quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Um cenário político entre o luto e a apreensão


As olheiras pronunciadas de Marina Silva ao falar da morte do companheiro de chapa, Eduardo Campos, ontem, não deixavam espaço para dúvidas. A tristeza é genuína para uma política que se notabilizou por trilhar seu próprio caminho, com uma história de vida tão sui generis como a do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Analfabeta até os 16 anos, Marina, que nasceu em Rio Branco (Acre), no norte do país, superou a pobreza e trilhou uma carreira política que a fez ser vista como uma alternativa para o “Fla Flu” eleitoral entre PT e PSDB em 2010. Levou 20 milhões de votos, um resultado inesperado para qualquer analista político na ocasião.
A partir de agora, a ambientalista, que fundou o grupo político Rede Sustentabilidade, terá todas as atenções nacionais voltadas para ela, depois de optar por manter a discrição do cargo de vice ao lado de Campos.


Eduardo Campos e Marina Silva em campanha - Foto: Divulgação

Nenhum comentário:

Postar um comentário