Pular para o conteúdo principal

CRÔNICAS: Desapegando, por Yvvone Maggie

Depois de 45 anos de profissão me aposentei por idade. Isso não quer dizer que tenha parado de trabalhar. Não dou mais aulas por semestres a fio, não frequento reuniões e não tenho obrigações burocráticas. Fico feliz de ter mais tempo para escrever e organizar livros, participar de seminários e fazer conferências. Tudo com a calma que jamais tive ao longo da minha vida acadêmica.

Passados seis meses do dia em que saiu no Diário Oficial a minha aposentadoria, achei que a paciência de meus colegas tinha limites e decidi retirar  meus pertences da sala que ocupava ultimamente no quarto andar do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais. Durante minha carreira optei por trabalhar na faculdade.

Meus colegas e eu “colonizamos”, como me disse um dia o grande arquiteto Glauco Campelo, ex-presidente do Iphan, aos poucos e com muito esforço, o prédio da antiga Faculdade de Engenharia no Largo de São Francisco, no Centro Histórico do Rio de Janeiro. Foi difícil nos primeiros tempos. Eram laboratórios de engenharia, metrologia e física que aos poucos tivemos de transformar em laboratórios de ciências sociais, filosofia e história. Ou seja, espaços aptos a acolher pesquisadores de outras áreas e suas equipes, livros e material de estudo.

Os livros foram transportados de Botafogo para o centro da cidade em caminhões da polícia, sem a menor preocupação e cuidado com o acervo da excelente biblioteca do antigo Instituto de Ciências Sociais, ao qual se juntaram os exemplares da área de ciências sociais, filosofia e história da Faculdade Nacional de Filosofia. O conjunto era atualizadíssimo para a época e contava com coleções históricas. Foram necessários anos para reorganizá-lo e alocá-lo até conseguirmos construir o espaço atual da Biblioteca Marina São Paulo de Vasconcellos. O esforço de todos nós no IFCS foi fazendo da nossa casa, uma das mais importantes e belas unidades da UFRJ.

Entrar no Instituto aos sábados com Eloisa Helena, minha amiga, e diretora da Biblioteca Marina São Paulo de Vasconcellos na época em que transferimos o acervo mal-acomodado no segundo andar para as novas instalações, e uma ajudante, para reorganizar os livros e os papéis de caixas e mais caixas está sendo um exercício de desapego. O que devo preservar? O que jogar fora? E cada bilhete? E os cadernos de campo das muitas pesquisas que fiz ao longo dos anos?

Não consigo me desapegar de tudo isso. Nem sei se devo, se tenho o direito. Tanto esforço e recursos investidos na minha carreira. Recursos governamentais e de agências estrangeiras que confiaram na minha capacidade de produzir para o avanço da ciência e de formar novos pesquisadores.

Ao remexer em cada caixa cuidadosamente classificada por um ex-aluno e amigo querido, Christiano Matsinhe,  percebo a dificuldade de reorganizar tudo com os olhos de hoje. Encontrei preciosidades. Cadernos de aula de 1969 quando fiz o curso de mestrado. Diários de campo de turmas inteiras que se dedicaram à investigação de temas que foram objeto de minhas reflexões. Muitos documentos referentes às minhas inúmeras atividades administrativas e de construção de uma instituição que me renderam tantas alegrias e alguns dissabores. E os materiais coletados em arquivos públicos, jornais e revistas? E as fotos? E os artigos datilografados, no tempo em que não se sonhava com o computador e ainda não publicados?

Sempre soube que a vida era curta, mas chegar nesse momento de ter de me separar dos pequenos fragmentos da minha história está me deixando meio desatinada e até triste porque com saudades de um tempo que passou. Não consigo me desfazer de muita coisa. Vou levar para casa muitas caixas com os documentos catalogados. Os livros doarei à biblioteca. Eles estarão no acervo identificados como coleção Yvonne Maggie. Com eles vai a estátua do caboclo de tamanho quase realista  que me acompanha desde os anos 1970. Ele vai como símbolo da pesquisadora e professora que se dedicou em tempo integral a seus alunos e à pesquisa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HOMENAGEM ÀS MÃES: UM DOS MAIS BELOS TEXTOS QUE JÁ LI

Resolvi homenagear às mães com esse texto que considero uma das mais belas páginas já escritas pela inteligência humana. Neste azo, quero cumprimentar a minha adorável mãe Terezinha Albuquerque e à minha esposa e companheira de todas as horas Marlúcia, mãe do meu bem mais precioso.
Retrato de Mãe
Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus; e pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo; que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com as forças todas da juventude; quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças; pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama, e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre ferido pelos ingratos; forte, entretanto estremece ao choro de uma criancinha, e, fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões; viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que so…

DICA DE LIVRO: JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones

Sempre tenho falado da importância do exercício da liderança, tanto na vida profissional, como pessoal. Como fruto dessa necessidade indico o livro JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones (Editora Sextante). A autora é consultora de marketing e conferencista de renome nos Estados Unidos. O livro trata sobre os princípios de liderança de Jesus Cristo e como podem eles ser aplicados no trabalho, gerando crescimento, harmonia e realização. Numa abordagem espirituosa, a autora compara Jesus a um empresário que montou uma equipe de 12 pessoas que estava longe de serem perfeitas, mas conseguiu treiná-las e motivá-las para cumprirem sua missão com sucesso. Nesse contexto, o livro mostra um modelo de gestão baseado em três categorias de forças: autodomínio, ação e relações. Entre as frases geniais do livro, destaco: "Esperar o tempo perfeito é uma grande desculpa e uma racionalização para se ficar parado e não fazer nada." (pág. 44); "Os líderes que compartilha…

DICA DE LIVRO: AUTO DA BARCA DO INFERNO, de Gil Vicente

Ainda da Coleção Clássicos Saraiva, indico para leitura a obra "O AUTO DA BARCA DO INFERNO", do humanista português Gil Vicente. Inicialmente destaco que Gil Vicente é um importante autor da literatura portuguesa e foi o fundadador do teatro em Portugal. Situada no limiar entre a Idade Média e o Renascimento, no período que ficou conhecido como Humanismo, entre os séculos XV-XVI, a obra vicentina é um atestado exemplar dessa transição de costumes e valores. Tendo temática de base religiosa, seu teatro consegue harmonizá-la com elementos profanos. "O auto da barca do inferno" é a obra mais famosa de Gil Vicente e um clássico do teatro de língua portuguesa. Seu tema central são as personagens que, mortas, são conduzidas à barca que as levará ao Inferno ou Paraíso. As cenas retratam o diálogo jocoso que cada um dos pecadores trava com o Anjo e com o Diabo. São muitas os personagens sociais que fazem parte do drama: Frade, Sapateiro, Fidalgo, Alcoviteira, Enfocado e ou…