósmica, que, paradoxalmente, muita gente experimenta nessa que deveria ser uma noite de alegria e celebração comunitária. Enquanto me debatia com a dúvida, recordei outra crônica, igualmente natalina. Esta, por sua vez, da autoria de Carlos Drummond. Diferentemente da anterior, nela o autor transmite uma mensagem de esperança e crença na humanidade. O problema é que está cada vez mais difícil sustentar essa crença, especialmente para quem, sendo brasileiro, vive um momento que tem visto s…

Natal: sempre que nasce uma criança, é sinal de que Deus ainda acredita no ser humano (por Leonardo Boff)

"Estamos na época de Natal mas a aura não é natalina, é antes de sexta-feira santa. Tantas são as crises, os atentados terroristas, as guerras que, juntas, as potencia belicosas e militaristas (USA, França, Inglaterra, Russa e Alemanha) conduzem contra o Estado Islâmico, destruindo praticamente a Síria com uma espantosa mortandade de civis e de crianças como a própria imprensa tem mostrado, a atmosfera contaminada por rancores e espírito de vindita na política brasileira, sem falar dos níveis astronômicos de corrupção: tudo isso apaga as luzes natalinas e amortecem os pinheirinhos que deveriam criar uma atmosfera de alegria e de inocência infantil que ainda persiste em cada pessoa humana.      Quem pôde assistir o filme Crianças Invisíveis, em sete cenas diferentes,  dirigido por diretores renomados como Spike Lee, Katia Lund, John Woo entre outros, pode se dar conta da vida destruída de crianças, de várias partes do mundo, condenadas a viver do lixo e no lixo; e ainda assim há c…

PARABÉNS AMIGO-IRMÃO RONALDO DIAS CARNEIRO

Com alegria registro, na data de hoje(26/12), a passagem do natalício do amigo-irmão Dr. Ronaldo Dias Carneiro. Trata-se de um amigo com quem tenho uma relação de enorme respeito e admiração. É um médico na acepção plena da palavra. Na sua honrosa profissão trata a todos com a mais profunda humanidade cristã. Sua vida é um hino de dedicação ao próximo. 
Ninguém nunca o procurou que não recebesse dele uma palavra de carinho e  de conforto. Sempre digo que o Ronaldo é esse "anjo bom" que Deus colocou no mundo para servir aos seus filhos. Nele encontramos a sinceridade gratuita, a verdadeira amizade. 
Agradeço ao Pai Celestial pela sua vida e por tê-lo iluminado para essa missão do "Servir". Um abraço no coração,
 Ronaldo, Que Deus lhe conceda muita paz, saúde e luz.

O impeachment e “as ruas”, POR MARCOS COIMBRA

Em meio à vasta quantidade de bobagens suscitadas pela abertura do processo deimpeachmentcontra a presidenta Dilma Rousseff, uma se destaca: o recurso à ideia de que “as ruas” estão na origem de tudo e vão determinar seu desfecho.  Volta e meia, a ideia aparece, ora em termos pretensamente elevados e filosóficos, ora em sentido comezinho. “As ruas” são usadas pelos próceresoposicionistas e seus intelectuais tanto para justificar o impeachment, e dar ao processo fundamento e legitimidade, quanto para auxiliá-los na definição de uma estratégia de tramitação da matéria no Congresso. Trata-se de uma dupla impostura. Nem o processo de impeachment nasce nas ruasnem delas virá sua solução. Uma boa maneira de percebê-lo é lembrar o que aconteceu em 1992, noimpeachment de Fernando Collor. Como é recente e tem sido a toda hora invocado, vale a pena discutir os paralelismos e distâncias em relação aos fatos de hoje. O primeiro elemento que salta à vista é quão diferentes eles são, a começar pelo…

