Pular para o conteúdo principal

Alguns quilômetros a mais, POR MENALTON BRAFF

Depois de um período conturbado em que me envolvi com algumas viagens e outros compromissos, estes matinais, voltei às minhas caminhadas.
Em algum lugar já disse (não me lembro se foi aqui) que não sou fã de exercícios físicos, nunca fui. Não me envergonho de dizer que no colégio nunca fui escolhido para a seleção de qualquer modalidade esportiva da escola, e que este fato não chegou a me criar traumas na adolescência. Naquele tempo ainda não tinham inventado o bulling e vivíamos todos pacificamente, às vezes dando e recebendo sopapos, o que era muito saudável e nos ensinava a viver.
Agora é diferente. O dr. Flávio Gambi, meu cardiologista, exigiu-me algum tipo de atividade física como modo de manutenção da carcaça. Depois de um infarto, ele disse, que eu escolhesse: caminhada ou remédio. Melhor ainda: caminhada e remédio. Como os remédios andam o olho de nossa cara em noite de tempestade, concordei em fazer minhas caminhadas de uma hora exata e religiosamente e cinco vezes por semana. Isso tem lá seu lado econômico, pois elimino a necessidade de alguns remédios suplementares.
Não sei se estou certo, mas por culpa da atrapalhação com as viagens, passei uma temporada sem botar o corpo a trabalhar. Resultado: minha pressão aumentou a um nível que me deixou com medo; e não há analgésico que me acabe com a dor de cabeça.
Sem escolha, voltei às ruas. Uma hora me parece muito tempo para dedicar ao corpo, mas me lembrei de uma frase que meu falecido pai atribuía a Juvenal, poeta satírico romano, atribuição que aceito como verdadeira por não ter meio de negar: Mens sana in corpore sano. Não que vá aderir à “geração saúde”, que só pensa no corpore sano, isso não. Mas reconheço que preciso dele, do corpore, então é melhor mantê-lo sano.
Meu companheiro de caminhadas, aquele que vai cronometrando tudo, como se isso fizesse alguma diferença, afirma, para minha surpresa, que tenho melhorado sensivelmente o desempenho físico. Quando sozinho penso no assunto, não deixo de sentir um pouco de vergonha. Será que ainda me faço atleta? Isso na minha idade seria um desastre federal.
Andei estudando o assunto (atualmente qualquer mané como eu lê umas frases na Wikipedia e diz que estudou o assunto, como anda leve o mundo: e superficial) e não encontrei solução para esta tendência serôdia às atividades físicas.
Tenho esperança de que ainda se invente uma pílula-da-caminhada, que se possa tomar enquanto se lê um bom livro, escreve-se uma crônica ou qualquer coisa assim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HOMENAGEM ÀS MÃES: UM DOS MAIS BELOS TEXTOS QUE JÁ LI

Resolvi homenagear às mães com esse texto que considero uma das mais belas páginas já escritas pela inteligência humana. Neste azo, quero cumprimentar a minha adorável mãe Terezinha Albuquerque e à minha esposa e companheira de todas as horas Marlúcia, mãe do meu bem mais precioso.
Retrato de Mãe
Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus; e pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo; que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com as forças todas da juventude; quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças; pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama, e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre ferido pelos ingratos; forte, entretanto estremece ao choro de uma criancinha, e, fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões; viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que so…

DICA DE LIVRO: JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones

Sempre tenho falado da importância do exercício da liderança, tanto na vida profissional, como pessoal. Como fruto dessa necessidade indico o livro JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones (Editora Sextante). A autora é consultora de marketing e conferencista de renome nos Estados Unidos. O livro trata sobre os princípios de liderança de Jesus Cristo e como podem eles ser aplicados no trabalho, gerando crescimento, harmonia e realização. Numa abordagem espirituosa, a autora compara Jesus a um empresário que montou uma equipe de 12 pessoas que estava longe de serem perfeitas, mas conseguiu treiná-las e motivá-las para cumprirem sua missão com sucesso. Nesse contexto, o livro mostra um modelo de gestão baseado em três categorias de forças: autodomínio, ação e relações. Entre as frases geniais do livro, destaco: "Esperar o tempo perfeito é uma grande desculpa e uma racionalização para se ficar parado e não fazer nada." (pág. 44); "Os líderes que compartilha…

DICA DE LIVRO: AUTO DA BARCA DO INFERNO, de Gil Vicente

Ainda da Coleção Clássicos Saraiva, indico para leitura a obra "O AUTO DA BARCA DO INFERNO", do humanista português Gil Vicente. Inicialmente destaco que Gil Vicente é um importante autor da literatura portuguesa e foi o fundadador do teatro em Portugal. Situada no limiar entre a Idade Média e o Renascimento, no período que ficou conhecido como Humanismo, entre os séculos XV-XVI, a obra vicentina é um atestado exemplar dessa transição de costumes e valores. Tendo temática de base religiosa, seu teatro consegue harmonizá-la com elementos profanos. "O auto da barca do inferno" é a obra mais famosa de Gil Vicente e um clássico do teatro de língua portuguesa. Seu tema central são as personagens que, mortas, são conduzidas à barca que as levará ao Inferno ou Paraíso. As cenas retratam o diálogo jocoso que cada um dos pecadores trava com o Anjo e com o Diabo. São muitas os personagens sociais que fazem parte do drama: Frade, Sapateiro, Fidalgo, Alcoviteira, Enfocado e ou…