Pular para o conteúdo principal

Cartas de Berlim: As lições das praias alemãs, por Albert Steinberger


Para fugir do calor que tem atingido Berlim neste verão europeu nada melhor do que aproveitar os lagos que cercam a cidade. São mais de trezentos deles e tem para todos os gostos. Desde lagos reservados para naturistas até aqueles lotados por crianças em período de férias escolares.

A coisa é tão badalada que no outro dia fomos dar um mergulho num deles, o Plötzensee, depois de uma sessão de cinema ao ar livre em um parque. Era por volta de meia noite e meia de um domingo e o lago estava cheio de pessoas, assando uma carne e aproveitando o verão.
Eu já baixei uma lista dos lagos que ainda quero visitar nesta temporada. Cada um com uma praia bem diferente da outra.
Não pude deixar de me lembrar dos meus tempos de infância em que praia era um sinônimo de felicidade. E nas praias do Rio bom mesmo era comer biscoito Globo e chupar um picolé Chicabom. Quem trazia comida de casa era taxado sumariamente de farofeiro. Tinha uma certa pressão social de comportamento. Não se encaixar podia significar ser zoado infinitamente pelos amigos.
A moda da época, se não me engano, era o bermudão. No verão seguinte foi o sungão, depois a bermuda voltou. Eu nunca entendi muito bem aquela alternância da moda praia.
Aqui em Berlim, encontra-se de tudo. Desde shorts, calções de futebol, bermudões e sungas. Gente esquisita, pimentões, malucos e banguelas. Ninguém fica com aquele olhar de repúdio para quem está fora da moda. E sobram maios e biquinis das mais variadas formas e corpos dos mais variados formatos e tamanhos. Ninguém está nem aí.
Tinha até um casal no outro dia num outro lago, o Orankensee, ele de cueca e ela de calcinha. Problema? Por aqui, nenhum. Cada um curte a praia do seu jeito. E eu tenho que confessar que independentemente de sunga ou bermuda, sempre levo a minha marmitinha. Se um dos meus amigos de praia dos tempos do Rio me encontrassem por aqui, iam logo pensar: "lá vai o farofeiro". Tá aí uma lição que aprendi por aqui, não ligar para o que os outros vão dizer.

Lago Plötzensee, Berlim 

Albert Steinberger é repórter freelancer, ciclista e curioso. Formado em Jornalismo pela UnB, fez um mestrado em Jornalismo de Televisão na Golsmiths College, University of London. Atualmente, mora em Berlim de onde trabalha como repórter multimídia para jornais, sites e TVs. Escreve qui todas as terças-feiras.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DESEMBARGADOR PAULO ALBUQUERQUE É DESTAQUE NO JUDICIÁRIO CEARENSE

O Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará, Des. Francisco Glaydson Pontes, nomeou o massapeense, Desembargador Paulo Albuquerque, como membro efetivo da Comissão de Regimento, Legislação e Jurisprudência da Egrégia Corte de Justiça do nosso Estado. Apesar do pouco tempo no exercício da magistratura do 2º Grau, o massapeense Paulo Albuquerque vem sendo reconhecido pelos seus pares como um magistrado dotado de probidade, talento e capacidade de gestão. A produtividade de seu gabinete é destaque na justiça cearense. PARABÉNS !!!

HOMENAGEM ÀS MÃES: UM DOS MAIS BELOS TEXTOS QUE JÁ LI

Resolvi homenagear às mães com esse texto que considero uma das mais belas páginas já escritas pela inteligência humana. Neste azo, quero cumprimentar a minha adorável mãe Terezinha Albuquerque e à minha esposa e companheira de todas as horas Marlúcia, mãe do meu bem mais precioso.
Retrato de Mãe
Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus; e pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo; que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com as forças todas da juventude; quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças; pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama, e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre ferido pelos ingratos; forte, entretanto estremece ao choro de uma criancinha, e, fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões; viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que so…

CANALHICE DO SISTEMA POLÍTICO: OTÁRIO É O POVO BRASILEIRO!