Pular para o conteúdo principal

DICA DE LIVRO: QUANDO COISAS RUINS ACONTECEM ÀS PESSOAS BOAS, de Harold Kushner

Quando a morte de um ente querido bate à nossa porta, a primeira pergunta que surge é: Por que isso aconteceu comigo? Em seguida, chega alguém e lhe diz: " Isso aconteceu porque Deus quis". Na verdade, atribuímos a Deus todas as coisas boas e ruins, inclusive os acontecimentos mais inesperados: doenças, mortes, terremotos. 
Partindo desse contexto, começo a tratar sobre o livro que indiquei: "Quando as coisas ruins acontecem às pessoas boas", do rabino Harold Kushne (editora Nobel). O autor passou por uma experiência dolorosa com o filho, que foi vítima de uma doença caracterizada pelo envelhecimento precoce, tendo falecido ainda na adolescência. Da dor, com toda sua magnitude, surgiram as "perguntas" que inicialmente abalaram sua crença: Como pode coisas ruins acontecerem às pessoas boas?  Por que minhas orações não foram atendidas?Onde estava Deus que ficou calado?
Avançando nessa trilha, o livro nos conduz a uma reflexão sobre o que de fato Deus pode operar em favor dos homens. Harold Kushner chega a essa conclusão: " As leis da natureza não abre exceções para os bons. E Deus não interfere nas leis da natureza a fim de proteger o justo do mal". E acrescenta: "A natureza é cega moralmente,sem valores." E por que Deus não intervém nesse processo? O autor arremata: "Para sermos livres , para sermos humanos Deus é obrigado a nos dar liberdade para o bem e para o mal. Deus se impôs um limite além do qual Ele não intervém, para preservar a nossa liberdade , inclusive a liberdade de nos machucarmos ou àqueles com os quais convivemos."
E então, por que coisas ruins acontecem a pessoas boas? Uma das razões, segundo o autor, é que nossa condição de seres humanos nos deixa livres para ferirmos uns aos outros, e Deus não pode deter-nos sem retirar-nos a liberdade que nos torna humanos. Daí se questiona a razão do holocausto nazista. Onde estava Deus?  O autor  propõe que Deus estava com as vítimas e não com os algozes, mas que Ele não controla a escolha do homem entre o bem e o mal. 
Outro aspecto que o livro repudia é o fato de o homem achar que se foi acometido por uma doença isso se deu em virtude de sua falta, ou de seu pecado. Nesse contexto, o autor afirma que "Se almejamos ser capazes de reunir os pedaços de nossa vida e continuar vivos, temos de deixar de lado o sentimento irracional de que somos culpados das desgraças, de que elas decorrem de erros ou mau comportamento de nossa parte. Realmente não temos todo esse poder. Nem tudo que acontece no mundo é obra nossa."E por termos a crença de que tudo acontece por vontade de Deus, por vezes ficamos com raiva Dele quando o Pai Celestial não impede que o mal bata em nossa porta. 
E aí surgem as questões mais intrigantes: Se  Deus não intervém nas doenças, nos terremotos e nas guerras, então por que nos cabe ORAR? Então por que acreditar em Deus? A essas indagações o autor nos faz refletir que Deus é que nos dá a força , a coragem e a paciência para enfrentarmos os golpes da vida (esse é o verdadeiro milagre). Arremata, ainda, que  "o principal objetivo da oração não é pedir a Deus para mudar as coisas." Então, por que  devemos orar ? " Porque a oração nos alimenta, nos faz superar as adversidades, nos faz dar sentido à dor. E por que então acreditar em Deus?  Porque Deus inspira as pessoas a ajudarem outras que foram feridas pela vida e, ao ajudá-las elas as protegem do perigo de sentirem sós, abandonadas e julgadas."
Embora o livro seja polêmico, vale a pena conferir com os olhos de que a verdade ainda deve ser buscada, embora o autor tenha a liberdade de propor a sua verdade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HOMENAGEM ÀS MÃES: UM DOS MAIS BELOS TEXTOS QUE JÁ LI

Resolvi homenagear às mães com esse texto que considero uma das mais belas páginas já escritas pela inteligência humana. Neste azo, quero cumprimentar a minha adorável mãe Terezinha Albuquerque e à minha esposa e companheira de todas as horas Marlúcia, mãe do meu bem mais precioso.
Retrato de Mãe
Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus; e pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo; que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com as forças todas da juventude; quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças; pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama, e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre ferido pelos ingratos; forte, entretanto estremece ao choro de uma criancinha, e, fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões; viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que so…

DICA DE LIVRO: JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones

Sempre tenho falado da importância do exercício da liderança, tanto na vida profissional, como pessoal. Como fruto dessa necessidade indico o livro JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones (Editora Sextante). A autora é consultora de marketing e conferencista de renome nos Estados Unidos. O livro trata sobre os princípios de liderança de Jesus Cristo e como podem eles ser aplicados no trabalho, gerando crescimento, harmonia e realização. Numa abordagem espirituosa, a autora compara Jesus a um empresário que montou uma equipe de 12 pessoas que estava longe de serem perfeitas, mas conseguiu treiná-las e motivá-las para cumprirem sua missão com sucesso. Nesse contexto, o livro mostra um modelo de gestão baseado em três categorias de forças: autodomínio, ação e relações. Entre as frases geniais do livro, destaco: "Esperar o tempo perfeito é uma grande desculpa e uma racionalização para se ficar parado e não fazer nada." (pág. 44); "Os líderes que compartilha…

DICA DE LIVRO: AUTO DA BARCA DO INFERNO, de Gil Vicente

Ainda da Coleção Clássicos Saraiva, indico para leitura a obra "O AUTO DA BARCA DO INFERNO", do humanista português Gil Vicente. Inicialmente destaco que Gil Vicente é um importante autor da literatura portuguesa e foi o fundadador do teatro em Portugal. Situada no limiar entre a Idade Média e o Renascimento, no período que ficou conhecido como Humanismo, entre os séculos XV-XVI, a obra vicentina é um atestado exemplar dessa transição de costumes e valores. Tendo temática de base religiosa, seu teatro consegue harmonizá-la com elementos profanos. "O auto da barca do inferno" é a obra mais famosa de Gil Vicente e um clássico do teatro de língua portuguesa. Seu tema central são as personagens que, mortas, são conduzidas à barca que as levará ao Inferno ou Paraíso. As cenas retratam o diálogo jocoso que cada um dos pecadores trava com o Anjo e com o Diabo. São muitas os personagens sociais que fazem parte do drama: Frade, Sapateiro, Fidalgo, Alcoviteira, Enfocado e ou…