Pular para o conteúdo principal

Indecisos nas eleições de 2014, por YVONNE MAGGIE



Entrei no táxi e imediatamente o motorista começou a puxar um longo papo sobre política. Fui dando corda. De repente ele falou: “Eu não acredito nessas pesquisas. Nunca fui perguntado sobre nada. Vivo nessa cidade há 53 anos e eles nunca me acharam? Não, tem truta aí!”. Tentei argumentar, mas não adiantou. Ele estava firme na sua posição. E eu que pensava que os brasileiros aceitavam estatísticas como se acredita em uma verdade divina, revelada! Depois dessa conversa fiquei pensando que talvez não seja assim. 
indecisos
Pois bem, no último sábado abri a página do G1para saber das notícias – e, confesso, para ler os comentários ao meu post no blog A Vida como Ela Parece Ser – e me deparei com uma matéria muito interessante. Nada de estatística. Não há gráficos e muito menos tabelas. Apenas um levantamentocom algumas pessoas que se dizem indecisas quanto à escolha do candidato à presidência da república. Para confirmar a veracidade das respostas dos eleitores indecisos, cada entrevistado foi fotografado. 
Os repórteres selecionaram os temas – educação, saúde, transporte e segurança vêm em primeiro lugar nas preocupações desses eleitores. Isso em si mesmo já é um dado relevante. Nem sempre os problemas foram tão claros e bem definidos como estão sendo hoje em dia. E as manifestações de junho de 2013 mostraram isso.
O que mais me chamou a atenção na pesquisa, estilo antropológica, na qual o entrevistado aparece com nome, profissão, local de moradia e rosto, foi o fato de muitos dizerem aquilo que nós sabemos ser verdade. Os candidatos prometem, mas não cumprem. 
Vejam  a afirmação de uma auxiliar de cozinha de 24 anos:
"Eu estou descrente da política. O que a gente vê são promessas, promessas, promessas e nada sendo cumprido. É difícil escolher um candidato porque a gente não acredita que algum vá colocar em prática o que promete."
Impressiona também o fato de muitos, ao contrário da auxiliar de cozinha, não terem perdido totalmente a esperança de encontrar algum candidato que tenha propostas coerentes, como se pode ver pela resposta de uma dona de casa de 69 anos:
"Nenhum candidato apresentou boas propostas para a educação e saúde que me convencesse. Se não aparecer eu só vou justificar."
Finalmente, o mais alarmante mesmo é o fato de muitas pessoas dizerem o que uma amiga afirmou no Facebook:
"São Gonçalo, como sempre, só é lembrada na época das eleições dada a quantidade de eleitores que há na minha cidade. No entanto, fora do período eleitoral ninguém intervém ou faz algo. Há coisas que nunca mudam. De quatro em quatro anos parece que apertam o 'repeat'. Triste!"
Muitos falaram da mesmice, da repetição de promessas e da falta de propostas concretas. 
Vitor Nunes Leal, um dos mais importantes cientistas políticos do século XX no Brasil, autor do clássico "Coronelismo, exata e voto", certamente gostaria de ter visto essa enquete. O voto de cabresto e o coronelismo, tão esmiuçados no seu belíssimo livro, esvoaçaram-se na poeira do tempo? Os eleitores entrevistados, velhos ou novos, homens ou mulheres, pobres ou remediados não aceitam mais promessas e aprenderam que política se faz com o voto consciente, livre e independente e por isso estão indecisos? 
Vale a pena ler a matéria. O motorista de táxi descrente poderá se identificar com algum dos pesquisados, pois mostraram, ao se deixarem fotografar, que realmente foram ouvidos. Não são apenas números, são pessoas de carne e osso. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HOMENAGEM ÀS MÃES: UM DOS MAIS BELOS TEXTOS QUE JÁ LI

Resolvi homenagear às mães com esse texto que considero uma das mais belas páginas já escritas pela inteligência humana. Neste azo, quero cumprimentar a minha adorável mãe Terezinha Albuquerque e à minha esposa e companheira de todas as horas Marlúcia, mãe do meu bem mais precioso.
Retrato de Mãe
Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus; e pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo; que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com as forças todas da juventude; quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças; pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama, e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre ferido pelos ingratos; forte, entretanto estremece ao choro de uma criancinha, e, fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões; viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que so…

DICA DE LIVRO: JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones

Sempre tenho falado da importância do exercício da liderança, tanto na vida profissional, como pessoal. Como fruto dessa necessidade indico o livro JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones (Editora Sextante). A autora é consultora de marketing e conferencista de renome nos Estados Unidos. O livro trata sobre os princípios de liderança de Jesus Cristo e como podem eles ser aplicados no trabalho, gerando crescimento, harmonia e realização. Numa abordagem espirituosa, a autora compara Jesus a um empresário que montou uma equipe de 12 pessoas que estava longe de serem perfeitas, mas conseguiu treiná-las e motivá-las para cumprirem sua missão com sucesso. Nesse contexto, o livro mostra um modelo de gestão baseado em três categorias de forças: autodomínio, ação e relações. Entre as frases geniais do livro, destaco: "Esperar o tempo perfeito é uma grande desculpa e uma racionalização para se ficar parado e não fazer nada." (pág. 44); "Os líderes que compartilha…

DICA DE LIVRO: AUTO DA BARCA DO INFERNO, de Gil Vicente

Ainda da Coleção Clássicos Saraiva, indico para leitura a obra "O AUTO DA BARCA DO INFERNO", do humanista português Gil Vicente. Inicialmente destaco que Gil Vicente é um importante autor da literatura portuguesa e foi o fundadador do teatro em Portugal. Situada no limiar entre a Idade Média e o Renascimento, no período que ficou conhecido como Humanismo, entre os séculos XV-XVI, a obra vicentina é um atestado exemplar dessa transição de costumes e valores. Tendo temática de base religiosa, seu teatro consegue harmonizá-la com elementos profanos. "O auto da barca do inferno" é a obra mais famosa de Gil Vicente e um clássico do teatro de língua portuguesa. Seu tema central são as personagens que, mortas, são conduzidas à barca que as levará ao Inferno ou Paraíso. As cenas retratam o diálogo jocoso que cada um dos pecadores trava com o Anjo e com o Diabo. São muitas os personagens sociais que fazem parte do drama: Frade, Sapateiro, Fidalgo, Alcoviteira, Enfocado e ou…