quarta-feira, 2 de novembro de 2011

REFLEXÃO DO DIA: A NOSSA RESSUREIÇÃO (1 Coríntios, 15)

"Ora, se se prega que Cristo ressuscitou dentre os mortos, como dizem alguns dentre vós que não há ressurreição de mortos?
E, se não há ressurreição de mortos, também Cristo não ressuscitou.
E, se Cristo não ressuscitou, logo é vã a nossa pregação, e também é vã a vossa fé.
E assim somos também considerados como falsas testemunhas de Deus, pois testificamos de Deus, que ressuscitou a Cristo, ao qual, porém, não ressuscitou, se, na verdade, os mortos não ressuscitam.
Porque, se os mortos não ressuscitam, também Cristo não ressuscitou.
E, se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados.
E também os que dormiram em Cristo estão perdidos.
Se esperamos em Cristo só nesta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens.
Mas de fato Cristo ressuscitou dentre os mortos, e foi feito as primícias dos que dormem.
Porque assim como a morte veio por um homem, também a ressurreição dos mortos veio por um homem.
Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo.
Mas cada um por sua ordem: Cristo as primícias, depois os que são de Cristo, na sua vinda.
Depois virá o fim, quando tiver entregado o reino a Deus, ao Pai, e quando houver aniquilado todo o império, e toda a potestade e força.
Porque convém que reine até que haja posto a todos os inimigos debaixo de seus pés.
Ora, o último inimigo que há de ser aniquilado é a morte"

2 comentários:

  1. Amigo-irmão Carlinhos, Louvado seja Deus ! Fomos feitos para a Eternidade unidos nesta maravilhosa missão : Evangelizar ! Duc in altum ! R

    ResponderExcluir
  2. Amigo-irmão Carlinhos, a corriqueira Causa Mortis " De Repente " evidenciava a provável carência do Serviço de Verificação de Óbitos nos mais longínquos interiores ; ao mesmo tempo, expressava a natural e intuitiva Sabedoria de nossos ancestrais, preservando o Pesar Lusitano, a Saudade, Essência Cultural revelada no Soneto da Separação : " DE REPENTE do riso fez-se o pranto. Silencioso e branco como a bruma. E das bocas unidas fez-se a espuma. E das mãos espalmadas fez-se o espanto. DE REPENTE da calma fez-se o vento. Que dos olhos desfez a última chama. E da paixão fez-se o pressentimento. E do momento imóvel fez-se o drama. DE REPENTE, não mais que DE REPENTE. Fez-se de triste o que se fez amante. E de sozinho o que se fez contente. Fez-se do amigo próximo o distante. Fez-se da vida uma aventura errante. DE REPENTE, não mais que DE REPENTE." R

    ResponderExcluir