Pular para o conteúdo principal

POR QUE MEU PATRÃO NÃO RECONHECE O MEU TRABALHO????





Muitas vezes na vida corporativa escutamos empregados justificarem a ausência de atitude ou de inovação com a seguinte frase: “ Tenho excelentes projetos mas não vou colocá-los em prática porque estou desestimulado uma vez que o meu patrão nunca reconhece o meu trabalho”. Devo confessar-lhe que se trata de uma frase infeliz, egoísta, vetusta e retrógrada. Não tenha dúvida  de que o profissional que pensa assim caminha a passos largos para tornar-se um “desempregado crônico”.

Na sabedoria popular aprendemos que “cada qual no seu cada qual”. Embora pareça ser uma máxima individualista em se tratando da divisão de funções, todavia o raciocínio é perfeito. Faço o que me cabe no contrato e se cada um agir assim prevalecerá a universalidade. E o que me cabe numa relação de trabalho? Ser firme no compromisso com a causa que eu abracei e me propus a fazer. Pensando assim, vou compreender que o destinatário do meu trabalho não é o meu “patrão”, mas sim os meus “clientes”, a “sociedade” “as pessoas que nele confiam”.

Aqui não estou a dizer que não seja missão do patrão incentivar seus colaboradores, tratá-los com a urbanidade necessária e proporcioná-los o ambiente e os instrumentos imprescindíveis para o êxito na atividade laborativa. Mas repito: Essa é a missão do “patrão”. Se ele assim não agir terá um custo futuro podendo levá-lo à falência. Entretanto, não compete ao empregado deixar de realizar a “sua missão”, aquela que lhe foi confiada,  em razão do “patrão” não agir com deveria agir. Afinal, não é o patrão que deve dirigir a ação nem a atitude  do empregado. Na verdade, a ação do “empregado” é dirigida pelos seus valores, pelas suas convicções, pelo seu compromisso com ele próprio e com  a sociedade.

Tenho sempre dito que fazemos parte de uma teia indivisível que nos une uns aos outros. E como cristãos sabemos que a  missão do trabalhador não termina no final do mês quando recebe o seu salário. Estamos aqui, na verdade, para construir pontes, abrir diálogos, nos realizar como pessoas e fazer com que a nossa passagem terrena seja sempre lembrada por aqueles com quem convivemos e amamos, mesmo quando as adversidades bateram em nossa porta.

Esta  pseudo máxima de que o meu trabalho será proporcional ao reconhecimento do patrão é de fato repugnante por demonstrar egocentrismo, imaturidade profissional e insensibilidade social. Se não estou satisfeito na empresa onde trabalho devo ter a grandeza e a dignidade de pedir o meu desligamento. Esse é um direito inalienável do trabalhador. Todavia, se eu lá ficar devo saber que os meus clientes não podem ser reféns do meu descontentamento, das minhas frustrações e da minha falta de profissionalismo.

Mas antes de tomar atitude tão drástica, se questione? Não sou reconhecido pelo meu patrão porque ele ignora os meus esforços ou o meu trabalho não tem produzido o impacto suficiente para ser percebido? Fica a dica!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HOMENAGEM ÀS MÃES: UM DOS MAIS BELOS TEXTOS QUE JÁ LI

Resolvi homenagear às mães com esse texto que considero uma das mais belas páginas já escritas pela inteligência humana. Neste azo, quero cumprimentar a minha adorável mãe Terezinha Albuquerque e à minha esposa e companheira de todas as horas Marlúcia, mãe do meu bem mais precioso.
Retrato de Mãe
Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus; e pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo; que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com as forças todas da juventude; quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças; pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama, e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre ferido pelos ingratos; forte, entretanto estremece ao choro de uma criancinha, e, fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões; viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que so…

DICA DE LIVRO: JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones

Sempre tenho falado da importância do exercício da liderança, tanto na vida profissional, como pessoal. Como fruto dessa necessidade indico o livro JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones (Editora Sextante). A autora é consultora de marketing e conferencista de renome nos Estados Unidos. O livro trata sobre os princípios de liderança de Jesus Cristo e como podem eles ser aplicados no trabalho, gerando crescimento, harmonia e realização. Numa abordagem espirituosa, a autora compara Jesus a um empresário que montou uma equipe de 12 pessoas que estava longe de serem perfeitas, mas conseguiu treiná-las e motivá-las para cumprirem sua missão com sucesso. Nesse contexto, o livro mostra um modelo de gestão baseado em três categorias de forças: autodomínio, ação e relações. Entre as frases geniais do livro, destaco: "Esperar o tempo perfeito é uma grande desculpa e uma racionalização para se ficar parado e não fazer nada." (pág. 44); "Os líderes que compartilha…

CORPUS CHRISTI: MOMENTO DE REFLEXÃO

A celebração deste dia santo nos promove uma reflexão sobre a importância da presença de Cristo na Eucarestia. Para nós cristãos, a festa de Corpus Christi é o encontro com a memória do nosso Salvador. Nele encontramos a instância daquele que protege, que ama incondicionalmente, que veio com a nobre missão de resgatar a humanidade do pecado. Anos muitos se passaram e  hoje assistimos, pasmos, à dilaceração dos valores morais, à perda da unidade familiar, à violência grassando incólume. O que devemos fazer??? O mundo do relativismo, apregoado a uma  visão horizontalista e cartesiana, distanciou o homem dos ideais mais nobres - servir à humanidade. A Visão capitalista sepultou as bandeiras da solidariedade, desta teia que liga todos nós,  e avançou na defesa do "Ter" sempre mais. Nem que isso custe a própria dignidade. Em Cristo encontramos uma outra visão: "Eu venci o mundo". Cristo foi muito além e nos deixou uma mensagem de amor ao próximo e, princi…