Pular para o conteúdo principal

A riqueza das dinastias, por Paul Krugman

"Várias pessoas me pediram para comentar a recente defesa da riqueza herdada feita por Greg Mankiw no New York Times. É um artigo estranho, estranhamente desconectado das preocupações reais sobre o capitalismo patrimonial. Mas deixem-me enfocar dois problemas-chave na análise de Mankiw, um puramente econômico, outro envolvendo a economia política.
Várias pessoas me pediram para comentar a recente defesa da riqueza herdada feita por Greg Mankiw no New York Times. É um artigo estranho, estranhamente desconectado das preocupações reais sobre o capitalismo patrimonial. Mas deixem-me enfocar dois problemas-chave na análise de Mankiw, um puramente econômico, outro envolvendo a economia política.
"Ele afirma que o acúmulo de riqueza dinástica é bom para todo mundo, porque aumenta o estoque de capital e, portanto, se transfere aos poucos para os trabalhadores na forma de maiores salários. Este é um bom argumento?
Bem, se há uma coisa que eu pensei que os economistas fossem treinados para fazer é serem claros sobre o custo de oportunidade. Deveríamos comparar o acúmulo de riqueza dinástica com algum uso de recursos alternativo, e não assumir, como Mankiw realmente faz, que, se não for transmitida para herdeiros, essa riqueza simplesmente desaparecerá. Talvez ele esteja supondo que a alternativa seria uma vida desregrada das pessoas atualmente ricas, mas essa não é uma alternativa política.
Na verdade, estamos realmente falando aqui da taxação da riqueza, e a questão é o que aconteceria com essa receita versus o que acontece se os ricos puderem guardar o dinheiro. Se o governo usar a receita extra para reduzir os déficits, então toda ela é salva, em oposição a apenas parte dela se for passada para os herdeiros. Se o governo usar a receita para pagar por seguridade social e/ou bens públicos, é provável que forneça muito mais benefícios para os trabalhadores do que a transferência paulatina do capital aumentado.
Os defensores só podem justificar a alegação de Mankiw de que a riqueza herdada é necessariamente boa para os trabalhadores, insistindo que o governo não faria nada útil com a receita dos impostos sobre heranças. Eu chamaria isso de assumir suas conclusões; em todo caso, é uma alegação que merece ser feita abertamente, e não contrabandeada sob a pretensão de que ele está apenas fazendo análise econômica."
Revista Carta Capital 
Leia o artigo na íntegra, pelo link: http://www.cartacapital.com.br/revista/807/a-riqueza-das-dinastias-8318.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HOMENAGEM ÀS MÃES: UM DOS MAIS BELOS TEXTOS QUE JÁ LI

Resolvi homenagear às mães com esse texto que considero uma das mais belas páginas já escritas pela inteligência humana. Neste azo, quero cumprimentar a minha adorável mãe Terezinha Albuquerque e à minha esposa e companheira de todas as horas Marlúcia, mãe do meu bem mais precioso.
Retrato de Mãe
Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus; e pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo; que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com as forças todas da juventude; quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças; pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama, e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre ferido pelos ingratos; forte, entretanto estremece ao choro de uma criancinha, e, fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões; viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que so…

DICA DE LIVRO: AUTO DA BARCA DO INFERNO, de Gil Vicente

Ainda da Coleção Clássicos Saraiva, indico para leitura a obra "O AUTO DA BARCA DO INFERNO", do humanista português Gil Vicente. Inicialmente destaco que Gil Vicente é um importante autor da literatura portuguesa e foi o fundadador do teatro em Portugal. Situada no limiar entre a Idade Média e o Renascimento, no período que ficou conhecido como Humanismo, entre os séculos XV-XVI, a obra vicentina é um atestado exemplar dessa transição de costumes e valores. Tendo temática de base religiosa, seu teatro consegue harmonizá-la com elementos profanos. "O auto da barca do inferno" é a obra mais famosa de Gil Vicente e um clássico do teatro de língua portuguesa. Seu tema central são as personagens que, mortas, são conduzidas à barca que as levará ao Inferno ou Paraíso. As cenas retratam o diálogo jocoso que cada um dos pecadores trava com o Anjo e com o Diabo. São muitas os personagens sociais que fazem parte do drama: Frade, Sapateiro, Fidalgo, Alcoviteira, Enfocado e ou…

DICA DE LIVRO: JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones

Sempre tenho falado da importância do exercício da liderança, tanto na vida profissional, como pessoal. Como fruto dessa necessidade indico o livro JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones (Editora Sextante). A autora é consultora de marketing e conferencista de renome nos Estados Unidos. O livro trata sobre os princípios de liderança de Jesus Cristo e como podem eles ser aplicados no trabalho, gerando crescimento, harmonia e realização. Numa abordagem espirituosa, a autora compara Jesus a um empresário que montou uma equipe de 12 pessoas que estava longe de serem perfeitas, mas conseguiu treiná-las e motivá-las para cumprirem sua missão com sucesso. Nesse contexto, o livro mostra um modelo de gestão baseado em três categorias de forças: autodomínio, ação e relações. Entre as frases geniais do livro, destaco: "Esperar o tempo perfeito é uma grande desculpa e uma racionalização para se ficar parado e não fazer nada." (pág. 44); "Os líderes que compartilha…