Pular para o conteúdo principal

O delicado equilíbrio entre destino e livre-arbítrio

Pequenas histórias da vida de Francisco
DO BLOG SINCRONICIDADE, 
do massapeense Vasconcelos Arruda : 

Tenho as minhas preocupações voltadas tanto para aquelas pessoas com origem semelhante à minha, como para aquelas que podiam aproveitar melhor as oportunidades, muitas até nascidas em berço de cetim, para não dizer de ouro, posto que todas são dotadas da mesma capacidade de mudar suas histórias de vida, dessa força mágica interior que se encontra na base de todas as grandes realizações do ser humano.

Francisco Castro de Souza
[Souza, Francisco Castro de. Pequenas histórias da vida de Francisco. – Fortaleza: Premius, 2013, p. 112.]
"Sempre que leio autobiografias, uma indagação me vem à mente: até que ponto nós determinamos nosso destino e até que ponto somos determinados por ele? Reconheço que essa não é uma questão de fácil resposta. Além da dificuldade que a própria palavra destino nos coloca, a pergunta acaba por trazer à baila, como corolário, outras não menos controversas, como livre-arbítrio e liberdade.
Pois bem, foi sobre isso que me pus a pensar à medida que avançava na leitura das “Pequenas Histórias da Vida de Francisco”. Trata-se do relato da vida de uma pessoa que, digamos assim, tinha tudo pra dar errado. Nascido numa família pobre, num país que ao longo de sua história não tem sido muito generoso com os desfavorecidos, a saga de Francisco tem início em 12 de dezembro de 1954. Esse dia fatídico para a família assinala o falecimento do pai, deixando órfãos Francisco, o primogênito, outros seis irmãos, um dos quais excepcional, e o oitavo que se encontrava ainda no ventre da mãe, grávida de sete meses.
Duas alternativas surgiam-lhe em perspectiva. A primeira, tomar o caminho mais fácil e deixar que a vida seguisse seu rumo, assumindo uma posição de passividade ou resvalando para a marginalidade. A segunda, bem mais difícil, adotar uma atitude firme e agir com determinação em busca de dias melhores. Francisco optou pela segunda. Não se arrependeu.
Ao decidir tomar o destino nas próprias mãos, tem início uma jornada que o levará de vendedor de salgadinhos, sua primeira atividade remunerada, a professor universitário com duas formaturas, passando por outras tantas atividades não menos enobrecedoras. Tudo conquistado à custa de muito trabalho e estudo.
A par disso, constituiu uma família, tornando-se pai de quatro filhos. Quanto a essa dimensão da vida, pode-se dizer que a sorte sorriu-lhe generosamente, ao fazer Dona Expedita cruzar o seu caminho. Mas, também nisso, pode-se afirmar que não dá para creditar tudo apenas à sorte, pois até a esposa ele teve que conquistar, sendo necessário, para tê-la consigo, “raptá-la” da casa dos pais, conforme o verbo utilizado por ele próprio no capítulo em que trata do assunto.
Logo no início do livro, Francisco escreve palavras que podem ser tomadas como um ótimo conceito de sucesso, embora não use especificamente esse vocábulo: “Vencer não significa ficar rico, ter muitos bens e dinheiro para gastar com supérfluo. Vencer significa viver com dignidade, honradez e dependendo exclusivamente do trabalho honesto, desfrutando do necessário para si e para sua família, ser cidadão ou cidadã de bem…” (p. 7). Belas e sábias palavras, merecedoras de ponderada reflexão nestes tempos em que é tão ressaltado o sucesso a todo custo.
Um aspecto que sobressai ao longo da leitura é a ênfase dada pelo autor ao trabalho e à educação como vias privilegiadas de acesso a um futuro melhor. A propósito, escreve: “Essas histórias têm o objetivo de mostrar aos meus filhos, netos e bisnetos, que é possível vencer dificuldades através do trabalho persistente, e que a educação é a estrada que todos devem trilhar para uma vida melhor no futuro” (p. 96). Tal premissa é fruto não de conjeturas ou suposições, mas consequência natural de uma vida pautada nesses pressupostos.
Por fim, devo dizer que a leitura das “Pequenas Histórias da Vida de Francisco” levou-me, dentre outras coisas, a concluir que uma possível resposta para o enigma que me fora proposto nas primeiras páginas do relato é que somos, em parte, o que a vida faz de nós, e, em parte, o que nós fazemos da vida, o delicado equilíbrio entre destino e livre-arbítrio."

Fonte: Blog Sincronicidade, do massapeense Vasconcelos Arruda.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HOMENAGEM ÀS MÃES: UM DOS MAIS BELOS TEXTOS QUE JÁ LI

Resolvi homenagear às mães com esse texto que considero uma das mais belas páginas já escritas pela inteligência humana. Neste azo, quero cumprimentar a minha adorável mãe Terezinha Albuquerque e à minha esposa e companheira de todas as horas Marlúcia, mãe do meu bem mais precioso.
Retrato de Mãe
Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus; e pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo; que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com as forças todas da juventude; quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças; pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama, e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre ferido pelos ingratos; forte, entretanto estremece ao choro de uma criancinha, e, fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões; viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que so…

DICA DE LIVRO: JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones

Sempre tenho falado da importância do exercício da liderança, tanto na vida profissional, como pessoal. Como fruto dessa necessidade indico o livro JESUS, O MAIOR LÍDER QUE JÁ EXISTIU, de Laurie Beth Jones (Editora Sextante). A autora é consultora de marketing e conferencista de renome nos Estados Unidos. O livro trata sobre os princípios de liderança de Jesus Cristo e como podem eles ser aplicados no trabalho, gerando crescimento, harmonia e realização. Numa abordagem espirituosa, a autora compara Jesus a um empresário que montou uma equipe de 12 pessoas que estava longe de serem perfeitas, mas conseguiu treiná-las e motivá-las para cumprirem sua missão com sucesso. Nesse contexto, o livro mostra um modelo de gestão baseado em três categorias de forças: autodomínio, ação e relações. Entre as frases geniais do livro, destaco: "Esperar o tempo perfeito é uma grande desculpa e uma racionalização para se ficar parado e não fazer nada." (pág. 44); "Os líderes que compartilha…

DICA DE LIVRO: AUTO DA BARCA DO INFERNO, de Gil Vicente

Ainda da Coleção Clássicos Saraiva, indico para leitura a obra "O AUTO DA BARCA DO INFERNO", do humanista português Gil Vicente. Inicialmente destaco que Gil Vicente é um importante autor da literatura portuguesa e foi o fundadador do teatro em Portugal. Situada no limiar entre a Idade Média e o Renascimento, no período que ficou conhecido como Humanismo, entre os séculos XV-XVI, a obra vicentina é um atestado exemplar dessa transição de costumes e valores. Tendo temática de base religiosa, seu teatro consegue harmonizá-la com elementos profanos. "O auto da barca do inferno" é a obra mais famosa de Gil Vicente e um clássico do teatro de língua portuguesa. Seu tema central são as personagens que, mortas, são conduzidas à barca que as levará ao Inferno ou Paraíso. As cenas retratam o diálogo jocoso que cada um dos pecadores trava com o Anjo e com o Diabo. São muitas os personagens sociais que fazem parte do drama: Frade, Sapateiro, Fidalgo, Alcoviteira, Enfocado e ou…