Pular para o conteúdo principal

O furacão Marina, por Ricardo Noblat


Ventania não é. Ciclone? Tampouco.
Está mais para furacão a recém-lançada candidatura de Marina Silva a presidente da República no lugar da candidatura de Eduardo Campos, do PSB. O que precisa ser confirmado é se estamos diante um furacão de nível 1, 2, 3, 4 ou 5.
Por ora, ele parece ter força suficiente para fazer de Aécio Neves, candidato do PSDB, sua primeira grande vítima. E assustar Dilma.
Há duas semanas que Marina ocupa sozinha a boca do palco da sucessão. Os holofotes convergem para ela. Aécio e Dilma viraram meros coadjuvantes.
Na primeira semana, Marina se impôs como candidata natural do PSB e dos partidos nanicos que Eduardo conseguira atrair para seu lado. Na segunda, dedicou-se a sossegar os espíritos mais inquietos com o risco de uma eventual vitória sua sobre Dilma.
Amiga de Marina e porta-voz dela junto ao mercado financeiro, a herdeira do Banco Itaú, Neca Setúbal, garantiu que a candidata, se eleita, respeitará os fundamentos da política econômica herdada por Lula de Fernando Henrique.
Marina preferiu falar ao mundo político. Disse que governará só por quatro anos. E prometeu fazê-lo com as melhores cabeças do país. Citou José Serra, candidato ao PSDB ao Senado, como uma delas. Acenou com um governo de união nacional.
A força do furacão chamado Marina há uma semana pelo Instituto Datafolha. Na pesquisa de intenção de voto, ela empatou com Aécio. Na simulação de segundo turno, derrotou Dilma.
Para os que imaginam que a ascensão relâmpago de Marina se alimenta principalmente da comoção derivada da morte de Eduardo, pesquisas a serem divulgadas nos próximos dias provarão que não é bem assim.
Tudo indica que Marina abriu uma vantagem confortável sobre Aécio e tomou votos de Dilma. Amanhã, dia de mais uma pesquisa Ibope encomendada pela TV Globo e o jornal O Estado de S. Paulo, ela participará do primeiro debate entre os candidatos a presidente promovido pela TV Bandeirantes.
Na quarta-feira, será entrevistada durante 15 minutos pelo Jornal Nacional. No dia seguinte, anunciará seu programa de governo.
Nova pesquisa do Datafolha virá à luz na sexta-feira. A superexposição de Marina refletirá nos seus resultados. 
Havia dúvida sobre quem logo acusaria os estragos provocados pelo furacão – Aécio ou Dilma? Aécio piscou primeiro. Anteontem, apresentou-se como a opção mais segura de mudança. E bateu de leve em Marina. Os bons modos, em breve, serão arquivados.
Líderes do PT dizem que Dilma prefere enfrentar Aécio no segundo turno que é para a gente pensar que ela prefere enfrentar Marina, mas na verdade Dilma torce para encarar Aécio.
Primeiro porque o PSDB é freguês do PT há três eleições presidenciais. Segundo porque eleitor do PSDB votará em Marina para derrotar Dilma. O eleitor de Marina não votaria necessariamente em Aécio. Elementar, meus caros leitores.
Aécio é o velho travestido de novo. Marina, o novo se comparado com tudo isso que está aí. O futuro preocupa Marina. O passado assombra Dilma.
Paulo Roberto da Costa, ex-diretor da Petrobras preso desde junho, admite abrir as comportas para que escorra o mar de lama capaz de afogar a empresa. O desarranjo da economia tende a se agravar. Dilma não gostaria de voltar a ser Lula dependente para se eleger. Mas fazer o quê?
Salvo se o acaso fizer uma surpresa, esta eleição ganhou com Marina um toque de imprevisibilidade que antes não tinha com Eduardo. Para quem aprecia fortes sabores, poderá vir a ser um prato e tanto.

Marina Silva – Foto: Divulgação

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HOMENAGEM ÀS MÃES: UM DOS MAIS BELOS TEXTOS QUE JÁ LI

Resolvi homenagear às mães com esse texto que considero uma das mais belas páginas já escritas pela inteligência humana. Neste azo, quero cumprimentar a minha adorável mãe Terezinha Albuquerque e à minha esposa e companheira de todas as horas Marlúcia, mãe do meu bem mais precioso.
Retrato de Mãe
Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus; e pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo; que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com as forças todas da juventude; quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças; pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama, e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre ferido pelos ingratos; forte, entretanto estremece ao choro de uma criancinha, e, fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões; viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que so…

DICA DE LIVRO: JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones

Sempre tenho falado da importância do exercício da liderança, tanto na vida profissional, como pessoal. Como fruto dessa necessidade indico o livro JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones (Editora Sextante). A autora é consultora de marketing e conferencista de renome nos Estados Unidos. O livro trata sobre os princípios de liderança de Jesus Cristo e como podem eles ser aplicados no trabalho, gerando crescimento, harmonia e realização. Numa abordagem espirituosa, a autora compara Jesus a um empresário que montou uma equipe de 12 pessoas que estava longe de serem perfeitas, mas conseguiu treiná-las e motivá-las para cumprirem sua missão com sucesso. Nesse contexto, o livro mostra um modelo de gestão baseado em três categorias de forças: autodomínio, ação e relações. Entre as frases geniais do livro, destaco: "Esperar o tempo perfeito é uma grande desculpa e uma racionalização para se ficar parado e não fazer nada." (pág. 44); "Os líderes que compartilha…

DICA DE LIVRO: AUTO DA BARCA DO INFERNO, de Gil Vicente

Ainda da Coleção Clássicos Saraiva, indico para leitura a obra "O AUTO DA BARCA DO INFERNO", do humanista português Gil Vicente. Inicialmente destaco que Gil Vicente é um importante autor da literatura portuguesa e foi o fundadador do teatro em Portugal. Situada no limiar entre a Idade Média e o Renascimento, no período que ficou conhecido como Humanismo, entre os séculos XV-XVI, a obra vicentina é um atestado exemplar dessa transição de costumes e valores. Tendo temática de base religiosa, seu teatro consegue harmonizá-la com elementos profanos. "O auto da barca do inferno" é a obra mais famosa de Gil Vicente e um clássico do teatro de língua portuguesa. Seu tema central são as personagens que, mortas, são conduzidas à barca que as levará ao Inferno ou Paraíso. As cenas retratam o diálogo jocoso que cada um dos pecadores trava com o Anjo e com o Diabo. São muitas os personagens sociais que fazem parte do drama: Frade, Sapateiro, Fidalgo, Alcoviteira, Enfocado e ou…