sexta-feira, 22 de agosto de 2014

NA ÓTICA DE MERVAL PEREIRA, UMA ANÁLISE SOBRE AS ELEIÇÕES 2014


"Esta sem dúvida será uma eleição diferente das demais. Estamos vendo se configurarem duas polarizações, uma, a tradicional, entre PT e PSDB. Outra, uma novidade, entre a autointitulada "nova política" e a política tradicional, que se esboçou em 2010 mas chega madura à eleição deste ano, com a mesma protagonista, Marina Silva, disputando espaço prioritariamente com o mesmo partido, o PSDB, para enfrentar o PT, de onde veio e que está no governo há doze anos, sendo que praticamente oito deles tendo em Marina uma de suas estrelas.
É de se notar que as polarizações se colocam entre partidos, mas não no caso de Marina, uma liderança individualista que tanto faz estar no Partido Verde, como em 2010, ou no PSB agora, sempre terá que ocupar todo espaço de comando, como se já estivesse na sua própria Rede, criada a sua imagem e semelhança, até mesmo na incapacidade de organização demonstrada ao não obter o registro a tempo e hora de disputar a eleição presidencial, o que só conseguiu graças à "providência divina".
É claro que houve um excesso de zelo provocado por interesses políticos dos tribunais eleitorais, notadamente o da região do ABC, área de influência de Lula, para barrar Marina logo na largada. Mas se a sua Rede tivesse sido menos amadora no recolhimento de assinaturas e mais profissional nos cuidados jurídicos, não teria dado pretextos para a impugnação.
A saída de cena de Carlos Siqueira, coordenador da campanha de Eduardo Campos, um quadro político de peso do PSB, mostra bem que a transição de candidaturas não se processou de maneira amena, e se falta a intermediação de Eduardo Campos, não haverá sintonia entre Rede e PSB.
O fato é que Marina Silva entrou no páreo do tamanho que saiu em 2010 e, ao contrário do que muitos supunham, inclusive eu, parece ter espaço para crescer em meio a uma campanha que, diferente da anterior, busca um candidato que personifique o desejo de mudança registrado pelas pesquisas eleitorais.
Enquanto estava no páreo Eduardo Campos, o candidato do PSDB Aécio Neves parecia o mais capacitado para a função. Semelhantes em tudo, o tucano tinha a vantagem da estrutura partidária e dos alianças, mesmo informais, com diversos partidos da base governista.
A chegada de Marina adicionou uma carga de emoção nessa polarização que, pelo menos no primeiro momento, a favorece. É interessante notar que mesmo com a melhora da avaliação de seu governo, a presidente Dilma não cresceu nas pesquisas, o que mostra que acrescentar novas adesões aos seus eleitores é uma tarefa mais difícil do que se supunha até pouco tempo atrás. 
Os sucessivos escândalos parecem não dar margens a um respiro, como aconteceu agora com sua melhor amiga e presidente da Petrobrás, Graça Forster, que andou transferindo imóveis para parentes antes que o TCU lançasse mão do bloqueio de bens dos diretores acusados de culpa na compra da refinaria de Pasadena.
O fato de o responsável pelo relatório "falho tecnicamente", Nestor Cerveró, ter feito o mesmo e ter sido treinado na sala contígua à da presidência da Petrobras para sua performance na CPI da Petrobras, com direito a receber o gabarito correto das perguntas com antecedência, só reforça a percepção de que se trata de uma ação entre amigos, contra os contribuintes.
Marina encontra no ambiente político atual o terreno fértil para levar sua anticandidatura adiante, mas precisa mais que isso para chegar lá. O interessante é que Marina parece jogar todas as suas fichas na ação política independente dos partidos, enquanto cada vez mais Aécio e Dilma jogam o jogo político tradicional, que já lhes deu mais tempo de propaganda eleitoral do que ao PSB e amplia os palanques estaduais, especialmente os do PSDB, com dissidências das candidaturas de PT e PSB. 
A síntese dessas duas políticas era encarnada por Eduardo Campos, que começou a campanha muito próximo a Aécio Neves e se inclinava para o radicalismo de Marina, mas com nuances que lhe permitiriam usar a máquina do governador Geraldo Alckmin em São Paulo, por exemplo.
Na política tradicional, é Aécio Neves quem sai em vantagem nesse momento de polarizações diversas, agregando apoios em estados cruciais como os do nordeste. Mas, a valerem os números de 2010, Marina tem por conta própria votações respeitáveis em capitais como Belo Horizonte, Rio, São Paulo, e no Distrito Federal, o que lhe dá capital político para rejeitar apoios indesejáveis.
Nesses locais, também, atinge o eleitorado onde Aécio Neves pretendia crescer, além do fato de que o perfil dos votantes dos dois é semelhante em quase tudo - idade, escolaridade, nível de renda. Menos no entendimento do que seja a política. E aí está a chave do desempate que levará um dos dois para o segundo turno."
(o gLOBO)

Nenhum comentário:

Postar um comentário