Pular para o conteúdo principal

Balzac, a mulher de 30 anos e a nova gramática amorosa, POR LUCIANO TRIGO


Honoré de Balzac
Os personagens Julie e Charles têm a mesma idade – 30 anos – mas ele é considerado um “rapaz”, e ela uma mulher “mais velha”. Começo assim este texto para chamar a atenção para o fato de que Balzac, em seu romance mais popular, não estava fixando um teto baixo para a busca da realização amorosa pelas mulheres; ao contrário, o escritor estava elevando significativamente esse teto. Na época em que o livro – parte das “Cenas da vida privada” da “Comédia humana” – foi concluído, em 1842, na vida real como na ficção o amor era prerrogativa das muito jovens: muitas se casavam aos 15 anos, e a vida ficava difícil para quem não se arrumasse até os 20 e pouquinhos. Como afirmaram os críticos Gabriel Hanotaux e Georges Vicaire, "Balzac prestou às mulheres um serviço imenso, que elas nunca lhe poderão agradecer suficientemente, pois duplicou para elas a idade do amor... Curou o amor do preconceito da mocidade". “Balzaquiana”, portanto, não devia ser um estigma, e sim um elogio.

Leia aqui um trecho de “A mulher de 30 anos”, de Honoré de Balzac.
É importante lembrar que a grande novidade afetiva da sociedade burguesa retratada na “Comédia humana” foi a disseminação do casamento por amor, num momento em que ainda prevaleciam as uniões por interesse e conveniência. Isso criou a necessidade de uma nova gramática amorosa, que Julie domina de maneira exemplar; com uma sabedoria rara e talvez impossível nos dias de hoje, ela seduz Charles pelo recato e pela atitude casta e humilde – qualidades então indispensáveis às mulheres de boa família.
Capa do livro
Em um momento de transformações sociais aceleradas na França pós-revolucionária, Balzac ousou fazer, em “A mulher de 30 anos” (Companhia das Letras, 240 pgs. R$ 24,90) o elogio da mulher “madura”, que ele descreve como mais equipada para seduzir e amar que as novinhas de seu tempo. Ao longo do texto, ele faz uma série de comparações entre as duas categorias, e a balzaquiana se sai melhor em todos os quesitos: “Uma mulher de 30 anos tem atrativos irresistíveis”, escreve. “A mulher jovem tem muitas ilusões, muita inexperiência. Uma nos instrui, a outra quer tudo aprender e acredita ter dito tudo despindo o vestido.” E ainda: “(...) obedece a um sentimento consciente. Escolhe... dando-se. A mulher experiente parece dar mais do que ela mesma, ao passo que a jovem, ignorante e crédula, nada sabendo, nada pode comparar nem apreciar”; “Chegando a essa idade, a mulher sabe consolar em mil ocasiões em que a jovem só sabe gemer.” Balzac, aliás, se relacionou com diversas mulheres mais velhas, atribuindo a essas experiências o seu profundo conhecimento do coração feminino.

O enredo é bem conhecido: ainda adolescente, apaixonada por Arthur, um coronel do exército napoleônico, Julie contraria a vontade do pai e decide se casar. Logo tem uma filha, mas rapidamente percebe que fez bobagem, sentindo-se presa a uma vida conjugal sem graça e à maternidade. Infeliz, quase sucumbe à paixão por outro homem,
Lord
Arthur Grenville, mas a relação não prospera: o dever do casamento a impede de concretizá-la. "Não quero ser uma prostituta nem a meus olhos nem aos olhos do mundo. Se não pertenço mais ao sr. d’Aiglemont, também não pertencerei a nenhum outro", afirma.

As convenções morais da época parecem condená-la a uma infelicidade eterna. Consciente da razão de seus sofrimentos e revoltada contra a instituição imperfeita do matrimônio, depois de enviuvar Julie decide viver confinada (e deprimida) num castelo no interior. Mas, aos 30 anos, “ápice poético da vida das mulheres”, ela conhece o diplomata Charles de Vendesesse e se entrega intensamente a essa nova paixão, em circunstâncias que pouco a pouco desenham um destino trágico, começando pela morte do seu filho. Mas o que importa é que Balzac estabelece aí os fundamentos de um relacionamento moderno, que respeita o direito da mulher de ser feliz. Segundo Julie, agora livre para amar, "o casamento, a instituição sobre a qual se apoia hoje a sociedade, só a nós faz sentir todo o seu peso: para o homem a liberdade; para a mulher os deveres. Devemos consagrar aos homens toda a nossa vida, eles nos consagram apenas raros instantes... O casamento, tal como hoje se pratica, parece-me ser uma prostituição legal. Daí nascerem os meus sofrimentos. Mas, entre tantas criaturas infelizes... só eu sou a autora do mal, porque quis o meu casamento.”

Primeiro grande retrato da mulher mal casada, "A mulher de 30 anos" não é a história particular de Julie, e sim a da mulher de seu tempo, na qual convergem os movimentos, conflitos e contradições de um modelo social em transformação. Balzac trata não de um amor de folhetim, mas do destino da mulher e da instituição do casamento no mundo burguês.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DESEMBARGADOR PAULO ALBUQUERQUE É DESTAQUE NO JUDICIÁRIO CEARENSE

O Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará, Des. Francisco Glaydson Pontes, nomeou o massapeense, Desembargador Paulo Albuquerque, como membro efetivo da Comissão de Regimento, Legislação e Jurisprudência da Egrégia Corte de Justiça do nosso Estado. Apesar do pouco tempo no exercício da magistratura do 2º Grau, o massapeense Paulo Albuquerque vem sendo reconhecido pelos seus pares como um magistrado dotado de probidade, talento e capacidade de gestão. A produtividade de seu gabinete é destaque na justiça cearense. PARABÉNS !!!

HOMENAGEM ÀS MÃES: UM DOS MAIS BELOS TEXTOS QUE JÁ LI

Resolvi homenagear às mães com esse texto que considero uma das mais belas páginas já escritas pela inteligência humana. Neste azo, quero cumprimentar a minha adorável mãe Terezinha Albuquerque e à minha esposa e companheira de todas as horas Marlúcia, mãe do meu bem mais precioso.
Retrato de Mãe
Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus; e pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo; que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com as forças todas da juventude; quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças; pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama, e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre ferido pelos ingratos; forte, entretanto estremece ao choro de uma criancinha, e, fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões; viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que so…

CANALHICE DO SISTEMA POLÍTICO: OTÁRIO É O POVO BRASILEIRO!