SOMOS CIVILIZADOS, POR crônicas do Menalton

Somos tão civilizados, nós, os brasileiros, que simples questões de boa educação, costume na maioria dos países civilizados, entre nós têm de se tornar lei para que sejam observadas. E a lei, ah! essa é outra história, a lei atropela indivíduos, que ela não quer e não pode ver. Parece que a boa educação, entre nós, precisa ser empurrada goela abaixo e à força. Às vezes com marreta, malho, tacape e o que mais for necessário para que desça. Meu amigo Adamastor afirma que estou errado, que um pouquinho de vaselina já resolve, porque ajuda a escorregar. Bem, com os séculos de experiência que acumulou, ele que foi ressuscitado por Camões lá por mil quinhentos e pouco é possível que saiba disso melhor do que eu. Apesar do fora que lhe deu Tétis. Dar o lugar a uma pessoa idosa em ônibus, a uma mulher grávida, meu Deus do céu, é tão fácil perceber que não se precisa de lei para que o sofrimento humano comova pessoas bem educadas! Podem ser raras, mas ainda se encontram pessoas que mantêm tal…

Saia da mesmice.....e seja FELIZ!!!!!!!

Muitas vezes aceitamos para as nossas vidas a acomodação. Ficamos naquele emprego por anos a fio, mesmo sabendo que aquele encargo em nada nos realiza. Insistimos num curso superior que nada tem a ver com aquilo que almejamos. Até no relacionamento a dois,  muitas vezes apostamos em situações que só nos trazem dor, frustração e aborrecimento. Esses aspectos da vida, um ou outro, sempre atingirão as pessoas e as consequências, boas ou ruins, dependerão da forma como cada qual agirá diante de tais circunstâncias. Por natureza, algo nos impele à inércia. Se persistimos em aceitar esse determinismo minimalista, sem a ele reagirmos, nos tornaremos reféns de um destino manifesto que provavelmente nos levará à infelicidade.  Acomodar-se é aceitar por aceitar; é permitir-se viver “na mesmice”, acumulando sucessivos fracassos  e colecionando derrotas de toda ordem. E afinal, nascemos ou não para a vitória?!!! Diante dessa indagação, algo nos impele a refletirmos  sobre a saga da humanidade. Fomo…

Você é autor de sua história....

Os caminhos da vida sempre nos apresentam um desafio. Muitas vezes encarar a realidade do cotidiano nos causa temor. Todavia, imagine vocês se vivêssemos sempre diante do previsível, sabendo que tudo correria bem. Isso pode parecer genial, mas por outro lado furtaria da nossa existência o inusitado, a surpresa às vezes festiva, outras vezes dolorosa. Uma vida sem batalha, sem a superação da adversidade, torna-se amorfa, insípida e medíocre. O homem nasceu para o enfrentamento, para singrar procelas em mares em meio a tempestades. Ao superá-las, sentirá o sabor da vitória. E se a vitória não chegar, pelo menos a certeza de ter tentado tornar-se-á um apanágio para nossa alma. A busca pela felicidade não aceita o conformismo, muito menos a letargia nem a inércia covarde. É feliz quem encara a vida com um olhar de possibilidades, mesmo diante das tragédias que muitas vezes nos abatem e tentam a todo custo destruir nossa capacidade de resistência. Mas uma coisa tenham certeza: Somos bem m…

Haja como um vitorioso antes mesmo de conquistar seus objetivos, por SAMY DANA

Quando você pensa em um super herói, qual é a primeira postura que lhe vem à cabeça? Provavelmente deve imaginar uma pessoa forte, com o uniforme de herói, com as mãos na cintura e o peito inclinado para a frente. A pose é típica de personagens heróicos e não é sem motivo. Na análise da linguagem corporal, a pose representa autoconfiança e coragem, características típicas de um vencedor.  Do mesmo modo, quando você vê uma equipe de qualquer esporte que seja comemorando uma vitória, o gesto mais comum são os braços estendidos para cima. É uma simbologia universal para representar a vitória. O interessante disso tudo é que este tipo de representação através do corpo não foi algo simplesmente inventado e aceito como uma marca de vitória. É algo que nos acompanha no processo evolutivo.  Vemos, por exemplo, que esta atitude também é adotada entre grupos de chimpanzés e gorilas. Os mais fortes demonstram poder batendo no peito e erguendo os braços para o alto.  Aliás, as pesquisadoras Amy J. C…

