Pular para o conteúdo principal

Dom, a utopia viva

Do blog Sincronicidade, do amigo Vasconcelos Arruda

Na circular que abre um dos treze livros que compõem a edição das “Cartas Circulares, Interconciliares e Pós-Conciliares” de Dom Hélder Câmara, afirma o recém-empossado Arcebispo de Olinda e Recife: “Alegra-me pensar que, com a graça de Deus, dei testemunho cristão, fui Bispo, estive à altura da exigência histórica, procurando não trair e não decepcionar milhares de cristãos, com olhos e corações voltados para a circunstância providencialíssima da posse do Arcebispo da cidade-chave do Nordeste-chave” (Circulares interconciliares, v. 2., t. 1., p. 3.)
Ao ser investido no cargo, poucos dias depois da implantação do regime militar no Brasil, começava para Dom Hélder, provavelmente, a grande missão de sua vida. A circular acima citada, em que relata a investidura, dá bem uma ideia do projeto que o Dom, como era carinhosamente chamado e que usava para assinar as suas missivas, levaria a cabo nos anos seguintes. Um projeto que tinha como foco a luta pela justiça em prol dos menos favorecidos, dos deserdados, mas também em prol do restabelecimento dos direitos e garantias constitucionais, solapados pela ditadura vigente no país.
Falando assim, isso pode parecer coisa do passado. Mas não é. Existem hoje outras formas de ditadura, disfarçadas, talvez, mas nem por isso menos corrosivas e injustas. A massa de desassistidos e miseráveis assume proporções incomensuráveis, tanto no Brasil quanto em outros países da América Latina e da África. Por esse motivo, a mensagem do Dom permanece atualíssima. E é por isso mesmo que urge que ela seja divulgada, propagada, discutida. É necessário conhecê-la e apropriar-se daquilo que ela tem de melhor. Pessoas como Dom não podem ser esquecidas. É nesse espaço que se inserem as atividades do Grupo Dom Hélder, recém-criado em Fortaleza, que, há poucos dias promoveu o evento “Hélder Câmara: Memória viva”, durante o qual foi lançada a edição das Circulares.
Tenho lido tais circulares com grande emoção e, por que não dizer, comoção. Numa época em que desapareceram quase que na totalidade as referências, aquelas figuras que nos ajudavam a sustentar uma utopia que conferisse sentido à vida, o Dom aparece ainda como uma figura ímpar, iluminada, instigante. Não se lê as circulares do Dom impunemente. Impossível não se sentir movido, impelido a sair da zona de conforto. Apesar de toda desesperança, de toda descrença no humano, há que se manter um mínimo de utopia.
Não se pense, porém, que utopia seja sinônimo de quimera, algo que habitaria as regiões etéreas do imaginário. A propósito do Dom, dizia o teólogo J. B. Libânio que ele era “uma utopia viva percorrendo o mundo”. E conclui Marie-Jo Hazard, no livro Orar 15 dias com Dom Hélder Câmara: “Porque a utopia, longe de ser uma ideia inacessível, é esta força que faz viva a esperança e impulsiona à ação”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HOMENAGEM ÀS MÃES: UM DOS MAIS BELOS TEXTOS QUE JÁ LI

Resolvi homenagear às mães com esse texto que considero uma das mais belas páginas já escritas pela inteligência humana. Neste azo, quero cumprimentar a minha adorável mãe Terezinha Albuquerque e à minha esposa e companheira de todas as horas Marlúcia, mãe do meu bem mais precioso.
Retrato de Mãe
Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus; e pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo; que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com as forças todas da juventude; quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças; pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama, e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre ferido pelos ingratos; forte, entretanto estremece ao choro de uma criancinha, e, fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões; viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que so…

DICA DE LIVRO: JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones

Sempre tenho falado da importância do exercício da liderança, tanto na vida profissional, como pessoal. Como fruto dessa necessidade indico o livro JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones (Editora Sextante). A autora é consultora de marketing e conferencista de renome nos Estados Unidos. O livro trata sobre os princípios de liderança de Jesus Cristo e como podem eles ser aplicados no trabalho, gerando crescimento, harmonia e realização. Numa abordagem espirituosa, a autora compara Jesus a um empresário que montou uma equipe de 12 pessoas que estava longe de serem perfeitas, mas conseguiu treiná-las e motivá-las para cumprirem sua missão com sucesso. Nesse contexto, o livro mostra um modelo de gestão baseado em três categorias de forças: autodomínio, ação e relações. Entre as frases geniais do livro, destaco: "Esperar o tempo perfeito é uma grande desculpa e uma racionalização para se ficar parado e não fazer nada." (pág. 44); "Os líderes que compartilha…

DICA DE LIVRO: AUTO DA BARCA DO INFERNO, de Gil Vicente

Ainda da Coleção Clássicos Saraiva, indico para leitura a obra "O AUTO DA BARCA DO INFERNO", do humanista português Gil Vicente. Inicialmente destaco que Gil Vicente é um importante autor da literatura portuguesa e foi o fundadador do teatro em Portugal. Situada no limiar entre a Idade Média e o Renascimento, no período que ficou conhecido como Humanismo, entre os séculos XV-XVI, a obra vicentina é um atestado exemplar dessa transição de costumes e valores. Tendo temática de base religiosa, seu teatro consegue harmonizá-la com elementos profanos. "O auto da barca do inferno" é a obra mais famosa de Gil Vicente e um clássico do teatro de língua portuguesa. Seu tema central são as personagens que, mortas, são conduzidas à barca que as levará ao Inferno ou Paraíso. As cenas retratam o diálogo jocoso que cada um dos pecadores trava com o Anjo e com o Diabo. São muitas os personagens sociais que fazem parte do drama: Frade, Sapateiro, Fidalgo, Alcoviteira, Enfocado e ou…