Pular para o conteúdo principal

Precisamos de uma Constituinte para a reforma política? Por ESTEVAM SERRANO

Com as declarações pós-eleições da presidenta Dilma Rousseff (PT) volta à cena politica a questão da Constituinte exclusiva para reforma política e todas as questões que lhe são inerentes.
O meio jurídico tem divergências quanto ao cabimento da convocação de uma Constituinte com o fim especifico de reforma política. A maioria dos especialistas de quem tive acesso a suas opiniões creem que seria impossível no pleno jurídico essa tal convocação.
Para eles ou a Constituinte originária é um poder ilimitado ou não é Constituinte, sendo mais um mecanismo de burla aos limites procedimentais das emendas constitucionais previstas em nossa Carta.
Penso de forma diversa por razões e argumentos que não cabem ser detalhados nesse espaço limitado. Mas, em suma, tendo-se em conta que o poder constituinte originário em verdade nem é tema jurídico, pois se encontra fora dos limites semânticos próprios da linguagem de competências que é o Direito (ou seja o Direito só trata de condutas limitadas ou reguladas por normas jurídicas), tratando-se mais de fenômeno político, por conta de não ser limitado por norma alguma, porque não poderia ser uma forma de poder autolimitado? Ou seja a força politica que o estabelece, ao estabelecê-lo, estipular limites normativos a sua realização?
Me parece uma contradição lógica, pois dizer que o poder constituinte originário não pode se autolimitar em seu objeto de deliberação significa dizer que ele não é ilimitado, isso porque ele teria o dever de ser ilimitado até por ele mesmo, o que significa uma limitação (a norma de dever ser ilimitado). O lógico me parece admitir que só é ilimitado o poder que pode se limitar.
Além dessa razão de ordem lógica me indago qual seria a fonte normativa que determina que o poder constituinte originário que tudo pode não pode se autolimitar? A doutrina que o descreve? Claro que não, o papel da ciência descritiva (doutrina) nesse caso é descrever os fenômenos novos que vão sendo criados pela vida politica. Descreve a realidade e não procura regrá-la ou limitá-la. Busca coincidir com a realidade e não incidir sobre ela, na clássica expressão de Lourival Vilanova.
Por essas e outras razões que já expendi em livro e artigos creio como possível sim a convocação de uma Assembleia Constituinte originária com o fim exclusivo de deliberar sobre reforma politica, desde que a autolimitação partisse da força política instituidora desta forma de poder constituinte.
E aí coloca-se outra questão, mais no território da política e da Teoria do Estado do que no da dogmática jurídica.
Para que essa Constituinte originária seja legítima do ponto de vista democrático o que seria necessário?
Aqui não se discute juridicidade. O poder constituinte originário é dotado de uma força fundacional, o que possibilita até fontes autoritárias de seu surgimento, como se verifica pela história humana.
A questão é do que seria necessário para considerá-lo democrático.
Vou ser sintético: como democrático é o poder constituinte que é instaurado pelo povo, quanto mais clara sua origem popular mais nítida sua legitimidade democrática.
Na atual conjuntura creio que posso afirmar, portanto, que seria democrático uma constituinte autolimitada que fosse convocada diretamente pelo povo em plebiscito e por ele limitada já em sua convocação.
Isso não significa dizer que o plebiscito necessitaria ingressar no mérito das questões de reforma politica, até porque limitar temas tão complexos a respostas binárias reduziria antidemocraticamente o debate social sobre tais questões, que deveriam ser entregues aos representantes escolhidos pelo povo para tanto. Apenas a convocação da constituinte e a estipulação de seu limite geral deveriam ser objeto da deliberação.
Tal plebiscito de objeto limitado em nada contraria a realização de referendo posterior para aprovação popular do texto aprovado pelos constituintes, o que só enriqueceria o debate e a legitimidade democrática do processo, embora não seja condição necessária a legitimidade democrática da deliberação.
Prefiro aqui me abster de manifestar sobre a conveniência política de tal convocação, da qual tenho sentidas dúvidas, pela porteira que poderia abrir de instabilidade institucional e democrática no futuro.
Fonte: Carta Capital

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HOMENAGEM ÀS MÃES: UM DOS MAIS BELOS TEXTOS QUE JÁ LI

Resolvi homenagear às mães com esse texto que considero uma das mais belas páginas já escritas pela inteligência humana. Neste azo, quero cumprimentar a minha adorável mãe Terezinha Albuquerque e à minha esposa e companheira de todas as horas Marlúcia, mãe do meu bem mais precioso.
Retrato de Mãe
Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus; e pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo; que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com as forças todas da juventude; quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças; pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama, e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre ferido pelos ingratos; forte, entretanto estremece ao choro de uma criancinha, e, fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões; viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que so…

DICA DE LIVRO: JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones

Sempre tenho falado da importância do exercício da liderança, tanto na vida profissional, como pessoal. Como fruto dessa necessidade indico o livro JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones (Editora Sextante). A autora é consultora de marketing e conferencista de renome nos Estados Unidos. O livro trata sobre os princípios de liderança de Jesus Cristo e como podem eles ser aplicados no trabalho, gerando crescimento, harmonia e realização. Numa abordagem espirituosa, a autora compara Jesus a um empresário que montou uma equipe de 12 pessoas que estava longe de serem perfeitas, mas conseguiu treiná-las e motivá-las para cumprirem sua missão com sucesso. Nesse contexto, o livro mostra um modelo de gestão baseado em três categorias de forças: autodomínio, ação e relações. Entre as frases geniais do livro, destaco: "Esperar o tempo perfeito é uma grande desculpa e uma racionalização para se ficar parado e não fazer nada." (pág. 44); "Os líderes que compartilha…

DICA DE LIVRO: AUTO DA BARCA DO INFERNO, de Gil Vicente

Ainda da Coleção Clássicos Saraiva, indico para leitura a obra "O AUTO DA BARCA DO INFERNO", do humanista português Gil Vicente. Inicialmente destaco que Gil Vicente é um importante autor da literatura portuguesa e foi o fundadador do teatro em Portugal. Situada no limiar entre a Idade Média e o Renascimento, no período que ficou conhecido como Humanismo, entre os séculos XV-XVI, a obra vicentina é um atestado exemplar dessa transição de costumes e valores. Tendo temática de base religiosa, seu teatro consegue harmonizá-la com elementos profanos. "O auto da barca do inferno" é a obra mais famosa de Gil Vicente e um clássico do teatro de língua portuguesa. Seu tema central são as personagens que, mortas, são conduzidas à barca que as levará ao Inferno ou Paraíso. As cenas retratam o diálogo jocoso que cada um dos pecadores trava com o Anjo e com o Diabo. São muitas os personagens sociais que fazem parte do drama: Frade, Sapateiro, Fidalgo, Alcoviteira, Enfocado e ou…