Pular para o conteúdo principal

"Ganhar & perder", por Roberto DaMatta



“Se busco justificativa para a vitória, estou diante do enorme espelho da derrota — essa cunhada da frustração e da insegurança. Diante de racionalizações repressoras que culpam os outros, vejo-me obrigado a topar com a realidade.”

A mensagem continua:

“Tem sido assim, meu amigo, com todas as minhas perdas. O coração fica apertado, a pressão arterial sobe, as mãos tremem e da boca aberta pelo susto e pela insegurança, saem palavras impublicáveis. Indignas de serem ouvidas.”
_____
Abandono a leitura da mensagem para refletir sobre o resultado eleitoral.
É claro que há teatro numa disputa eleitoral; é óbvio que há uma espetacularização da política, mas política não é circo ou peça teatral. Ademais, uma eleição fala de propostas gerais, mas ela é um drama personalizado por candidatos. De gente como nós que, em geral, ri e chora como ocorre conosco. Não é fácil perder uma disputa tão personalizada.

O mesmo ocorre nos jogos coletivos, como o futebol, que promove culpabilidades absurdas. Mas, quando se trata de uma modalidade individual — digamos, uma luta de boxe, ou uma prova de natação —, o atleta torna-se maior do que ele próprio. Ele é um ser humano e, ao mesmo tempo, é o nosso país. Quando perde, todo o seu ser é envolvido. Do mesmo modo que numa eleição a onipotência do ganhador é inflacionada.
_____
Volto a ler a mensagem recebida nestas 9 horas de domingo:

“Esperança é vitória em potencial, já que sobreviver é vencer. Já a perda leva à paralisia. É como bater de frente num muro. Quando ganhamos, andamos com mais determinação; já a derrota obriga a uma parada. De repente o sorvete sumiu; o relógio foi roubado; uma perna foi quebrada. Daqui por diante, vou ter que viver com a perda.”
_____
Volto a pensar na vitória do PT. E, como sou um democrata, estou tomando meu remédio que consiste em escrever.

O maior aprendizado da democracia é aprender a perder. Vitória e derrota são as duas faces de uma mesma moeda. Num sistema igualitário, a vitória tem que ser admitida sem ressentimentos. Numa competição presidencial não há, diferentemente do mercado, lugar para muitos. Só o vencedor ocupa o papel porque, nas democracias, são os papéis políticos que estão em jogo, não as pessoas. Embora, conforme sabemos, as pessoas sejam importantes. Devemos honrar as nossas vitórias e abraçar as nossas derrotas. Sem elas, não saberíamos o que é dormir pensando no que poderíamos ter feito, mas não fizemos; e acordar para construir outros caminhos.

Quando eu era menino, chorava quando meu time perdia. Hoje sou um frustrado eleitoral. 

Assim que soube da vitória da presidente Dilma, pensei no poder da realidade. Esse real que não é um cão fiel à nossa vontade. Esse real que muitas vezes parece estar contra nós. Thomas Mann dizia: a realidade é desapaixonada exatamente na sua qualidade de realidade. Somos apaixonados, mas o mundo não nos segue; ou melhor: ele nem sempre concorda em ficar sincronizado com os nossos desejos.
_____
Escrevo no domingo, e, justo quando o meu candidato perde a eleição para presidente, recebi uma mensagem do meu amigo, o professor e grande brasilianista Richard Moneygrand, falando o que transcrevi acima sobre perder e ganhar: essa oscilação duríssima que faz parte da vida.

Eu sou puxado pela política; meu amigo, porém, escreve motivado por seu último divórcio. Dick é um veterano em divórcios, mas esse foi o mais desgastante. A ex-esposa, a linda Baby Braz, levou-lhe dinheiro e uma mansão comprada duas vezes. E, para culminar decepções, Moneygrand flagrou-a num hotel de Chicago com sua amante — uma jovem e brilhante professora de literatura russa.

Moneygrand tem uma enorme consciência de que estamos aqui em parte como bonecos sem rumo e em parte como atores sem papéis, mas a constatação do adultério, com a cumplicidade de grande parte daqueles em quem confiava e que viviam na sua própria casa e no lado nordeste e norte do seu bairro, foi desoladora. “Fui traído pelos meus irmãos”, repetiu na sua triste missiva.

“Nada pode ser mais cruel do que ver a mulher amada nos braços de um amante feminino. Sobretudo quando se estava convencido de que ela seria menos ingênua. Mas quem é que manda no coração? E como entender sem mágoa que as pessoas têm opiniões e tomam partido? Por acaso, você também não é assim?”

A linda Baby Braz o traiu com uma mulher. “Mas, conforme descobri — conforta-se Moneygrand no final da mensagem —, soube que ela atraiçoa todos os seus amores. 
Sobretudo os mais apaixonados. Muitas, muitas vezes.”

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HOMENAGEM ÀS MÃES: UM DOS MAIS BELOS TEXTOS QUE JÁ LI

Resolvi homenagear às mães com esse texto que considero uma das mais belas páginas já escritas pela inteligência humana. Neste azo, quero cumprimentar a minha adorável mãe Terezinha Albuquerque e à minha esposa e companheira de todas as horas Marlúcia, mãe do meu bem mais precioso.
Retrato de Mãe
Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus; e pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo; que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com as forças todas da juventude; quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças; pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama, e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre ferido pelos ingratos; forte, entretanto estremece ao choro de uma criancinha, e, fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões; viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que so…

DICA DE LIVRO: JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones

Sempre tenho falado da importância do exercício da liderança, tanto na vida profissional, como pessoal. Como fruto dessa necessidade indico o livro JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones (Editora Sextante). A autora é consultora de marketing e conferencista de renome nos Estados Unidos. O livro trata sobre os princípios de liderança de Jesus Cristo e como podem eles ser aplicados no trabalho, gerando crescimento, harmonia e realização. Numa abordagem espirituosa, a autora compara Jesus a um empresário que montou uma equipe de 12 pessoas que estava longe de serem perfeitas, mas conseguiu treiná-las e motivá-las para cumprirem sua missão com sucesso. Nesse contexto, o livro mostra um modelo de gestão baseado em três categorias de forças: autodomínio, ação e relações. Entre as frases geniais do livro, destaco: "Esperar o tempo perfeito é uma grande desculpa e uma racionalização para se ficar parado e não fazer nada." (pág. 44); "Os líderes que compartilha…

DICA DE LIVRO: AUTO DA BARCA DO INFERNO, de Gil Vicente

Ainda da Coleção Clássicos Saraiva, indico para leitura a obra "O AUTO DA BARCA DO INFERNO", do humanista português Gil Vicente. Inicialmente destaco que Gil Vicente é um importante autor da literatura portuguesa e foi o fundadador do teatro em Portugal. Situada no limiar entre a Idade Média e o Renascimento, no período que ficou conhecido como Humanismo, entre os séculos XV-XVI, a obra vicentina é um atestado exemplar dessa transição de costumes e valores. Tendo temática de base religiosa, seu teatro consegue harmonizá-la com elementos profanos. "O auto da barca do inferno" é a obra mais famosa de Gil Vicente e um clássico do teatro de língua portuguesa. Seu tema central são as personagens que, mortas, são conduzidas à barca que as levará ao Inferno ou Paraíso. As cenas retratam o diálogo jocoso que cada um dos pecadores trava com o Anjo e com o Diabo. São muitas os personagens sociais que fazem parte do drama: Frade, Sapateiro, Fidalgo, Alcoviteira, Enfocado e ou…