Brasil é um dos países que pagam menos aos professores, POR ANDREA RAMAL

O salário inicial dos professores, no Brasil, é um dos mais baixos entre os integrantes da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico – OCDE, e mesmo entre os países latino-americanos, abaixo do Chile, Colômbia e México. Na pré-escola, paga-se menos da metade da média mundial. É o que mostra o mais recente relatório dos sistemas educacionais do mundo, Education At a Glance 2015.
As salas de aula brasileiras estão entre as que têm mais alunos por professor. Quanto ao preparo docente, 37% dos mestres declaram necessidade de mais formação para o uso das tecnologias, enquanto que, na média da OCDE, só 15% manifestam tal lacuna.
Baixa remuneração, excesso de alunos por turma e insegurança quanto a um importante ambiente de aprendizagem da atualidade, o tecnológico, acabam derivando no abandono da profissão. É o que nos conta o mesmo relatório: mais da metade dos professores dos anos iniciais do ensino fundamental brasileiro tem menos de 40 anos de idade e apenas 15% deles tem …

SURTO DE DENGUE NO CEARÁ: Massapê e Coreaú preocupam

O Ministério da Saúde apresentou, na manhã de hoje, o resultado do Levantamento Rápido de Índices para Aedes Aegypti (LIRAa). Conforme o boletim, o Ceará tem oito municípios em situação de risco de surto de dengue, chikungunya e zika. São eles: Baturité, Canindé, Coreaú, Ipaumirim, Massapê, Parambu, Tauá e Viçosa do Ceará. Significa que mais de 4% das casas visitadas nestas cidades apresentaram larvas do mosquito.  Já os municípios em situação de alerta somaram nove: Caucaia, Cedro, Guaiúba, Horizonte, Ipapipoca, Maranguape, Pacatuba, Pires Ferreira e São Benedito. Outros 18 estão com situação satisfatória, entre eles Fortaleza, com índice de 0,9.
Realizado em outubro e novembro, o LIRAa teve adesão recorde para este período do ano, com1.792 cidades participantes - aumento de 22% se comparado ao mesmo período de 2014. A pesquisa é um instrumento fundamental para o controle do Aedes aegypti. Com base nas informações coletadas, o gestor pode identificar os bairros onde estão concentrados …

ACREDITAR NO AMOR, do blog do VASCONCELOS ARRUDA

Terça-feira passada encontrava-me absorto em meus afazeres, quando fui interrompido por um colega de trabalho. Apontando um livro que se encontrava sobre um dos birôs, indagou: “É seu?” De imediato respondi: “Não, por quê?” Ao que ele respondeu: “Este livro é a sua cara”. “A Minha cara?”, retorqui, surpreso. “É”, redarguiu, “auto-ajuda, amor…”, completando, quase num murmúrio: “Você acredita no amor; eu, não”. Sem saber se via no comentário um elogio ou uma velada censura, me senti impactado pela última frase. Não sei fundamentado em que o colega afirmara com tanta certeza minha crença no amor. Tampouco me ocorreu, na ocasião, perguntar. O fato é que, na manhã seguinte, voltei a pensar no assunto. Foi aí que lembrei do livro  “A revolução do amor: por uma espiritualidade laica”, do filósofo francês Luc Ferry. Defensor do que tem sido chamado de humanismo secular, assim introduz Luc ferry o tema do amor: “É uma evidência que salta aos olhos, que percorre e transtorna permanentemente n…

