quinta-feira, 12 de julho de 2012

SUCESSO: ANDE UM METRO A MAIS E FAÇA A DIFERENÇA

Tenho dito sempre neste espaço a necessidade que cada um tem de construir uma imagem pessoal sustentável com o propósito de ser bem sucedido profissionalmente. Não há maior anseio na nossa vida laborativa do que ter nosso trabalho reconhecido e, principalmente, saber que a nossa conduta serve de parâmetro e referência para os colegas de trabalho.
Até chegarmos a esse ponto, muito nos é exigido. Ninguém cria uma boa imagem da noite para o dia, ninguém constroi uma história em um passe de mágica. Tudo requer esforço, disciplina e renúncia. Atingir a excelência é um exercício dinâmico, permanente e ininterrupto. Se imaginamos que aquilo que sabemos é o suficiente ou o que fazemos é a perfeição pura, corremos o grave risco de enveredar pela zona de conforto. E lá chegando, dificilmente saíremos. Como resultado dessa petrificação de conduta, tornamo-nos um profissional obsoleto, facilmente descartável pelo mercado.
Sempre digo: Ande um metro mais. Vá além do que pode. Desafie seus limites. Parece até retórica de livro de auto-ajuda, mas na verdade é manual de sobrevivência. O mercado está lá com um triturador ligado, esperando sucumbir aqueles que não se importaram em perceber que aquilo que os mantêm vivos profissionalmente é a singularidade, que deve ser transformada todos os dias em um jeito novo de “agir”, de “criar” e de “ser”.
É preciso superar a tendência à inércia, à aceitação resignada, aquele velho bordão de adiar as coisas para o dia seguinte: Depois do carnaval começa a academia, depois da Semana Santa começa o curso de inglês. E haja promessas que se perderão pelo meio do caminho, deixando um rastro de impotência e frustração. E o que é pior: Você se torna uma pessoa desacreditada. No dia que surgir com uma ideia nova, os colegas dirão que é mais uma que foi criada para se perder no nada.
Por isso levo comigo os versos de Vandré “Quem sabe faz a hora, não espera acontecer”. O tempo é bastante agressivo e não espera por ninguém. Está mais do que na hora de você começar a enxergar a vida não apenas pelo “querer” mas sim pelo “fazer”. Atire-se com garra e determinação em seus projetos pessoais. Se não os têm, construa urgentemente, pois o que lhe faz permanecer vivo não é o sangue que corre em suas veias, mas sim os seus sonhos. Afinal, não vale a pena viver uma vida morna, alicerçada no comodismo. Somos, no meio de mais de 6 bilhões de homens e mulheres, únicos. Isso nos concita a escrever uma história diferente!Avante, à luta!

Nenhum comentário:

Postar um comentário