Pular para o conteúdo principal

LEI DURA NÃO COMBATE VIOLÊNCIA

Deparo-me muitas vezes em sala de aula com meus alunos do Direito Penal discutindo sobre a inflação legislativa no nosso ordenamento pátrio. O senso comum nos leva a crer que se as leis se tornarem mais duras iremos aplacar o crescimento da violência. Na verdade, há uma falsa impressão  de que se combate violência com lei dura.
Os exemplos de outros países, muitos deles que adotam a pena de morte, mostram-nos que essa equação “lei dura – redução da violência “ não encontra sustentação nos números estatísticos, os quais ao contrário revelam que em muitos estados americanos, por exemplo, a adoção da pena capital em nada implicou na redução de mortes por homicídio. 
Uma constatação simples: o deliquente não consulta o código penal antes de cometer um crime, muito menos se preocupa com o preceito secundário do tipo. Isso nos permite, por ilação, verificar que aumentar a carga punitiva ou criar novas leis por si só em nada afasta os números alarmantes de violência no país.
Esse raciocínio nos permite dizer que o combate da violência nos exige muito mais do que reprimir condutas. O que se deve levar em conta é que a violência não nasce por acaso, salvo situações excepcionais. Na maioria das vezes, para não dizer quase sempre, a prática da violência está associada à negação de direitos, à desestrutura familiar e ao processo de injusta exclusão social que é traço preponderante do nosso processo histórico. Pode parecer simplório tal afirmação, mas não é. A experiência de mais de 16 anos no judiciário me permitiu observar que adolescentes e jovens afeitos a práticas delituosas são quase sempre filhos de pais separados, de famílias destroçadas e, em sua grande maioria, pertencentes  à linha de pobreza, sem escolaridade regular.
A eles, na verdade, tudo foi negado e nada acrescentado. São vítimas de um mecanismo espoliador insidioso, que lhes privou da infância e do direito de sonhar. A história é quase sempre a mesma: São trapos humanos que se tornaram escória da sociedade. É inegável que nos é exigida a lucidez para compreender, salva raríssimas exceções, que ninguém comete um crime pela simples tendência à prática da maldade, com se lhe fosse índole peculiar. Não! Por trás de um criminoso há sempre uma história de dor, abandono, exploração e falta oportunidade.
Não quero aqui a falsa incompreensão de que pretendo proteger o criminoso ou justificar a sua conduta, apenas, a título de provocação, lançar luzes para um debate maior que perpassa necessária  e inadiavelmente pelo prisma da revisão histórica, o que impõe uma análise sociológica dos fatos com a criticidade que o tema exige. É cediço que a formação do nosso país foi marcada pela exploração estrangeira, deixando-nos uma herança escravocrata e atentatória do direitos mais elementares da pessoa humana.
Urge a adoção de políticas públicas efetivas voltadas à educação, não apenas na sua formalidade intrínseca, mas avançando pela transversalidade, trazendo à lume uma formação integral  da pessoa humana, desenvolvendo valores, aptidões, práticas empreendedoras que permitirão empregabilidade e sustentabilidade. Isto é:  À medida que  tornarmos as pessoas independentes,garantindo-lhes oportunidades e perspectivas para uma vida melhor, nenhuma delas será atraída para fosso da criminalidade. Isso sim vale a pena! Reflitamos!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HOMENAGEM ÀS MÃES: UM DOS MAIS BELOS TEXTOS QUE JÁ LI

Resolvi homenagear às mães com esse texto que considero uma das mais belas páginas já escritas pela inteligência humana. Neste azo, quero cumprimentar a minha adorável mãe Terezinha Albuquerque e à minha esposa e companheira de todas as horas Marlúcia, mãe do meu bem mais precioso.
Retrato de Mãe
Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus; e pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo; que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com as forças todas da juventude; quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças; pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama, e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre ferido pelos ingratos; forte, entretanto estremece ao choro de uma criancinha, e, fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões; viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que so…

DICA DE LIVRO: JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones

Sempre tenho falado da importância do exercício da liderança, tanto na vida profissional, como pessoal. Como fruto dessa necessidade indico o livro JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones (Editora Sextante). A autora é consultora de marketing e conferencista de renome nos Estados Unidos. O livro trata sobre os princípios de liderança de Jesus Cristo e como podem eles ser aplicados no trabalho, gerando crescimento, harmonia e realização. Numa abordagem espirituosa, a autora compara Jesus a um empresário que montou uma equipe de 12 pessoas que estava longe de serem perfeitas, mas conseguiu treiná-las e motivá-las para cumprirem sua missão com sucesso. Nesse contexto, o livro mostra um modelo de gestão baseado em três categorias de forças: autodomínio, ação e relações. Entre as frases geniais do livro, destaco: "Esperar o tempo perfeito é uma grande desculpa e uma racionalização para se ficar parado e não fazer nada." (pág. 44); "Os líderes que compartilha…

DICA DE LIVRO: AUTO DA BARCA DO INFERNO, de Gil Vicente

Ainda da Coleção Clássicos Saraiva, indico para leitura a obra "O AUTO DA BARCA DO INFERNO", do humanista português Gil Vicente. Inicialmente destaco que Gil Vicente é um importante autor da literatura portuguesa e foi o fundadador do teatro em Portugal. Situada no limiar entre a Idade Média e o Renascimento, no período que ficou conhecido como Humanismo, entre os séculos XV-XVI, a obra vicentina é um atestado exemplar dessa transição de costumes e valores. Tendo temática de base religiosa, seu teatro consegue harmonizá-la com elementos profanos. "O auto da barca do inferno" é a obra mais famosa de Gil Vicente e um clássico do teatro de língua portuguesa. Seu tema central são as personagens que, mortas, são conduzidas à barca que as levará ao Inferno ou Paraíso. As cenas retratam o diálogo jocoso que cada um dos pecadores trava com o Anjo e com o Diabo. São muitas os personagens sociais que fazem parte do drama: Frade, Sapateiro, Fidalgo, Alcoviteira, Enfocado e ou…