Transformar em sofrimento pessoal o que acontece no mundo, POR LEONARDO BOFF

Atualmente há uma fecunda discussão filosófica, também entre nós com Muniz Sodré (As estratégias sensíveis, 2006)  e F. J. Duarte (O sentido dos sentidos, 2004) no sentido de resgatar a razão sensível como enriquecimento imprescindível da razão intelectual. Esta diligência é necessária, porque é através dela que nos comprometemos afetiva e efetivamente com a salvaguarda da vida no planeta e com a humanização das relações sociais. Curiosamente o Papa Francisco, neste ponto, em sua encíclica sobre o cuidado da Casa Comum (2015)  nos trouxe valoriosa contribuição.      Ele analisa com espírito científico e crítico  “o que está acontecendo com a nossa Casa”(nn.17-61). Logo adverte que, numa perspectiva da ecologia integral que é o tema fundamental de seu texto, estas categorias são insuficientes (n.11). Temos que abrir-nos “à admiração e ao encanto…. e falar a linguagem da fraternidade e da beleza na nossa relação para com o mundo”(n.11. Portanto, não nos podemos restringir à ecologia am…

Defensoria Pública priorizará o Interior

A defensora-pública geral do Estado, Andréa Coelho, empossará nesta quarta-feira, durante solenidade marcada para as 17 horas, no auditório do órgão, 27 novos defensores. No ato, Andréa vai reiterar promessa feita quando do lançamento do edital de concurso público para a categoria: todo esse grupo de novos defensores vai atuar em comarcas do Interior.

Solidariedade aos Idosos de Sobral que Vivem nos Abrigos. Você pode Ajudar!

Pensando criar uma rede de solidariedade e contribuir com os Abrigos de Idosos de Sobral, a AMGGES - Academia de Medicina Geriátrica e Gerontologia de Sobral, que faz parte da Faculdade de Medicina da UFC Sobral, convida você a participar da campanha: #PenseNoPróximo!
Você pode doar roupas, fraldas geriátricas ou ainda contribuir com qualquer quantia em dinheiro nos pontos de doação, na biblioteca da Faculdade de Medicina - UFC, na Santa Casa de Sobral e no Colégio Luciano Feijão. Colabore!

O antipetismo em nome de um moralismo de fancaria, POR ROBERTO AMARAL

A tarefa prioritária, ingente e agônica da esquerda e dos liberais progressistas é esmagar o ovo da serpente antes que a peçonha contamine por completo o corpo social, costurando as bases de um Estado reacionário, conservador, autoritário e, ninguém se engane, protofascista. Assim se vem modificando o caráter da sociedade brasileira, aos poucos mas sistematicamente. Ele se manifesta sob as mais variadas facetas, no Parlamento e na vida social. O antipetismo em nome de um moralismo de fancaria  – esse que a imprensa e os partidos de oposição destilam – é apenas uma só de suas máscaras, como o moralismo é apenas um disfarce. Pois tudo, fatos e criações, são, tão-só o instrumento de uma tentativa, em marcha desde 2013, ou antes, de implantação, entre nós, de uma clima de violência que lembra (pelos efeitos psicossociais) o  fascismo italiano e o nazismo alemão em suas infâncias, envenenando as entranhas de suas sociedades. Não caminham, ainda, pelas ruas, os camisas pretas, os grupos par…

Entre a doutrina Obama e a doutrina Bush, POR HELIO GUROVITZ

Duas estratégias para combater o Estado Islâmico (EI) têm sido defendidas após os ataques de Paris. Chamemo-las, na falta de nomes melhores, de “doutrina Obama” e “doutrina Bush”. São visões opostas sobre a melhor forma de ação, ambas têm raízes profundas na política externa americana – e ambas já mostraram que podem dar errado.
Comecemos pela “doutrina Bush”. O Bush aí se refere a George W., o irmão de Jeb que interveio militarmente no Afeganistão e no Iraque depois dos ataques de 11 de Setembro. Os objetivos eram destruir os campos de treinamento da Al Qaeda e depôr o ditador Saddam Hussein, falsamente acusado de manter armas de destruição em massa. É, portanto, uma doutrina intervencionista, que vê a necessidade de pôr “botas no chão” para conter a expansão do EI.
O intervencionismo vai e vem na política externa americana. Depois que Roosevelt, um isolacionista, resistiu a entrar na Segunda Guerra e evitou, mesmo tendo todas as informações a respeito, atacar os campos de extermínio n…