Pular para o conteúdo principal

A ESTRANHA ARITMÉTICA ELEITORAL, por CARLOS CHAGAS

Dos quase 143 milhões de eleitores aptos a votar a 5 de setembro, 40 milhões estão em São Paulo. É o maior colégio eleitoral do Brasil, mas seria bom lembrar que 103 milhões encontram-se em outros estados.
Estranha aritmética, essa. Como entender a estratégia dos marqueteiros dos candidatos presidenciais quando, desde que começou a campanha eleitoral, todos, sem exceção, desenvolveram em São Paulo mais da metade de suas campanhas?
Tome-se ontem, apenas como um exemplo. Dos três grandes e dos múltiplos pequenos candidatos, todos, com uma exceção, transitavam por São Paulo, ora em passeatas, reuniões partidárias, comícios e preparação de programas televisivos. Apenas Aécio Neves permaneceu em Brasília, senador que é, por conta do esforço concentrado praticado pelo Congresso esta semana.
Com todo o respeito aos paulistas, a verdade é que os pretendentes ao palácio do Planalto estão esquecendo a maior parte do Brasil. Na paulicéia estão os votos e o dinheiro, em maior parte, mas só lá? Até Dilma esteve no interior do estado, ajudada pelo aparato presidencial de avião de luxo, segurança inflada e mordomias inerentes à chefia do poder Executivo. Marina pode dizer que mora lá, como outros, mas em tempo de campanha, não é para ficar em casa.
O eleitorado paulista deu seguidas mostras de ser conservador. Evidência é a permanência dos tucanos no governo local, praticamente desde que Franco Montoro tornou-se governador, com raras alternâncias. Apenas Aécio Neves segue o figurino social-democrata, entre os candidatos. Os demais são ou se dizem de esquerda, isto é, entram na toca da raposa esperando surpreendê-la. Ou andam atrás de recursos que as elites paulistas detém em maior número?
De qualquer forma, seria bom os chefes de campanha dos candidatos atentarem que nem o eleitorado nem o país limitam-se a São Paulo. Afinal, 103 milhões de votos não podem ser desprezados em troca de 40 milhões mais ricos.
DEBATE AMORFO, INSOSSO E INODORO
A Justiça Eleitoral e o Congresso precisam rever a legislação que regula as campanhas eleitorais. Repetiu-se segunda-feira, no SBT, aquilo que semana passada assistimos pela TV-Bandeirantes: durante os debates entre os presidenciáveis caiu a audiência dessas duas redes. As novelas venceram com ampla folga. E mais será nos próximos debates, porque as regras do confronto dos candidatos dão sono. Levam o cidadão a deixar a sala e tomar um cafézinho na cozinha. Exceção de raros momentos em que dois adversários de peso são postos um contra o outro, o resto é perfumaria, a cargo de singulares personagens em busca de alguns minutos de exposição mas cônscios de não serem candidatos para valer. Inflam o próprio ego e atrapalham a discussão dos grandes temas nacionais.
Nada contra os mestres de cerimônia dos programas, Ricardo Boechat na primeira vez e Carlos Nascimento, agora. Comportaram-se conforme o figurino, e bem. Na verdade, o que atrairia as atenções gerais seria, como nas lutas de boxe, o embate entre dois contendores, olho no olho ou punhos nos punhos. Dirão os otimistas que isso acontecerá no segundo turno das eleições, mas até lá a paciência nacional estará esgotada.
As redes de televisão deveriam ser liberadas para selecionar os candidatos que quisessem, de acordo com as pesquisas, mas dois de cada vez. E sem os óbvios penduricalhos dos previamente derrotados, todos seguidores do saudoso Dr. Enéas.
Para completar, outra crítica: não pegou a lei que proibia espetáculos pirotécnicos na propaganda eleitoral gratuita.O que mais se vê são imagens espetaculares onde os candidatos constituem mero detalhe. Para valer, mesmo, esse tipo de propaganda deveria resumir-se a uma câmera e a um banquinho onde, sentado, o candidato dissesse a que vem

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HOMENAGEM ÀS MÃES: UM DOS MAIS BELOS TEXTOS QUE JÁ LI

Resolvi homenagear às mães com esse texto que considero uma das mais belas páginas já escritas pela inteligência humana. Neste azo, quero cumprimentar a minha adorável mãe Terezinha Albuquerque e à minha esposa e companheira de todas as horas Marlúcia, mãe do meu bem mais precioso.
Retrato de Mãe
Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus; e pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo; que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com as forças todas da juventude; quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças; pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama, e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre ferido pelos ingratos; forte, entretanto estremece ao choro de uma criancinha, e, fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões; viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que so…

DICA DE LIVRO: JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones

Sempre tenho falado da importância do exercício da liderança, tanto na vida profissional, como pessoal. Como fruto dessa necessidade indico o livro JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones (Editora Sextante). A autora é consultora de marketing e conferencista de renome nos Estados Unidos. O livro trata sobre os princípios de liderança de Jesus Cristo e como podem eles ser aplicados no trabalho, gerando crescimento, harmonia e realização. Numa abordagem espirituosa, a autora compara Jesus a um empresário que montou uma equipe de 12 pessoas que estava longe de serem perfeitas, mas conseguiu treiná-las e motivá-las para cumprirem sua missão com sucesso. Nesse contexto, o livro mostra um modelo de gestão baseado em três categorias de forças: autodomínio, ação e relações. Entre as frases geniais do livro, destaco: "Esperar o tempo perfeito é uma grande desculpa e uma racionalização para se ficar parado e não fazer nada." (pág. 44); "Os líderes que compartilha…

DICA DE LIVRO: AUTO DA BARCA DO INFERNO, de Gil Vicente

Ainda da Coleção Clássicos Saraiva, indico para leitura a obra "O AUTO DA BARCA DO INFERNO", do humanista português Gil Vicente. Inicialmente destaco que Gil Vicente é um importante autor da literatura portuguesa e foi o fundadador do teatro em Portugal. Situada no limiar entre a Idade Média e o Renascimento, no período que ficou conhecido como Humanismo, entre os séculos XV-XVI, a obra vicentina é um atestado exemplar dessa transição de costumes e valores. Tendo temática de base religiosa, seu teatro consegue harmonizá-la com elementos profanos. "O auto da barca do inferno" é a obra mais famosa de Gil Vicente e um clássico do teatro de língua portuguesa. Seu tema central são as personagens que, mortas, são conduzidas à barca que as levará ao Inferno ou Paraíso. As cenas retratam o diálogo jocoso que cada um dos pecadores trava com o Anjo e com o Diabo. São muitas os personagens sociais que fazem parte do drama: Frade, Sapateiro, Fidalgo, Alcoviteira, Enfocado e ou…