Pular para o conteúdo principal

Mercado perfeito e moral, POR DELFIM NETO

A economia mundial enfrenta uma desarticulação só experimentada nos anos 30 do século passado. A crise de 2007-2009 teve origem em causas que não são as das flutuações cíclicas do capitalismo. Numa larga medida, trata-se das mesmas, ou muito parecidas, com as que geraram a de 1929, combatida nosEstados Unidos por Roosevelt com profundas intervenções na economia (o plano New Deal). Uma delas foi a resposta do Congresso, que sob estímulo do Executivo aprovou o Glass-Steagall Act, de 1933.
Os bancos comerciais foram proibidos de financiar investimentos: ficaram limitados à recepção de depósitos e a empréstimos de curto prazo. Aos bancos de investimento foram reservadas as negociações com as ações e bônus, formas típicas de financiamentos de longo prazo. Quais os motivos? O mais importante foi a descoberta de que alguns banqueiros importantes, que operavam simultaneamente o curto (comercial) e o longo (investimento) prazo, aproveitando-se de informações internas (insider trading), tinham desenvolvido comportamentos eticamente condenáveis. No fim do dia, eles teriam produzido ou, pelo menos, agravado a depressão. Quem não estiver convencido, deve ler o famoso Relatório Pécora, que resultou do inquérito feito pelo Congresso americano. Ele revelou os riscos para a estabilidade econômica escondidos na expansão de um sistema financeiro absolutamente desregulado, o mesmo que se recriou a partir de 2000, como veremos a seguir.
Todos sabemos que um eficiente e competitivo sistema financeiro é elemento essencial para a mobilização das poupanças que financiam o investimento, alma do crescimento econômico. Tudo bem considerado, entretanto, foi visível até os anos 80 do século passado, que, apesar de terem prevenido outra “grande depressão”, as restrições impostas pelo Act de 1933 não eliminaram a repetição dos “ciclos de negócios” ínsitos na organização econômica das sociedades por meio dos “mercados”. É importante reconhecer que a eficácia da corajosa e enérgica operação rooseveltiana dos anos 30 nunca pôde ser avaliada porque a emergência da Segunda Guerra Mundial alterou tudo. A mobilização da “máquina de guerra”, a partir de 1939, fez deslanchar a economia americana até a volta do primeiro “ciclo de negócios” após a paz: do segundo trimestre de 1953, quando terminou a Guerra da Coreia, até o primeiro trimestre de 1954. 
Se a crise de 2007-2009, que insiste em não terminar, tem a mesma origem que a de 1929, é preciso perguntar: como isso foi possível? A resposta é que, nos anos 90 do século passado, o sistema financeiro começou a libertar-se da regulação imposta nos anos 30, alegando que ela prejudicava o desenvolvimento econômico. Com apoio no Congresso e suporte “científico” inventado ad hoc por uma tribo de economistas, cujos membros se enganam e se divertem mutuamente com o conforto do “mercado perfeito” (até na moralidade!), teve sucesso. E muito lucrativo... Assistiu-se, assim, em 1999, à revogação final do Glass-Steagall Act, de 1933. Pois bem, em menos de dez anos, o novo sistema financeiro – outra vez completamente desregulado – voltou ao local do crime. Promoveu, ou pelo menos ajudou a promover, a maior crise econômica da economia real dos últimos 75 anos.
Como não sabemos como terminaria a crise de 1929 na ausência da preparação para a Segunda Guerra Mundial, continuamos a não saber como terminará a crise em que vivemos. Aparentemente, ela deixou uma desorganização que se manifesta na redução da capacidade política e do produto potencial de todas as sociedades, consequências da continuidade do absoluto domínio das finanças sobre a produção de bens e serviços, que até agora os governos foram incapazes de corrigir. É visível, por exemplo, a desorientação do Fed, que tem titubeado (e faz bem, porque as informações são contraditórias) diante do temor de uma recidiva, como aconteceu em 1937, quando antecipou sua manobra sobre a taxa de juros.
Foi essa incerteza que tirou da gaveta o fantasma da “estagnação secular” criado por Alvin Hansen, em 1939, e recuperado por Larry Summers, em 2013. O Brasil, pelo recente comportamento de seu Congresso, parece querer flertar com ela.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HOMENAGEM ÀS MÃES: UM DOS MAIS BELOS TEXTOS QUE JÁ LI

Resolvi homenagear às mães com esse texto que considero uma das mais belas páginas já escritas pela inteligência humana. Neste azo, quero cumprimentar a minha adorável mãe Terezinha Albuquerque e à minha esposa e companheira de todas as horas Marlúcia, mãe do meu bem mais precioso.
Retrato de Mãe
Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus; e pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo; que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com as forças todas da juventude; quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças; pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama, e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre ferido pelos ingratos; forte, entretanto estremece ao choro de uma criancinha, e, fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões; viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que so…

DICA DE LIVRO: AUTO DA BARCA DO INFERNO, de Gil Vicente

Ainda da Coleção Clássicos Saraiva, indico para leitura a obra "O AUTO DA BARCA DO INFERNO", do humanista português Gil Vicente. Inicialmente destaco que Gil Vicente é um importante autor da literatura portuguesa e foi o fundadador do teatro em Portugal. Situada no limiar entre a Idade Média e o Renascimento, no período que ficou conhecido como Humanismo, entre os séculos XV-XVI, a obra vicentina é um atestado exemplar dessa transição de costumes e valores. Tendo temática de base religiosa, seu teatro consegue harmonizá-la com elementos profanos. "O auto da barca do inferno" é a obra mais famosa de Gil Vicente e um clássico do teatro de língua portuguesa. Seu tema central são as personagens que, mortas, são conduzidas à barca que as levará ao Inferno ou Paraíso. As cenas retratam o diálogo jocoso que cada um dos pecadores trava com o Anjo e com o Diabo. São muitas os personagens sociais que fazem parte do drama: Frade, Sapateiro, Fidalgo, Alcoviteira, Enfocado e ou…

DICA DE LIVRO: JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones

Sempre tenho falado da importância do exercício da liderança, tanto na vida profissional, como pessoal. Como fruto dessa necessidade indico o livro JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones (Editora Sextante). A autora é consultora de marketing e conferencista de renome nos Estados Unidos. O livro trata sobre os princípios de liderança de Jesus Cristo e como podem eles ser aplicados no trabalho, gerando crescimento, harmonia e realização. Numa abordagem espirituosa, a autora compara Jesus a um empresário que montou uma equipe de 12 pessoas que estava longe de serem perfeitas, mas conseguiu treiná-las e motivá-las para cumprirem sua missão com sucesso. Nesse contexto, o livro mostra um modelo de gestão baseado em três categorias de forças: autodomínio, ação e relações. Entre as frases geniais do livro, destaco: "Esperar o tempo perfeito é uma grande desculpa e uma racionalização para se ficar parado e não fazer nada." (pág. 44); "Os líderes que compartilha…